Gravidez

Para ficar de olho: 7 doenças comuns e perigosas durante a gravidez

Durante a gravidez, todo cuidado é pouco. Sintomas aparentemente benignos como febre ou manchas na pele podem representar doenças sérias que aumentam a chance de parto prematuro ou colocam em risco a vida da mãe e do bebê.

Apesar desse fato alarmante, o ideal não é que a gestante passe os nove meses ansiosa e preocupada, mas que saiba tudo o que pode fazer para proteger sua criança de qualquer alteração.

Mas afinal, quais as doenças comuns que podem ser perigosas durante a gestação? Quais sintomas elas causam? Por que elas são mais perigosas na gravidez? O que fazer para se proteger delas? Vamos responder a essas e outras perguntas aqui no post de hoje. Confira!

1. Infecção do trato urinário

Praticamente toda mulher já teve uma infecção urinária ao longo da vida e sofreu com a ardência ao urinar e a dor constante na parte mais baixa da barriga. Apesar de muito comum, no entanto, a infecção urinária raramente é grave e pode ser tratada com um curto tratamento de antibióticos.

A situação é um pouco diferente para as gestantes, já que a grávida pode não perceber os sintomas da infecção ou acreditar que se trata de um desconforto natural dessa fase da vida. Além disso, o trato urinário da gestante é mais suscetível a infecções graves que afetam os rins e se espalham pelo corpo. Esse processo inflamatório pode afetar o crescimento do bebê ou aumente o risco de parto prematuro, quando não for diagnosticado e tratado adequadamente.

2. Gengivite

Provocada pelo acúmulo de placa bacteriana e por maus hábitos de higiene bucal, a gengivite é geralmente uma infecção leve com inchaço gengival e pequenos sangramentos. Contudo, as substâncias inflamatórias liberadas pela gengiva infectada durante a gravidez são suficientes para acelerar o trabalho de parto e fazer com que o bebê nasça antes do previsto.

Como a criança prematura tem mais chances de necessitar de cuidados intensivos ou apresentar baixo peso e problemas respiratórios, a gengivite afeta diretamente a saúde do bebê.

3. Zika

Geralmente assintomática em adultos, a zika é capaz de provocar alterações graves no desenvolvimento fetal, como a microcefalia. Como a doença chegou recentemente ao Brasil, pouco ainda se sabe sobre possíveis tratamentos para as crianças afetadas ou métodos para evitar a transmissão do vírus da mãe para o bebê.

Assim, caso a gestante apresente febre, manchas na pele, vermelhidão ocular ou dores nas articulações, é importante passar por uma avaliação médica e investigar a possibilidade de uma infecção por zika.

4. Doenças sexualmente transmissíveis

Sífilis, herpes e HIV são algumas das doenças sexualmente transmissíveis que podem trazer riscos extras às gestantes. A infecção por essas doenças está longe de ser inofensiva na população em geral, mas nas gestantes há o risco de transmissão para o bebê em desenvolvimento.

Uma vez infectada, a criança sofre os efeitos da doença ainda dentro da barriga da mãe e pode nascer com diversas malformações (lesões de pele, calcificações no cérebro, aumento do tamanho do fígado e do baço, surdez, retardo mental etc.) ou mesmo ser abortada espontaneamente.

5. Catapora e citomegalovírus

Transmitidos pelo ar, o vírus da varicela (catapora) e o citomegalovírus costumam gerar infecções brandas ou mesmo assintomáticas em pessoas saudáveis. Porém, nas gestantes, esses vírus também contaminam o feto e provocam alterações no desenvolvimento.

Crianças com infecções congênitas de catapora podem apresentar baixo peso, hipoplasia de membros, cegueira, hidrocefalia e baixa imunidade. Já a infecção por citomegalovírus pode provocar icterícia, aumento do tamanho do fígado e do baço, retardo de crescimento intrauterino, microcefalia e pneumonia.

6. Toxoplasmose

A toxoplasmose é mais uma doença que não costuma gerar qualquer problema para a população em geral, mas que pode atrapalhar o desenvolvimento fetal quando acomete a gestante.

Sua transmissão ocorre através do consumo de cistos do protozoário Toxoplasma gondii presentes em vegetais mal lavados, carnes cruas e fezes de gatos. Os únicos sintomas da doença costumam ser as alterações fetais.

7. Diabetes e hipertensão

diabetes mellitus e a hipertensão arterial sistêmica são as doenças mais comuns na população mundial e só costumam gerar consequências após décadas do diagnóstico.

Durante a gravidez, no entanto, o impacto pode ser mais precoce e afetar a saúde da mãe e do bebê. São comuns alterações no ritmo de crescimento intrauterino, no peso do bebê ao nascimento, no funcionamento do sistema respiratório e no momento do parto.

Para a mãe, há maior chance de descolamento de placenta, hemorragias, pré-eclâmpsia, eclâmpsia e síndrome HELLP, por exemplo.

Como prevenir essas doenças?

A prevenção de doenças durante a gestação é um cuidado essencial para a manutenção da saúde da mulher e do bebê. Aqui vão algumas dicas:

Realize o pré-natal

Realizar todas as consultas de pré-natal é a melhor forma de ter certeza de que a gravidez está progredindo bem e que o bebê está se desenvolvendo de forma adequada. Use as consultas para tirar dúvidas com o médico e receber orientações dietéticas e não se esqueça de realizar todos os exames de sangue, de urina e ultrassons solicitados.

Vá ao dentista

Algumas pessoas acreditam que gestantes não podem realizar tratamentos odontológicos, mas isso é um mito. Na verdade, a gestante deve manter um acompanhamento regular com o dentista, realizar limpezas e tratar qualquer cárie ou fontes de infecção local.

Caso o tratamento possa trazer algum risco para o bebê, o dentista, o obstetra e a gestante devem discutir e avaliar a situação em conjunto, criando o melhor plano.

Cuidado com doenças infecciosas

Qualquer infecção durante a gestação tem o potencial de afetar o desenvolvimento do bebê e gerar alguma malformação, mesmo quando os sintomas maternos são extremamente leves.

Por isso, é essencial que a gestante mantenha o seu cartão de vacina atualizado, aplique repelente diariamente, evite o contato com pessoas doentes e não se exponha a doenças sexualmente transmissíveis, utilizando o preservativo durante todas as relações sexuais se necessário.

Tenha hábitos de vida saudável

Para que o desenvolvimento do bebê ocorra dentro de condições ideais, a gestante deve levar uma vida saudável, ter uma dieta rica em saladas, cereais, frutas, laticínios e carnes magras, realizar exercícios físicos de baixo impacto, beber muita água, controlar o ganho de peso e evitar o consumo de álcool, cigarro ou outras drogas.

Fale com o médico em caso de dúvidas

Sempre que a gestante apresentar um sintoma novo ou diferente do normal, ela deve passar por uma avaliação médica. Isso descarta qualquer patologia mais grave e permite que a mulher descubra quais medicamentos podem ser usados para aliviar os sintomas com segurança.

Quer proteger a saúde do seu bebê ainda mais? Entre em contato com a nossa equipe e descubra as vantagens em armazenar células-tronco do cordão umbilical.

Voltar

Categorias: Gravidez , Saúde na gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.