Gravidez

Vitaminas pré-natal: 4 elementos que exigem o máximo de cuidado!

Com a chegada da gravidez, é preciso que a mulher comece a se programar e mudar diversos aspectos da sua rotina para ter uma gestação tranquila e um bebê saudável. E um dos fatores que merecem atenção nesse período é a alimentação, em especial o consumo de vitaminas e outros elementos nutricionais fundamentais para o bom desenvolvimento do feto, como o ômega 3, o ácido fólico, o cálcio e o ferro. Devido à sua importância, separamos algumas informações valiosas a respeito dos cuidados que devem ser adotados tanto com a ingestão quanto com a suplementação adequada desses nutrientes, chamados de vitaminas pré-natal.

Confira nosso artigo e previna-se contra os erros nutricionais durante a sua gravidez! Boa leitura!

Cuidado com as vitaminas pré-natal

Durante a gravidez, as necessidades por vitaminas e minerais podem ser aumentadas numa faixa que varia de 10 a 50%, devido às modificações metabólicas que ocorrem nesse período. Para acompanhar essa nova demanda, o apetite da gestante também é aumentado. Assim, quando balanceada, a alimentação costuma ser suficiente para a ingestão adequada desses nutrientes.

Dica: Descubra 8 aplicativos feitos para as grávidas!

No entanto, algumas vezes, a dieta não consegue suprimir as necessidades adicionais e, nesses casos, é preciso que a gestante faça uma suplementação das vitaminas e minerais faltantes, a fim de permitir o crescimento adequado do bebê.

É preciso salientar que a suplementação deve ser realizada com cautela e somente com a orientação médica, pois, apesar desses nutrientes serem indispensáveis, o excesso de qualquer um deles pode ser tóxico para o bebê. Por isso, o acompanhamento e a realização dos exames pré-natais são essenciais para a saúde da gestante e do bebê.

Alguns hábitos e atitudes podem proporcionar uma experiência mais segura tanto para você quanto para o seu bebê. Confira no banner abaixo:

Como ter uma gravidez saudável

Ácido fólico

O ácido fólico é a forma sintética dos folatos, que, por sua vez, são as famosas vitaminas do complexo B. Esse nutriente tem a sua demanda quase que duplicada durante a gravidez, sendo fundamental para a formação do tubo neural do bebê. Por isso, deficiências nutricionais de ácido fólico podem gerar malformações do sistema nervoso do bebê.

Dica: Como é o desenvolvimento fetal no último trimestre da gravidez?

Como o tubo neural se forma até o 28º dia após a concepção, é recomendado que as mulheres já iniciem um consumo adequado de ácido fólico um mês antes da gravidez — se possível — e continue durante o primeiro semestre da gestação.

Entre os alimentos ricos em folatos, podemos citar os vegetais folhosos, como espinafre, couve, brócolis e alface, as frutas, coma a banana e o limão, o feijão, o quiabo e a carne de fígado. Desde 2004, por determinação do Ministério da Saúde (MS), as farinhas de trigo e milho também são fortificadas com ácido fólico e ferro, com o objetivo de prevenir anemias em populações vulneráveis, como a de crianças e a de gestantes.

Ferro

Assim como ocorre com os folatos, as necessidades pelo ferro podem chegar a duplicar durante a gestação. Esse mineral é indispensável para a formação de hemoglobina e para o transporte adequado de oxigênio nos tecidos do bebê, além de prevenir a ocorrência de anemia em ambos, gestante e seu filho.

Dica: CordVida – Referência em Armazenamento de Células-tronco

Quantidades insuficientes de ferro na gravidez podem provocar baixo crescimento fetal, prejudicar o desenvolvimento mental e gerar problemas com o QI da criança. Portanto, é fundamental que haja a suplementação desse mineral em gestantes que possuem ingestão insuficiente ou problemas de saúde que interfiram nas concentrações sanguíneas adequadas de ferro.

Alguns alimentos são ricos nesse mineral, como as carnes de peixes, aves e boi, os ovos, a lentilha, o feijão, os legumes, o grão-de-bico, a soja, o espinafre e as farinhas fortificadas.

Cálcio

O cálcio é um dos componentes essenciais para a formação dos ossos e dos dentes, além de participar dos processos funcionais do sistema nervoso, do coração e da coagulação do sangue. Por isso, a insuficiência desse mineral durante a gestação pode provocar perda de densidades ósseas para a mulher, intercorrências com a gestação — como a hipertensão e a pré-eclâmpsia — e, ainda, prejudicar o desenvolvimento adequado do bebê.

Dica: Brincadeiras para estimular o desenvolvimento do bebê

Nesse cenário, os alimentos com concentração abundante de cálcio, como o leite e os seus derivados, os peixes de carnes gordurosas, como o salmão, e os ovos, devem ser incluídos na alimentação de gestantes. Além disso, a suplementação deve ser considerada nos casos em que há uma concentração sanguínea inadequada desse mineral, naquelas gestantes que se alimentam pouco, que não toleram os laticínios ou que usam algum medicamento que interfere na absorção de cálcio.

Ômega 3

O ômega 3 é uma família de ácidos graxos insaturados, que são uma espécie de gordura muito benéfica para o bom funcionamento do organismo. No último trimestre da gravidez, as necessidades pelo ácido docosahexaenóico (DHA), um dos tipos de ômega 3, fica aumentada devido à síntese acelerada dos tecidos cerebrais do bebê.

Além da importância para o desenvolvimento do sistema nervoso, o DHA também é fundamental para a formação de estruturas dos olhos, especialmente a retina. Portanto, a quantidade insuficiente desse nutriente durante a gravidez pode gerar malformações cerebrais e visuais para o bebê, provocar o parto prematuro ou o baixo peso ao nascer.

Dica: A chegada do bebê: depois do nascimento

Por isso, é preciso que as gestantes consumam alimentos fontes desse nutriente: peixes de água fria, como o atum, o bacalhau, o salmão e a sardinha. Entretanto, no Brasil, a alimentação costuma ser pobre em carne de peixe e, como consequência, a ingestão adequada de DHA fica prejudicada. Verifique a necessidade de suplementação desse nutriente com o seu médico.

Outros nutrientes importantes durante a gravidez

Além dos nutrientes já mencionados, também é importante para a manutenção de uma gravidez saudável o consumo de quantidades adequadas de uma infinidade de elementos, tais como as vitaminas A, B6 e C, os minerais fósforo, potássio, magnésio, zinco e iodo e as proteínas e os carboidratos.

Por exemplo, o iodo é fundamental para o bom funcionamento da tireoide da gestante e para o desenvolvimento cerebral do bebê. Já o consumo adequado de fósforo, potássio e magnésio se relaciona com a prevenção de problemas como a hipertensão gestacional, enquanto a vitamina C auxilia na imunidade e na absorção do ferro.

Ficou claro que manter uma alimentação equilibrada é mais do que indispensável para assegurar a sua saúde e o desenvolvimento adequado do seu filho, evitando malformações, prematuridade e o baixo peso ao nascer, certo? Por isso, busque mais informações sobre a ingestão das vitaminas pré-natal com o seu médico e garanta uma gravidez sem problemas.

Fale com um consultor da CordVida para saber sobre a importância do armazenamento de células-tronco do cordão umbilical do bebê. Elas podem ajudar muito a saúde da sua família no futuro:

Gostou de saber sobre as vitaminas para gestantes? Para te ajudar a ter um estilo de vida ainda mais saudável, confira também nosso artigo com os 10 motivos para caminhar durante a gravidez!

Categorias: Gravidez , Pré-natal

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.