Gravidez

Saiba tudo sobre o processo de ultrassom transvaginal

Um dos momentos mais emocionantes durante a gravidez é a realização do exame de ultrassom. É nele que os pais conseguem visualizar o feto pela primeira vez e a mãe tem ainda mais percepção de que está realmente gerando uma vida. Não há nada mais gostoso que ouvir o coração do seu bebê batendo! 

E o primeiro ultrassom que pode ser solicitado pelo médico, no primeiro trimestre, é o ultrassom transvaginal. Você sabe no que ele consiste e como ele é feito?

O que é o ultrassom transvaginal?

O ultrassom transvaginal — também chamado de endovaginal ou intravaginal — é um exame diagnóstico de imagem não invasivo. Com ele, o médico consegue visualizar e avaliar os órgãos reprodutivos da mulher, como o canal vaginal, o colo uterino, as trompas, o útero e os ovários. 

Engana-se quem pensa que ele é realizado apenas durante a gravidez. Justamente por ser capaz de visualizar com precisão a anatomia reprodutiva feminina, este exame tem grande utilidade para observar quaisquer irregularidades presentes nesta parte do corpo feminino. 

Com o ultrassom transvaginal, é possível avaliar e diagnosticar possíveis cistos e enfermidades como infecções, câncer, malformações e até mesmo uma gravidez ectópica ou tubária (que é quando o embrião se desenvolve fora da cavidade uterina).

Na gravidez, esse ultrassom consegue diagnosticar a presença e os primeiros sinais do bebê.

Mas como é realizado esse exame? Como o próprio nome já diz, esse exame é realizado pelo meio endovaginal e, exatamente por isso, fornece imagens muito mais nítidas quando comparado ao ultrassom abdominal, visto que o fundo da vagina se encontra em um contato mais próximo das estruturas internas. 

Assim, é possível que a avaliação diagnóstica seja realizada com maior precisão.

Como o ultrassom transvaginal é feito?

Apesar de causar apreensão em algumas mulheres, esse exame não costuma provocar nenhum tipo de dor. O que você pode sentir é um leve desconforto, mas que não chega a impossibilitar sua realização de maneira tranquila.

Para realizar o exame de ultrassonografia transvaginal, a mulher deve se deitar em uma maca e permanecer em posição ginecológica, ou seja, com os joelhos dobrados, as pernas entreabertas e os pés apoiados nos estribos da maca.

Posteriormente, o ginecologista insere uma sonda ou transdutor dentro do canal vaginal. A sonda é encapada com um preservativo que, por sua vez, é coberto por gel para facilitar a introdução e a passagem pela vagina.

A sonda transmite ondas sonoras de alta frequência, responsáveis pela reflexão dos órgãos internos, com a consequente formação de imagens em movimento das estruturas pélvicas. Essas imagens de alta definição são enviadas em tempo real para um monitor, permitindo a avaliação diagnóstica pelo ginecologista.

Durante o exame, o médico manipula a sonda e o abdômen, a fim de facilitar a formação das imagens, principalmente as do útero e a dos ovários. Ao final, é entregue um laudo com fotos para a paciente levar ao seu ginecologista ou obstetra. O exame costuma durar de 20 a 30 minutos.

Viu como é simples? E ainda tem um ponto positivo que vale por qualquer desconforto: você visualizará, provavelmente pela primeira vez, o seu bebê! 

Acompanhe cada estágio da sua gravidez com o aplicativo Semanas de Gestação. Clique no banner abaixo e acesse gratuitamente!

banner aplicativo semanas de gestação cordvida

Preparo para o exame

O preparo para a realização da ultrassonografia transvaginal é bastante simples. Solicita-se que a paciente chegue na clínica onde o exame é realizado com a bexiga vazia ou parcialmente cheia. Para vestir, será disponibilizada uma camisola ou um avental clínico.

Não há problema se no dia do exame a mulher estiver menstruada, o exame consegue ser realizado adequadamente mesmo durante o período menstrual. Também não é preciso realizar nenhum tipo de depilação íntima, já que a presença de pelos não tem nenhuma interferência na realização do exame.

Se você ainda estiver preocupada ou ansiosa com a preparação para a transvaginal, relaxe: ao agendar o exame a clínica costuma passar as coordenadas e prescrições. Não há nada com o que se preocupar!

Cuidados após o exame

Assim como o preparo, o cuidado após a realização do exame é muito simples. Não há a necessidade de repouso ou afastamento das atividades diárias. É possível continuar trabalhando e estudando normalmente, mesmo que essas atividades envolvam algum esforço físico.

Mesmo após algumas horas do fim do exame, você poderá notar na sua calcinha um pouco do gel que foi utilizado na sonda. Isso é absolutamente normal. Seu organismo está eliminando alguma sobra que permaneceu no seu canal vaginal.

Para que o ultrassom transvaginal é indicado?

O ultrassom transvaginal é realizado para a avaliação das estruturas reprodutivas femininas, sendo um exame de rotina, com o objetivo de detectar a presença de diversos problemas de saúde, tais como tumores, pólipos ou miomas uterinos, infecções e sangramentos vaginais anormais, cistos ovarianos e anormalidades menstruais. 

Além disso, o exame também é indicado para a avaliação de dores abdominais crônicas, para a verificação de achados físicos anormais no exame clínico, para o auxílio no diagnóstico de endometriose, para o acompanhamento de alguns casos de infertilidade e para auxiliar no diagnóstico de ovário policístico.

E por que ele é realizado na gravidez?

Esse exame é de extrema importância durante o acompanhamento pré-natal e pode ser solicitado pelo médico entre a 6ª e a 12ª semana de gravidez. 

Com ele, é possível confirmar a gestação, detectar a possibilidade de gravidez ectópica — quando o embrião está implantado fora do útero —, determinar a idade da gestação e o número de embriões (isto é, se você terá uma gestação única ou gemelar).

O principal motivo do ultrassom transvaginal ser solicitado é que no período inicial da gravidez muitas vezes o embrião não consegue ser adequadamente detectado pelo ultrassom via abdominal. É preciso esperar o final do primeiro trimestre para que todo o feto possa ser visto e examinado através do seu abdômen.

Realizar o exame transvaginal de maneira precoce, bem no comecinho da gravidez, também ajuda na avaliação do tamanho do colo uterino, essencial para as mães com histórico de incompetência istmo-cervical, conhecida como síndrome do colo curto. 

Nessa síndrome, o colo uterino é incapaz de suportar o peso da gravidez, podendo levar ao aborto.

Além disso, o ultrassom transvaginal também pode ser útil para diagnosticar descolamentos placentários, comuns em sangramentos que ocorrem nos primeiros meses de gestação.

Quando solicitado no segundo ou terceiro trimestres da gravidez, o exame por sonda via vaginal passa a ser realizado apenas para medir o colo do útero; é que com a proximidade da sonda, a imagem e medida ficam mais fidedignas e casos de incompetências istmo cervicais conseguem ser melhor diagnosticados.

Como o ultrassom transvaginal determina a idade da gestação?

Uma das principais funções deste exame de imagem é determinar a idade gestacional. Através da imagem do feto, o ultrassonografista calcula o comprimento da cabeça até as nádegas e você consegue saber, com baixa taxa de erro, qual o seu tempo gestacional. 

Mas atenção: quanto mais precoce o exame for feito, mais fidedigna será a medição.

Existem riscos para o bebê ou para a mamãe?

Muitas mulheres têm receio de realizar este exame com medo de que ele possa oferecer riscos ao bebê ou à gestante. Se esse é o seu caso, fique tranquila! O ultrassom transvaginal é um exame extremamente seguro e não oferece nenhum tipo de perigo, seja para você ou para seu filho.

Utilizando ondas de som no lugar da radiação, os perigos são nulos. As ondas sonoras emitidas pela sonda são de alta frequência, ou seja, são inaudíveis para o ouvido humano e, portanto, não causam impacto para a saúde do embrião.

Se o seu medo é que a sonda possa cutucar ou machucar o bebê, saiba que isso é impossível. Apenas uma pequena parte da sonda é introduzida na vagina, o que não é suficiente para atingir o colo uterino, muito menos o feto. 

Além disso, o preservativo utilizado na sonda protege contra a veiculação de microrganismos, como bactérias e vírus, prevenindo a transmissão e a instalação de infecções na gestante.

Ah, uma dica: se você for alérgica ou sensível ao látex da camisinha, avise o médico que vai realizar o exame. Dessa forma, ele consegue se preparar e utilizar um preservativo livre deste componente.

O ultrassom transvaginal é doloroso?

Como já enfatizamos anteriormente, outra característica do ultrassom transvaginal é que ele não causa nenhum tipo de dor durante a sua realização. 

O que pode acontecer é a gestante sentir um pouco de desconforto devido à presença da sonda no canal vaginal, algo que pode ser relatado ao ultrassonografista durante a realização.

Outros ultrassons recomendados durante a gravidez

O ultrassom transvaginal não é o único que pode ser realizado durante o pré natal. Após a  12ª semana de gravidez, o médico pode requisitar outros tipos de exame de imagem que são:

  • Ultrassom obstétrico

Um dos outros exames de ultrassom que devem ser solicitados pelo seu médico durante o pré natal é o ultrassom obstétrico. 

Diferente do ultrassom intravaginal, esse exame de imagem é realizado na barriga e na região pélvica da gestante e costuma ser solicitado pelo médico a partir do fim do primeiro trimestre, sempre que houver necessidade ou interesse em checar o andamento da gestação.

Seu objetivo é o mesmo do transvaginal: fornecer informações importantes sobre a gestação. Com ele, conseguimos determinar a idade gestacional, o sexo, verificar a fequência cardíaca e inclusive a existência de complicações, como descolamento de placenta, malformações cardíacas e doenças cromossômicas.

  • Ultrassom morfológico

O ultrassom morfológico, por sua vez, também é realizado na barriga e na região pélvica da mulher. Sua função, todavia, é muito mais completa. Ele é muito mais detalhado e consegue nos fornecer informações importantes sobre a formação e o desenvolvimento do bebê, inclusive diagnosticando possíveis malformações.

Sua realização, por conta do detalhamento que ele captura, precisa acontecer em dois momentos específicos da gestação: no primeiro trimestre, entre a 12ª e a 14ª semana — mais conhecido como exame da translucência nucal — e no segundo trimestre, entre a 20ª e a 24ª semana.

  • Ecocardiograma Fetal

Já o ecocardiograma é um ultrassom específico, realizado com a única função de avaliar o coração do bebê.  Ele pode ser feito entre a 18ª e a 28ª semana de gestação, período em que as estruturas e funções do coração do feto estão mais nítidas.

Com o ecocardiograma, o médico examina os músculos e as válvulas cardíacas do coração e avalia se o desenvolvimento do órgão está ocorrendo de forma saudável.

Clique no banner abaixo e acesse o guia da CordVida sobre saúde durante a gestação. Saiba como ter uma gravidez mais saudável e tranquila:

banner e-book manual da grávida

Esperamos que este artigo tenha te ajudado a compreender melhor o objetivo e como o ultrassom transvaginal funciona. Se você tem mais dúvidas sobre gestação e saúde, não deixe de continuar acompanhando o conteúdo do nosso blog e das nossas redes sociais. 

A CordVida é um banco referência em coleta e armazenamento de células-tronco do cordão umbilical do bebê. Essas células são capazes de tratar diversas doenças e o seu armazenamento garante um futuro de tranquilidade para toda a família. Saiba mais entrando em contato!

Categorias: Gravidez , Pré-natal

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.