Gravidez

Dúvidas comuns sobre o ultrassom gestacional

Muitas mães ficam ansiosas pelo primeiro ultrassom e têm muitas dúvidas sobre esse exame. O ultrassom é capaz de gerar imagens nítidas o suficiente para que um profissional bem treinado e experiente possa acompanhar o desenvolvimento do bebê e para que várias malformações sejam identificadas.

Leia o nosso post para entender tudo sobre esse exame.

Quais os tipos de ultrassom?

O ultrassom, dependendo da fase da gestação e de seu objetivo, pode receber as denominações, abaixo discriminadas:

  • “ultrassom transvaginal”: confirma a gravidez e verifica o local da implantação do saco gestacional, além de determinar o número de fetos e seu bem estar;
  • “ultrassom morfológico de 1o e 2o trimestres”: permitem a análise da anatomia do bebê, ajudando no rastreio de malformações e síndromes cromossômicas;
  • “ultrassom obstétrico”: acompanhar a evolução da gestação, analisando o desenvolvimento do bebê, características da placenta e cordão umbilical, além de avaliar a quantidade de líquido amniótico;
  • “ultrassom com Doppler colorido”: apesar do nome, não mostra as imagens a cores, mas ajuda na análise do fluxo sanguíneo nos vasos do cordão umbilical, cérebro do bebê e útero, sendo indicado para avaliação da função placentária, rastreio de risco para hipertensão arterial na gestação (pré-eclâmpsia) e seguimento de gestações de alto risco;
  • “ultrassom em 3D”: adiciona a dimensão de profundidade, tornando a imagem mais nítida, permitindo a confirmação e melhor avaliação de anomalias, além, é claro, da obtenção da tão aguardada “foto do rostinho do bebê”;
  • “ultrassom em 4D”: permite uma imagem em 3D, em tempo real, melhorando a qualidade das imagens e, portanto, a acurácia do exame.

Como o ultrassom calcula o tempo de gravidez?

O embrião pode ser identificado a partir da 6ª semana de gravidez; daí, até a 13ª semana, a medida do comprimento da cabeça até as nádegas (CCN) pode ser usada para determinar o tempo de gravidez, com um erro pequeno, de menos de uma semana.

A partir do segundo trimestre, o CCN é substituído por uma série de medidas (cabeça, fêmur, abdome, etc). Apesar de trabalharmos com a média dessas medidas (Biometria Fetal), ainda podemos ter uma margem de erro entre 7 e 10 dias, que, a partir da 30ª semana (3o trimestre), chega à 2,5 semanas. Assim, quanto mais precoce o exame, mais preciso o cálculo da idade gestacional.

Quando o primeiro ultrassom deve ser feito?

O primeiro ultrassom, o transvaginal, deve ser feito entre a 6ª e a 13ª semana de gravidez. Nessa época, o embrião/feto já costuma ser visualizado e é possível calcular com precisão o tempo de gravidez.

O ultrassom pode machucar o bebê?

Não. O ultrassom utiliza uma frequência sonora superior àquelas que o ouvido humano, seja adulto ou feto, conseguem perceber e é um método diagnóstico considerado extremamente seguro para a mãe e para o bebê e mesmo se realizado em todas as consultas, não gera qualquer dano. Mesmo o ultrassom transvaginal, além de não ser doloroso para a mãe, é inofensivo ao bebê.

O ultrassom consegue detectar quais doenças?

O ultrassom morfológico, realizado entre a 12ª e a 14ª semana e repetido no segundo trimestre, entre a 20ª e a 24a semana, permite a identificação de cerca de 90% das malformações, como o lábio leporino, alterações cardíacas, alterações do esqueleto fetal, hidroencefalia, além de ajudar no rastreio de síndromes cromossômicas, tais como a Síndrome de Down. O ultrassom em 3D/4D pode, então, ser realizado para confirmar e mensurar tais alterações.

Mesmo com tudo normal nos ultrassons, tem alguma chance do bebê ter má-formações?

Por mais sofisticado que o ultrassom seja, ele não é capaz de detectar todas as malformações. Cerca de 10% só serão descobertas, na hora ou após o nascimento. E isso não depende da experiência e do treinamento de quem realizar o ultrassom, mas sim do tipo da malformação que pode não ser visualizado na imagem ultrassonográfica — como lesões na pele ou problemas no funcionamento de algum órgão.

Quando vou descobrir o sexo do bebê? Dá pra confiar?

A diferenciação do bebê em menina ou menino só começa a ocorrer a partir da 11ª semana. Antes disso, os genitais externos são muito parecidos.

No início, há uma pequena diferença na inclinação de uma estrutura chamada tubérculo ou apêndice. Se o médico sugere o sexo, nessa época, a chance de erro é de até 20%. Após esse período, a posição do bebê pode impedir que a genitália seja vista. Outras condições podem prejudicar a obtenção de uma boa imagem, tais como a obesidade materna e o número de fetos presentes (gêmeos). De qualquer forma, em geral, a chance de acerto depende da qualidade do equipamento utilizado para o exame e da habilidade e experiência do profissional.

Quantos ultrassons devem ser feitos?

Recomendam-se pelo menos quatro ultrassons durante a gravidez, incluindo o primeiro transvaginal, dois morfológicos e um terceiro ultrassom, no terceiro trimestre, que identifica alterações específicas dessa época, em relação ao crescimento do bebê, à placenta e à quantidade de líquido amniótico. Mas cada gestação tem as suas peculiaridades e apenas o obstetra pode determinar quantos ultrassons serão necessários.

O uso do ultrassom auxilia muito o médico na realização do pré-natal, seja acompanhando o desenvolvimento do bebê ou diagnosticando previamente alterações que devem ser verificadas e até corrigidas antes e/ou no momento do nascimento.

Ainda tem alguma dúvida sobre o ultrassom? Escreva pra gente, aqui nos comentários!

Categorias: Gravidez , Pré-natal

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.