Criança

4 pontos fundamentais para avaliar na primeira escola do bebê

Com o fim da licença-maternidade, é hora de voltar ao trabalho. Essa é uma preocupação que assola todas as mães com seus bebês, dada a dificuldade de encontrar uma babá de confiança e de dispor de mais tempo para ficar com a criança.

Uma das alternativas mais plausíveis é colocar o bebê na sua primeira escola, mas como escolher? Nosso objetivo com este post é mostrar quais pontos fundamentais você deve avaliar antes de o bebê ingressar na escolinha! Confira:

O projeto educacional da primeira escola

O Ministério da Educação frequentemente divulga publicações em que aborda a qualidade da educação infantil. Alguns indicadores apreciados pelo MEC são exatamente os que dizem respeito ao projeto educacional da escola, como uma proposta pedagógica consolidada, planejamento, acompanhamento e avaliação, e registro da prática educativa.

Além desses indicadores, é importante verificar se o projeto educacional é coerente com a educação que você espera para o seu pequeno. Se, por exemplo, a proposta tiver cunho religioso e isso não a agrada, não faz sentido colocá-lo ali, por melhor que seja a instituição.

Equipe de profissionais

Atenta ao projeto educacional, verifique se a equipe de profissionais é qualificada para lidar com bebês e crianças, se ela é estimulada a se formar continuamente e se têm condições de trabalho adequadas. Veja por quantas crianças cada professor é responsável: uma média nacional prevê que cada professor deve cuidar, no máximo, de 6 a 8 crianças de até 2 anos.

São esses profissionais que contribuirão para estimular o desenvolvimento do seu filho conforme a idade, ajudando a criança a construir sua autonomia, a relacionar-se com o ambiente natural e social, a ter experiências agradáveis e se expressar de diversas formas.

Condições dos ambientes

Em relação ao ambiente da escolinha, é preciso atentar-se, no mínimo, para a limpeza e higiene do local e dos objetos manuseados, se há ventilação adequada e se não há muito ruído. Tudo isso para que a interação da criança com o ambiente não seja prejudicada. Lembre-se também de verificar se a escola possui um cardápio saudável para a alimentação do seu filho.

Um ambiente desfavorável (sem limpeza suficiente) contribui para as famosas “viroses” — que já ocorrerão pelo simples fato de o bebê estar em contato com outras pessoas. Alergias e outros incômodos também são recorrentes, mas podem ser diminuídas se as condições forem ideais.

Por fim, repare se o ambiente é adequado e acessível para a idade da criança, oferecendo estrutura que favoreça a experiência do bebê, circulação segura e prevenindo acidentes. Os espaços físicos de que a escola dispõe devem estimular sempre o desenvolvimento das crianças.

Comunicação com os pais

Analisados os pontos que relacionam o bebê com a escola, é preciso se importar com a comunicação que a instituição estabelece com os pais. Valorize as escolas que têm bom relacionamento com a família, marcando reuniões e entrevistas em horários adequados e com uma frequência satisfatória, que valorize a participação dos pais e se preocupe em enviar relatórios sobre o aprendizado e a vivência da criança.

Quanto melhor for a comunicação, mais satisfeita você ficará, pois sentirá que seu filho está sendo bem acompanhado na sua ausência.

Projeto educacional, profissionais qualificados, ambientes favoráveis e boa comunicação com os pais são os 4 pontos fundamentais para avaliar a primeira escola do bebê!

Gostou das nossas dicas? Compartilhe o texto nas redes sociais para que mais mamães possam saber também!

Categorias: Criança

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    (CRM: 876879RJ)
    Graduação em Medicina pela Universidade Estácio de Sá;
    Residência Médica em Pediatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    Residência Médica em Endocrinologia Pediátrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    Certificado de Atuação na Área de Endocrinologia Pediátrica (CAAEP)- RJ; Mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.