Curiosidades da gravidez

Precisamos conversar! Afinal, grávidas podem beber ou não?

Há quem diga que uma única gota de álcool já pode fazer mal para beber. Outras pessoas seguem a regra de que uma taça de vinho no jantar não faz mal a ninguém. Há ainda relatos de mulheres que consumiram álcool em quantidade moderada durante toda a gestação e tiveram bebês saudáveis. Sem contar quem as que ficaram bêbadas no inicinho da gestação quando nem sabiam que estavam grávidas ainda.

Quando se trata de álcool e gravidez, o que não falta são conselhos e histórias divergentes. E, muitas vezes, até os médicos trazem recomendações contraditórias.

Por isso, escrevemos esse post para esclarecer de uma vez por todas se grávidas podem beber ou não, trazendo tudo o que a ciência já sabe sobre esse tema para que você possa tomar uma decisão informada.

Quer conferir? É só continuar lendo.

Quais os efeitos do álcool na gestante?

Os efeitos do álcool na gestante são basicamente iguais aos efeitos em qualquer outra pessoa, gerando euforia e desinibição no início e falta de coordenação motora e sono se o consumo for mais elevado. Para a gestante, o risco maior de quedas no estado de embriaguez traz ainda o perigo adicional de lesão à barriga e, consequentemente, ao bebê.

Há ainda danos às células de diversos órgãos do corpo proporcionais ao consumo, já que os metabólitos do álcool são tóxicos ao organismo humano, o que gera mal estar com náuseas e vômitos e a ressaca do dia seguinte.

Quais os efeitos do álcool no bebê?

Como o álcool atravessa a barreira placentária, os metabólitos do álcool, responsáveis pela lesão nos órgãos maternos, também podem causar danos às células em formação do bebê em qualquer fase da gestação, do primeiro ao último trimestre.

Dessa forma, o álcool tem o potencial de causar danos ao bebê e, se consumido em grandes quantidades, gera uma das desordens do espectro alcoólico fetal.

O que são as desordens do espectro alcoólico fetal?

As desordens do espectro alcoólico fetal incluem a síndrome alcoólica fetal parcial, a encefalopatia alcoólica, as desordens neurocomportamentais da exposição ao álcool e, a mais grave, a síndrome alcoólica fetal.

A síndrome fetal alcoólica ocorre em mulheres com um consumo elevado de álcool (cerca de 6 unidades por dia) durante a gestação e compreende uma série de alterações no bebê:

  • anomalias craniofaciais, como microcefalia;
  • déficits no sistema nervoso central;
  • perda de audição;
  • baixo peso;
  • problemas no coração, nos olhos e nos rins;
  • baixo crescimento durante a infância;
  • dificuldade de aprendizagem;
  • dificuldade de socialização.

Há um limite de segurança para o consumo de álcool?

Não há dúvidas de que o consumo de grandes quantidades de álcool faz mal para a saúde do bebê, assim como para a saúde da mãe. Mas, em pequenas quantidades, a verdade é que ninguém tem certeza de nada já que não são feitas grandes pesquisas confiáveis que comparem o desfecho de gravidezes em que houve um consumo leve de álcool com gravidezes em que o álcool foi completamente abandonado.

E por que essas pesquisas não são feitas?

Atualmente, as pesquisas mais confiáveis são aquelas que selecionam um grupo semelhante de pessoas e aleatoriamente oferecem a metade delas um placebo e à outra metade a substância em estudo, sem que nem os médicos pesquisadores nem os participantes saibam quem está consumindo o placebo ou a substância verdadeira. E quanto mais pessoas participarem da pesquisa, mais certeza podemos ter do resultado.

No caso do álcool na gestação, seria preciso selecionar mulheres ainda não grávidas e a partir do primeiro dia da gravidez oferecer a elas um placebo ou a bebida alcoólica. Nesse caso, seria necessário ainda ter diversos grupos, com consumo de doses variadas de bebidas e em frequências variadas para que se pudesse comparar o efeito de cada um desses consumos em relação ao placebo.

Além da dificuldade em diagnosticar a gestação tão precocemente e de controlar o consumo de álcool fora da pesquisa, o grande problema desse tipo de pesquisa é que seria antiético colocar em risco a saúde de um bebê apenas para a realização do estudo.

Afinal, as mulheres que recebessem a dose de álcool acima do limite de segurança poderiam sofrer abortos ou gerar malformações graves na criança.

Isso significa que nenhuma pesquisa foi feita em relação ao consumo de álcool na gravidez?

Não, diversas pesquisas já foram feitas sobre o tema, mas, em geral, foram realizadas com um grupo pequeno de mulheres e de forma retrospectiva. Ou seja, após o nascimento dos bebês, foi analisado se aqueles com malformações, baixo peso, prematuridade e outras doenças eram mais comuns nas mães que relatavam o consumo de álcool do que nas que não consumiram a bebida ou se não havia diferença.

As pesquisas mostram que as malformações são mais comuns em grávidas que consumiram uma grande quantidade de álcool em um período curto de tempo, naquelas que ficaram bêbadas em um final de semana, por exemplo, ou naquelas com consumo moderado e frequente de álcool. O risco parece ser maior se a gestante utiliza outras drogas, fuma ou tem uma dieta ruim já que isso deixaria o bebê mais susceptível.

No entanto, como esse tipo de estudo pode apresentar diversas falhas, não dá para confiar cegamente nesses resultados: a mãe pode não lembrar mais se bebeu no início da gravidez, as grávidas que consumiram álcool acima do limite de segurança podem ter abortados ou as alterações no bebê podem não ser óbvias ao nascimento, por exemplo.

Afinal, grávidas podem beber?

A maioria das pesquisas realizadas até agora mostram que um consumo leve de álcool (1-2 unidades) distribuído durante a semana seria seguro. Ou seja, uma taça de vinho nas comemorações em família ou uma cerveja na saída com os amigos não trariam problemas para o bebê.

Como essas pesquisas não são consideradas de alta qualidade, no entanto, a maioria dos médicos e praticamente todas as sociedades médicas no mundo prefere pecar pelo excesso de cuidados e recomendar que a grávida abandone o consumo de álcool durante toda a gestação.

Gostou das informações do nosso post? Assine a nossa newsletter e acompanhe as próximas postagens.

Categorias: Curiosidades da gravidez , Gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.