Gravidez

Saiba tudo sobre o processo de ultrassom transvaginal

A notícia da gravidez chega acompanhada de muita emoção. Nesse momento de grande alegria para o casal, é quase impossível segurar a ansiedade de correr para uma clínica e fazer logo o ultrassom, com o intuito de ver as primeiras imagens do seu filho e, principalmente, saber se está tudo bem com ele.

Além de mostrar os primeiros sinais do bebê, o ultrassom é de extrema importância para determinar o desenvolvimento do feto, verificar a estrutura da placenta e acompanhar a saúde da gestação. No entanto, a necessidade de realizar um ultrassom transvaginal pode gerar dúvidas e uma certa apreensão para a mamães, em especial sobre a segurança do exame para o seu bebê.

Por isso mesmo, preparamos o artigo a seguir. Reunimos todas as informações importantes sobre o processo de realização do ultrassom transvaginal. Venha conferir!

O que é o ultrassom transvaginal?

O ultrassom transvaginal — também chamado de endovaginal ou intravaginal — é um exame diagnóstico de imagem, não invasivo, que permite a visualização e a avaliação dos órgãos reprodutivos da mulher, como o canal vaginal, o colo uterino, o útero e os ovários.

Como o próprio nome já diz, esse exame é realizado pelo meio endovaginal e, exatamente por isso, fornece imagens muito mais nítidas quando comparado ao ultrassom abdominal, visto que o fundo da vagina se encontra em um contato mais próximo das estruturas internas. Assim, é possível que a avaliação diagnóstica seja realizada com maior precisão.

Acompanhe cada estágio da sua gravidez com o aplicativo Semanas de Gestação. Clique no banner abaixo e acesse gratuitamente!

Como é feito o ultrassom transvaginal?

Para realizar o exame de ultrassonografia transvaginal, a mulher deve se deitar em uma maca e permanecer em posição ginecológica, ou seja, com os joelhos dobrados, as pernas entreabertas e os pés apoiados nos estribos da maca.

Posteriormente, o ginecologista insere uma sonda ou transdutor dentro do canal vaginal. A sonda deve ser encapada com um preservativo que, por sua vez, é coberto por gel para facilitar a introdução e a passagem pela vagina.

A sonda transmite ondas sonoras de alta frequência, responsáveis pela reflexão dos órgãos internos, com a consequente formação de imagens em movimento das estruturas pélvicas. Essas imagens de alta definição são enviadas em tempo real para um monitor, permitindo a avaliação diagnóstica pelo ginecologista.

Durante o exame, o médico vai manipulando a sonda e o abdômen, a fim de facilitar a formação das imagens, principalmente as do útero e a dos ovários. Ao final, é entregue um laudo com fotos para a paciente levar ao seu ginecologista ou obstetra.

Preparo para o exame

Normalmente, o preparo para a realização da ultrassonografia transvaginal é muito simples. A paciente precisa, na maioria dos casos, estar com a bexiga vazia ou parcialmente repleta, e vestir apenas uma camisola ou avental entregue pela clínica onde é realizado o exame.

Por questões higiênicas, é recomendável que a mulher não esteja menstruada, mas, caso seja necessário, o exame também pode ser realizado durante esse período do ciclo menstrual.

Cuidados após o exame

Assim como o preparo, o cuidado após a realização do exame é muito simples. Não há a necessidade de repouso ou afastamento das atividades do dia a dia. A paciente só precisa se atentar quanto à higiene da região íntima, visto que ainda pode permanecer, no canal vaginal, um pouco do gel utilizado na sonda.

Para que o ultrassom transvaginal é indicado?

O ultrassom transvaginal é realizado para a avaliação das estruturas reprodutivas femininas, com o objetivo de detectar a presença de diversos problemas de saúde, tais como tumores, pólipos ou miomas uterinos, infecções e sangramentos vaginais anormais, cistos ovarianos e anormalidades menstruais.

Além disso, o exame também é indicado para a avaliação de dores abdominais crônicas, para a verificação de achados físicos anormais no exame clínico, para o auxílio no diagnóstico de endometriose e para o acompanhamento de alguns casos de infertilidade.

Por que ele é realizado na gravidez?

Esse exame é de extrema importância durante o acompanhamento pré-natal. Ele é o primeiro ultrassom realizado, geralmente no período entre a 6ª e a 12ª semana de gravidez, a fim de confirmar a gestação, de detectar a possibilidade de gravidez ectópica — quando o embrião está implantado fora do útero —, de determinar a idade da gestação e do número de embriões.

Outra importância de realizar o exame transvaginal de maneira precoce, bem no comecinho da gravidez, é a avaliação do tamanho do colo uterino, essencial para as mamães com histórico de incompetência istimo-cervical, conhecida como síndrome do colo curto. Nessa síndrome, o colo uterino é incapaz de suportar o peso da gravidez, podendo levar ao aborto.

O ultrassom transvaginal também é utilizado para diagnosticar deslocamentos placentários, comuns em sangramentos que ocorrem nos primeiros meses de gestação.

No decorrer da gravidez, esse exame é realizado para acompanhar o desenvolvimento do bebê, detectando a adequação do seu crescimento e identificando a presença de malformações. Depois do final do primeiro trimestre, utiliza-se o exame por via abdominal, que já é mais adequado para a visualização de fetos maiores. A partir desta fase, a sonda por via vaginal passa a ser utilizada apenas para medir o colo do útero, já que pela proximidade da sonda, a imagem e medida ficam mais fidedignas por esta via, avaliação essencial nos casos de incompetências istmo cervicais.

Como o ultrassom transvaginal determina a idade da gestação?

Para a determinar a idade gestacional, o ultrassonografista utiliza a imagem do feto obtida pelo ultrassom transvaginal. Assim, ele calcula o comprimento da cabeça até as nádegas, indicativo de baixa taxa de erro do tempo gestacional. Quanto mais precoce o exame for feito, mas fidedigna será esta medida.

Existem riscos para o bebê ou para a mamãe?

O ultrassom transvaginal é um exame extremamente seguro e oferece nenhum tipo de risco para o bebê ou para a gestante, visto que ele utiliza ondas de som no lugar da radiação. As ondas sonoras emitidas pela sonda são de alta frequência, ou seja, inaudíveis para o ouvido humano e, portanto, não causam impacto para a saúde do embrião.

Apenas uma pequena parte da sonda é introduzida na vagina, o que não é suficiente para atingir o colo uterino e machucar o bebê. Além disso, o preservativo utilizado na sonda protege contra a veiculação de microrganismos, como bactérias e vírus, prevenindo a transmissão e a instalação de infecções na gestante.

Para aumentar a segurança desse exame, é preciso que a paciente avise ao ginecologista caso ela tenha alergia ou qualquer tipo de sensibilidade ao látex.

O ultrassom transvaginal é doloroso?

Outra característica do ultrassom transvaginal é que ele não causa nenhum tipo de dor durante a sua realização. O que pode acontecer é a gestante sentir um pouco de desconforto devido à presença da sonda no canal vaginal.

Agora que você entendeu como é o ultrassom transvaginal, já pode realizar o exame sem medo de prejudicar o seu filhote. Mas, não se esqueça de procurar uma clínica de confiança, certo?!

Para se manter ainda mais antenada sobre o mundo da gestação e dos bebês, assine a nossa newsletter e receba informações exclusivas!

Categorias: Gravidez , Pré-natal

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.