Gravidez

8 cuidados que você deve ter no período pós-parto

Em meio a tantas novidades, visitas, banhos e aprendizados com seu bebê, é importante pensar em você durante os cuidados pós-parto, também chamado de puerpério. Essa é uma fase repleta de transformações físicas e psicológicas para a mãe, tendo início no parto e terminando por volta de oito semanas após, etapa que geralmente coincide com a volta da menstruação normal. A maioria das mulheres se preocupa mais com as dúvidas relacionadas aos cuidados com o bebê, deixando de lado o próprio corpo. Claro que nesse período tão trabalhoso, repleto de descobertas e incertezas não é fácil cuidar de si, mas é de extrema importância não se deixar de lado para que esse momento seja proveitoso e inesquecível.

Entender o que está acontecendo com você e tomar algumas medidas simples e eficazes podem evitar problemas com sua saúde e, indiretamente, com a saúde do seu pequeno, que necessita de um crescimento e desenvolvimento normais. Confira 8 cuidados pós-parto essenciais:

Preste atenção no seu peso

Questões sobre o peso são muito frequentes entre as mães. Em uma gestação normal, o peso da mulher pode aumentar cerca de 8 ou 9 quilos. No período após o parto são perdidos cerca de cinco quilos, contando o peso do bebê, placenta e líquidos, sendo que em poucos dias os líquidos retidos durante a gestação e o próprio processo de amamentação (que também ajuda a perder peso) auxiliam a mãe a perder mais dois ou três.

Não se engane quanto à aparência do abdome na primeira semana após o parto, pois o útero que estava com cerca de 36 centímetros ainda não diminuiu completamente. No primeiro dia após o parto, o útero ainda se encontra na altura da cicatriz umbilical, com cerca de 20 centímetros de altura, passando a diminuir progressivamente até chegar ao tamanho normal.

Dica: Como deve ser a alimentação da mulher no período pós-parto?

Cuidado com os seios

As mamas devem ser observadas com frequência, já que é comum que ocorra complicações com essa parte do corpo no pós-parto. A mastite puerperal, infecção das glândulas mamárias, é relativamente frequente, assim, se sentir dor e vermelhidão no local, com ou sem febre, procure o seu ginecologista. Ressecamentos e fissuras da aréola também são queixas comuns entre as mães e podem ser evitadas, mas, caso já tenha algum desses sinais, aplique o próprio leite materno (que auxilia na cicatrização) ou pomadas específicas.

Mantenha a higiene correta

A região genital merece um cuidado especial nessa época, devendo ser higienizada com água e sabão neutro apenas. Os absorventes devem ser trocados, no mínimo, de quatro em quatro horas, especialmente nos dez primeiros dias, nos quais aparecem as loquiações. A loquiação é a secreção vaginal dos primeiros dias do puerpério, inicialmente vermelha, que passa progressivamente para uma coloração mais escura, amarelada clara e branca, até que se torna imperceptível.

De olho nas cicatrizes

São basicamente dois tipos de cicatrizes que podem ser feitas no parto. A episiotomia, corte feito no canto da vagina em partos normais, pode  ser realizada para evitar lacerações perineais durante a saída do bebê. Já a segunda cicatriz é o corte da cesárea, feita acima do osso púbis.

Qualquer uma das cicatrizes deve ser bem cuidada e higienizada, sempre com água e sabão neutro. Vale dizer que a região deve estar sempre seca para evitar complicações. Fique atenta a sinais de infecção das cicatrizes, como vermelhidão, dor intensa, saída de secreção amarelada ou esverdeada e com cheiro ruim.

No banner abaixo confira mais sobre a nova etapa que se inicia logo após o nascimento do seu bebê!

Incômodos e dores

Tanto o parto normal como a cesárea causam dores, que podem ser leves a intensas dependendo da pessoa e da causa da dor. A diminuição do tamanho do útero se dá por contrações semelhantes às cólicas menstruais e são sentidas no puerpério. As cicatrizes, seja da episiotomia ou cesárea, podem apresentar uma dor leve a moderada pelo próprio trauma do corte realizado na região.

Porém, caso a dor seja intensa, esse pode ser um alerta, especialmente se ela estiver associada a outros sintomas. Esses sinais podem indicar algumas complicações como infecções operatórias ou mastite puerperal.

Alimentação: quais as restrições?

Os primeiros dias após o parto podem ser difíceis para a alimentação, pois a mãe ainda pode sentir algumas náuseas e vômitos. Assim, nesse período é importante ingerir alimentos de fácil digestão e que tenham muita água em sua composição, como melancia e melão. Bebidas como sucos e águas estão liberados, já que ajudam a diminuir o inchaço da gravidez e até aumentar a produção de leite materno, assim como alimentos gordurosos e repletos de açúcar podem ter o efeito contrário, piorando o inchaço e o mal-estar.

Posteriormente, com a melhora desses sintomas intestinais, já se pode introduzir a dieta normal, dando preferência a alimentos equilibrados e saudáveis, como verduras e legumes, peixes e carnes magras. Nesse período, a ingestão de proteínas deve ser aumentada, pois há necessidade de incrementar os níveis de ferro, que tendem a diminuir na gestação. Para mães veganas e/ou vegetarianas, a ingestão de soja e grão-de-bico, assim como vegetais verde-escuros pode auxiliar no aumento dos níveis de ferro sanguíneo.

Dica: Como amamentar de forma correta?

Hábitos saudáveis

Durante o puerpério, a mãe deve evitar o uso de drogas ilícitas, tabaco e álcool. Além disso, o uso de qualquer medicamento deve ser previamente autorizado pelo seu médico, já que algumas substâncias impossibilitam a amamentação.

Exercícios físicos: aliados ou vilões?

Após 2 semanas do parto normal, a mãe pode dar início a algumas atividades físicas leves e curtas, como extensão e flexão dos membros, assim como massagens. Esses exercícios vão ajudar a circulação sanguínea, diminuir o inchaço e dar mais disposição. Porém, é importante lembrar-se de que este ainda é um momento que exige cuidados, portanto, essas atividades devem ser feitas com calma e devagar para evitar sintomas como pressão baixa.

Já as mulheres que fizeram a cesárea, o período para liberação de atividades físicas é de quatro a seis semanas após o parto — consulte sempre o seu médico.

Curta esse momento com tranquilidade e aproveite para pesquisar em nosso blog outras dicas importantes para as mamães. Ficou com alguma dúvida sobre os cuidados pós-parto? Compartilhe com a gente nos comentários!

Categorias: Gravidez , Tipos de parto / Pós parto

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.