Gravidez

Como amamentar de forma correta?

Toda mãe quer sempre o melhor para seu filho, e quando o assunto é a alimentação do recém-nascido, nada pode ser melhor do que o leite materno! Por isso, toda mãe bem informada quer dar o peito. E para além das questões nutricionais, o ato de amamentar promove uma conexão única entre mãe e bebê.

Mas nem sempre o aleitamento transcorre com tranquilidade, sobretudo quando se é mãe de primeira viagem. Com boas informações a respeito do organismo da mãe e da criança, e algumas dicas de como amamentar, esse ato tão natural trará só prazer e saúde para toda a família.Veja como amamentar da forma correta:

Sobram razões para escolher o leite materno

Estudos científicos já comprovaram uma série de benefícios que a amamentação traz para a mulher e seu filho. Para a mãe, há vantagens imediatas, como a redução do sangramento no pós-parto e o alto consumo de calorias, o que a ajuda a voltar mais rapidamente ao seu peso anterior. Até no longo prazo as mulheres que amamentaram ganham em termos de saúde: elas têm menos risco de sofrer com diabetes, câncer de mama, útero e ovário.

Para o recém-nascido, receber o leite materno faz com que ele tenha um ganho de peso mais adequado do que os bebês que recebem fórmula, além de diminuir a probabilidade de ele ter anemia. Os anticorpos que a mãe passa ao filho pelo leite também protegem contra infecções respiratórias e gastrointestinais. O alimento de alta qualidade, aliado ao contato e o carinho do colo da mãe, ainda promovem um melhor desenvolvimento neuropsicomotor. Com o passar dos anos, quem foi amamentado ao peito têm menos riscos de ter diabetes e de se tornar obeso.

Dica: Descubra como se preparar para a amamentação e evitar problemas

Como amamentar

Para começar, escolha um lugar confortável, com bom apoio para as costas e braços (use uma banqueta também para os pés). É preciso levar o bebê até o peito (e não o peito até o bebê). Como ele tem que ficar bem alto, muitas mães se sentem melhores com uma almofada embaixo dos braços. O bebê deve ser posicionado de frente para o peito para não precisar torcer o pescoço.

O recém-nascido tem de abrir bem a boca, para abocanhar todo a auréola. Se ele pegar só o bico, não vai conseguir tirar o leite e ainda pode causar rachaduras e sangramento no seio. Se ele pegar só a ponta, a mãe deve retirar sua boca, introduzindo o dedo mínimo no cantinho do lábio para não machucar, e tentar novamente a pega correta. Mulheres com bico invertido podem ter dificuldades extra na pega, mas todas são biologicamente capazes de dar o peito e produzir leite.

Duas medidas podem ajudar na pega correta: molhar o bico e a auréola com algumas gotas do leite antes de oferecer o peito (assim, por reflexo, o bebê abre um bocão) e puxar com delicadeza o queixo do bebê para baixo na hora em que ele for abocanhar. O ideal é que o bebê fique com a “boca de peixinho” ao mamar, com o lábio inferior “enrolado” para fora.

Amamentação na maternidade

Quanto antes o processo de amamentação começar, melhor. Os médicos indicam que a criança seja colocada ao peito da mãe logo que nasce, ainda na sala de parto — exceto, é claro, se mãe ou bebê não estiverem em condições físicas em decorrência de alguma complicação. Isso não significa que ele vai sair mamando imediatamente: embora os bebês nasçam com o instinto da sucção, nem sempre eles conseguem fazer a pega correta das primeiras vezes. Mãe e filho precisam de um tempo para se adaptar a aprender a melhor forma para a amamentação. As enfermeiras costumam ser uma boa fonte de orientações práticas.

Nesse primeiro momento, a mãe nem terá o leite propriamente dito: o que vem nos primeiros dias é o chamado colostro, um líquido quase transparente, em pouca quantidade, que não vai “encher a barriga” do bebê, mas é rico em anticorpos. O colostro também prepara o aparelho digestivo do pequeno para digerir melhor o leite.

Só tomando o colostro, é perfeitamente normal que o bebê acabe perdendo peso nos primeiros dias de vida. Mas mantenha a calma e não ofereça fórmula! A mãe deve sim continuar oferecendo o peito, pois é o estímulo da sucção do bebê que faz com o que o leite desça.

Dica: Você sabe o que é colostro? Descubra a importância dele para o seu bebê!

Em casa, tudo muda de repente

O leite demora em média dois dias e meio para descer. Em geral, é quando a mulher está voltando para casa com seu bebê. Assim, muitas vezes, uma amamentação que parecia transcorrer sem problemas na maternidade começa a se complicar. Isso porque o leite pode vir repentinamente em grande quantidade e o recém-nascido não ser capaz de mamar tudo o que está sendo produzido. A dica nesses casos é tirar o excesso de leite após o bebê terminar de mamar. Isso evita o ingurgitamento, popularmente chamado de leite empedrado.

Para outras mulheres, o leite pode parecer vir em pouca quantidade. O melhor para aumentar a produção é tomar muita água — é preciso estar bem hidratada para produzir leite — e descansar o máximo possível. Também é bom deixar o bebê mamar em livre demanda, ou seja, sempre que ele quiser, porque quanto mais sucção, maior produção.

Se o bebê parecer dormir logo que pega o peito, é preciso estimulá-lo para que se mantenha acordado. Como o colo da mãe o aquece — e isso provoca sonolência —, tirar um pouco de suas roupas é uma boa ideia, pois faz com que ele desperte.

Confira no banner abaixo algumas orientações para que o seu bebê chegue em um ambiente familiar confortável, organizado e muito seguro.

Amamentar com amor e sem dor

O período de adaptação pode mesmo ser difícil e algumas rachaduras acabam sendo inevitáveis para grande parte das mulheres. A recomendação médica nesses casos é usar pomadas a base de lanolina (peça indicação ao seu médico) e nunca parar de dar o peito. Em pouco tempo, mãe e bebê aprendem como fazer a pega corretamente e a dor passa.

Aos poucos, o corpo da mulher também vai ajustando a quantidade de leite produzida às necessidades do bebê, o que reduz possíveis dores provocadas pelo excesso de produção e empedramento.

Amamentar vai ser um hábito frequente em sua vida por, no mínimo, seis meses. Então, lembre-se de manter sempre uma boa postura para não acabar com dores nas costas e nos ombros. Sabendo direitinho como amamentar, logo esse ato será só prazer para mãe e filho. E, vale a pena repetir sempre: não existe leite fraco! Seu leite tem tudo que seu recém-nascido precisa, de nutrientes a amor.

Essas informações foram úteis para você? Assine nossa newsletter e receba todas as nossas dicas para cuidar cada vez melhor do seu pequeno!

Categorias: Gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    (CRM: 876879RJ)
    Graduação em Medicina pela Universidade Estácio de Sá;
    Residência Médica em Pediatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    Residência Médica em Endocrinologia Pediátrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    Certificado de Atuação na Área de Endocrinologia Pediátrica (CAAEP)- RJ; Mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.