Gravidez

Qual é a função da placenta?

Amor, carinho e ternura são sentimentos que envolvem o universo da maternidade, sentimentos estes nutridos desde a fase da gestação e que se fortalecem ao passar do tempo.

Mas não são apenas laços emocionais que ligam mãe e filho: durante os 9 meses da gravidez, essa interação, além de emocional, é física e biológica. E a placenta é um importante elemento dessa ligação gestante-bebê.

Mas qual é a função da placenta, qual a sua importância e como ela é gerada? Essas são algumas das questões que trataremos no post de hoje. Preparamos um roteiro direto e objetivo para que você possa esclarecer suas dúvidas sobre o assunto. Confira!

Meio para troca de fluidos entre mãe e bebê

O pequeno ser que cresce e se desenvolve na barriga da futura mamãe durante as 40 semanas de gestação, precisa se alimentar. Isso porque ele necessita obter nutrientes para que o seu crescimento ocorra adequadamente.

Mas não é só de alimento que esse minúsculo ser precisa: ele também necessita de oxigênio, proteínas, glicose, anticorpos e hormônios. E é aí que entra a placenta.

É por meio dela que essas substâncias são transmitidas da mamãe para o bebê, mais especificamente do sangue materno para o sangue do embrião. Além disso, existe ainda a transmissão bebê-mãe: o gás carbônico e as excretas eliminadas pelo embrião são direcionadas para a mãe via placenta.

Resumindo: a placenta agrega simultaneamente várias funções, permitindo que o embrião realize trabalhos de alimentação, respiração e digestão. Já deu para perceber que a placenta funciona como um verdadeiro caminho por meio do qual ocorre troca de fluidos da mãe para o bebê e vice-versa, não é mesmo?

E é justamente pelo fato da placenta exercer um papel tão importante durante a gestação que problemas ocasionados nessa estrutura, como o descolamento da placenta, são ocorrências preocupantes e que requerem acompanhamento médico adequado.

Dica: A importância da alimentação saudável durante a gravidez

Importante camada protetora para o bebê

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a placenta não envolve o bebê. Na verdade, o que envolve o bebê é a bolsa d’água. Essa membrana, preenchida por líquido amniótico, acaba funcionando uma verdadeira “piscina”, na qual o bebê fica totalmente submerso.

Já a placenta, forma uma espécie de camada protetora, à semelhança de um verdadeiro ninho, a partir da qual o embrião cresce e se desenvolve. Infelizmente, essa camada não consegue fornecer uma proteção completa: alguns tipos de vírus, como o da sífilis ou o da rubéola, e outros elementos, como medicamentos, álcool e tabaco conseguem transpor essa barreira, chegando até o bebê.

Por isso mesmo, é indispensável que a gestante permaneça atenta a que tipo de medicamentos ingerirá e evitar o consumo de álcool e o fumo durante a gestação; afinal, algumas substâncias nocivas podem alcançar o bebê, ultrapassando a barreira da placenta.

Além de servir como proteção, essa camada produz ainda hormônios fundamentais para manutenção da gestação e preparação do corpo da mulher para as etapas de parto e amamentação, além de regular o metabolismo do embrião.

Dica: Como é o desenvolvimento fetal no último trimestre da gravidez?

Como a placenta é gerada

Agora que já sabemos algumas das principais funções que a placenta exerce para o desenvolvimento do embrião, uma dúvida paira no ar: como ela é formada?

A placenta pode ser entendida como um órgão que se forma apenas durante o período gestacional. Ela é constituída basicamente pela junção de tecidos embrionários a tecidos maternos.

Sua formação é iniciada logo após uma etapa chamada de nidação, quando o ovo fertilizado se implanta na parede do útero, o que acontece cerca de 7 a 10 dias após a fertilização e se estende até o fim do primeiro trimestre da gestação.

Com base nesse ponto de ligação, a placenta começa a se desenvolver, sendo formadas pequenas saliências que, progressivamente, transformam-se em vasos sanguíneos, por onde se inicia o processo de troca de fluidos entre mãe e filho. Esses vasos darão lugar posteriormente ao cordão umbilical.

O que acontece com a placenta após o parto

Independentemente do tipo de parto escolhido ou da idade da mulher, um parto resulta sempre na retirada do bebê e de todas as estruturas acessórias que se formam dentro do organismo feminino durante a gestação. Ou seja, nada fica sobrando.

Em partos normais, o próprio organismo feminino expulsa a placenta de seu interior, em um processo denominado de dequitação. Já em partos tipo cesárea, o médico faz uma intervenção para a retirada da placenta, em um procedimento que dura cerca de 5 a 30 minutos.

E o que acontece com a placenta após o trabalho do parto? Ela é simplesmente descartada? Na maioria das vezes, o destino final da placenta acaba mesmo sendo o descarte.

Apesar de ser uma espécie de tecido rico em hormônios, como progesterona e ocitocina, e ferro, essa estrutura não possui um uso ou destinação específicos. Diferentemente do sangue do cordão umbilical, por exemplo, que carrega consigo células-tronco que são muitas vezes armazenadas para um possível uso no combate de doenças, a placenta não possui outra função após findo o período do parto.

Clique no banner e saiba tudo sobre as células-tronco do cordão umbilical!

Em algumas culturas, as mães comem um pouco da placenta, imitando o que muitas espécies de animais fazem na natureza. Outras enterram-na. Outras, ainda, preferem guardar uma recordação do parto, preservando a placenta por meio da confecção de alguma peça ou artesanato com o material residual da placenta ou fazendo uma pintura.

Como você pode concluir, a placenta desempenha importante papel para o desenvolvimento embrionário, quer seja funcionando como meio para troca de fluidos entre mãe e bebê, quer seja servindo como camada protetora para o feto em desenvolvimento.

Conhecer um pouco mais sobre como é formada e qual é a função da placenta é indispensável para os futuros papais e mamães. Isso porque, caso alguma intercorrência se observe durante o período gestacional e culmine em problemas na placenta, os pais já estarão cientes da importância dessa estrutura para o desenvolvimento do seu bebezinho.

E aí, gostou do nosso artigo? Conseguiu aprender um pouco mais sobre a placenta e sua importância na gestação? Compartilhe conosco as suas experiências, deixando um comentário em nosso post. Até a próxima!

Categorias: Gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.