Gravidez

As 5 principais causas da coceira na gravidez

Muitas mulheres relatam uma maior sensibilidade da pele e episódios de coceira e comichões durante a gestação. A sensação é comum nesse período, podendo ter causas variadas, mas, como qualquer mudança inesperada, deixa as futuras mamães bastante preocupadas e desconfortáveis com esse sintoma, que é no mínimo desagradável. Porém, nem sempre a coceira na gravidez está diretamente relacionada à gestação, podendo ser resultado de uma doença de pele pré-existente ou alergias a produtos e alimentos.

A maioria dos casos não traz riscos para a gestante ou para o bebê, mas há outros, em especial a colestase da gravidez — uma condição bastante rara, que acomete 0,1% a 2% das gestações — que exige uma atenção maior e cuidados médicos específicos, pois pode ser grave e levar à morte do feto.

Neste artigo, listamos 5 causas da coceira na gravidez. Vamos explicar seus motivos e sintomas relacionados, além das formas de tratamento e dicas para amenizar o desconforto. Boa leitura!

5 causas para coceira na gravidez

1. Colestase da gravidez

A colestase é uma condição em que há um descompasso do metabolismo hepático, o que provoca o acúmulo de sais biliares em todo o organismo da gestante. Quando esses sais se depositam na pele, causam coceiras intensas, geralmente nas plantas dos pés e palmas das mãos, podendo se espalhar pelo corpo. Normalmente, aparece no terceiro trimestre da gravidez.

Os motivos para esse mau funcionamento hepático ainda não são claros, mas, acredita-se que esteja relacionado ao aumento do hormônio estrogênio, além de ter uma predisposição genética — mulheres andinas, grávidas de gêmeos e as que fizeram fertilização in vitro têm mais chances de desenvolverem a condição.

Riscos para o bebê

A colestase não é perigosa para a mulher, porém, pode comprometer seriamente a saúde do bebê, inclusive provocando sua morte. Quando os sais biliares se concentram na placenta podem provocar um parto prematuro ou comprometer os vasos sanguíneos que levam nutrientes e oxigênio para o pequeno.

Sintomas relacionados

Além da coceira intensa, a colestase pode apresentar os seguintes sintomas:

  • urina escura;
  • fezes muito claras;
  • pele amarelada;
  • fadiga, insônia e mal-estar (ocorrem com menor frequência).

Tratamento e cuidados

O mais importante da colestase é o diagnóstico precoce. Assim que a condição é confirmada, o pré-natal é intensificado para acompanhar mais de perto a saúde do bebê por meio do exame clínico e de exames como a cardiotocografia (CTG) — que monitora a frequência cardíaca do bebê — e o ultrassom com doppler, que permite analisar a qualidade do fluxo sanguíneo para o feto, entre outras informações.

Na maioria dos casos de colestase é necessário antecipar o parto — normalmente para a semana 37 a 39, de acordo com o estado de saúde do bebê. Com esses cuidados, o pequeno chega com muita saúde e sem nenhum problema.

Confira, de forma clara, ética e transparente, respostas para o dilema de armazenar ou não essas células. Clique no banner abaixo:

2. Dermatite de contato e alergias

Boa parte das coceiras sentidas pelas gestantes está relacionada a alguma dermatite de contato ou alergia. Essas condições, geralmente, não trazem nenhum risco para o bebê, mas são um grande incômodo para a mamãe. A gestação diminui a imunidade da mulher, deixando-a mais sensível às substâncias e alimentos alergênicos, como perfume, pólen de flores, amendoim e frutos-do-mar —, mesmo que a gestante não tivesse essas alergias antes de engravidar.

A pele também fica mais delicada e pode reagir a produtos de beleza antes usados com frequência, como esmaltes e cremes. O próprio atrito com a roupa pode causar irritações que deixam o local avermelhado e com comichões.

Nesses casos, a melhor forma para evitar o problema é deixar de comer alimentos com muitos corantes e com alto poder de alergia e usar roupas macias e confortáveis, para evitar a coceira por atrito. Se algum cosmético de uso regular lhe der reação alérgica, suspenda o uso imediatamente e fale com seu médico.

Dica: Moda gestante: aprenda como escolher peças confortáveis e naturais para o corpo!

3. Pele seca

Algumas gestantes podem ficar com a pele mais seca, especialmente durante o inverno. Com menos hidratação, há uma maior propensão às coceiras. Para evitar e aliviar o problema basta tratar a pele com um creme hidratante neutro e beber bastante água.

Evite tomar banhos muito quentes, pois a temperatura elevada da água também retira a oleosidade natural da pele, causando ressecamentos, coceiras e pinicação.

4. Candidíase

O aumento dos níveis de estrogênio durante a gravidez favorece a proliferação da bactéria Candida Albicans, presente naturalmente na região vaginal — tornando a candidíase uma condição muito comum entre as gestantes. Os sintomas característicos do problema são coceira intensa na vagina e corrimento leitoso. A região pode ainda ficar avermelhada e sensível.

A candidíase não traz riscos para o bebê durante a gravidez, mas pode contaminá-lo no canal de parto, se estiver ativa, causando o popular sapinho. A mãe pode ser novamente contaminada pelo pequeno durante as mamadas, desenvolvendo um quadro de candidíase mamária, o que pode dificultar a amamentação.

Durante a gravidez a candidíase pode ser tratada com cremes vaginais e antifúngicos receitados pelo obstetra, sem riscos para a saúde da mamãe e do bebê.

Usar sabonetes específicos para a região íntima e calcinhas de algodão que permitam a respiração da pele ajuda a evitar o problema. Evite também protetores diários com cheiro e papel higiênico perfumado.

Dica: Como funcionam as células-tronco no tratamento de doenças do sangue?

5. Erupção polimórfica

Essa é uma das ocorrências dermatológicas mais comuns da gravidez. Não traz nenhum risco para o bebê, mas é extremamente incômoda para a mãe. Além da coceira intensa, pode aparecer uma variedade de lesões:

  • pápulas no formato de bolinhas;
  • pequenas bolhas (vesículas);
  • lesões em forma de alvo.

É mais comum na primeira gestação e em gestantes que ganharam muito peso, quando o bebê é muito grande para a idade gestacional ou em gravidez de gêmeos. Suas causas são desconhecidas, mas as ocorrências sugerem que o estiramento excessivo da pele provoca uma resposta de defesa do organismo.

Geralmente o quadro começa com o aparecimento de estrias na barriga e coceira local. Em seguida, aparecem bolinhas vermelhas com coceira intensa. Essas bolinhas se tornam lesões maiores e se espalham pelo corpo, especialmente coxas, braços, costas e nádegas. Normalmente o problema se resolve sozinho e tem duração média de seis semanas. Não costuma reaparecer na segunda gravidez.

Apesar de ser um incômodo muito comum e, na maioria das vezes, sem gravidade ou riscos para a gestante e o bebê, a coceira na gravidez não deve ser negligenciada. Fale sempre com seu obstetra se ela for muito intensa ou vier acompanhada de outros sintomas.

Evite coçar a pele com força, pois há riscos de causar ferimentos que podem ser porta de entrada para bactérias e outros microrganismos. E nunca se automedique! Apenas o ginecologista ou o dermatologista podem receitar remédios para aliviar a coceira.

Conheça mais sobre nossos planos de coleta e armazenamento via WhatsApp!

 

Gostou do nosso artigo? Então, compartilhe em suas redes sociais para que mais gestantes conheçam as causas da coceira na gravidez!

Categorias: Gravidez , Saúde na gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.