Gravidez

Como estimular o desenvolvimento do bebê mês a mês?

O primeiro ano de vida do bebê é cheio de mudanças. Aquele recém-nascido pequenininho que passava a maior parte do dia dormindo pode terminar esse período andando e até soltando algumas palavrinhas. Além do desenvolvimento físico, com o crescimento, ganho de peso e habilidades motoras, é importante ficar de olho no desenvolvimento emocional e social da criança, já que todos são indicadores de saúde e podem ser influenciados por fatores biológicos e ambientais.

É importante ressaltarmos que cada criança se desenvolve em um ritmo diferente e esse ritmo deve ser respeitado. Algumas crianças conseguem se sentar sem apoio aos 6 meses, outras só o farão aos 9 meses e isso é completamente normal. Mas para simplificarmos, optamos por usar idades médias no post, trazendo essa habilidade no 8º mês, por exemplo. Estimulando o bebê adequadamente em casa e mantendo o acompanhamento pediátrico, não há porque você se preocupar com o seu filhote.

Quer descobrir como é o desenvolvimento de seu bebê e como você pode estimulá-lo? Trouxemos tudo aqui para você mês a mês. Confira!

Primeiro mês

O recém-nascido costuma passar a maior parte do dia dormindo, mas nos momentos em que ele estiver acordado é essencial interagir com ele. O pequeno ainda não entende muita coisa, mas já é capaz de reconhecer a voz da mãe e do pai. Pegue-o no colo para que ele sinta o contato com seu corpo, apoie a cabeça e o pescoço e comece a conversar. Os estímulos sonoros na forma de conversa e músicas já vão estimulando seu cérebro para o desenvolvimento da linguagem no futuro. Prova de que ele já escuta tudo ao seu redor é que ele se assusta quando ouve sons altos ou inesperados, e embora ainda não seja capaz de movimentar a cabeça na direção do som, já muda a expressão facial ou direciona o olhar.

Dica: Como são os primeiros dias do bebê em casa?

Nesse primeiro mês, o momento da amamentação costuma ser o de maior atividade para o recém-nascido e cria um vínculo muito forte entre o bebê e a mãe. O ato de sugar ajuda no desenvolvimento dos ossos da face, na formação da arcada dentária e no posicionamento dos dentes, na sincronização dos movimentos inspiratórios e no fortalecimento dos músculos necessários no momento da fala. Além disso, durante a amamentação a mãe pode e deve conversar e acariciar o bebê, mantendo o contato olho no olho.

Mãe amamentando o bebê

Segundo mês

Nessa fase, a criança já está começando a firmar o pescoço e você pode estimular isso colocando objetos coloridos e sonoros na direção de seu olhar, a cerca de 30 cm de distância do rostinho do bebê. É possível ver que a criança se interessa e tenta levantar a cabeça. Essa mesma atividade pode ser feita com o bebê deitado de barriga para baixo por meio de estímulos como brincadeiras e objetos. Além do controle do pescoço, os movimentos das mãos e dos membros também se tornam mais precisos. A criança já começa a abrir e fechar as mãos espontaneamente e a movimentar mais os bracinhos e as perninhas.

Bebê brincando

Terceiro mês

O bebê já apresenta o sorriso social, reagindo aos estímulos do ambiente. Sem encostar na criança, converse e faça brincadeiras para que ela reaja sorrindo. Ela também já deve ser capaz de emitir sons diversos, além do choro. Com as reações ao contato social mais refinadas, é possível ter “conversas” com seu filhote, que vai reagir a sua fala emitindo sorrisos e sons.

Estimule o bebê também a tocar objetos diferentes e a segurá-los. Com um brinquedo, estimule a mão fechada da criança e espere que ela abra a mão, envolva o objeto e consiga segurá-lo por alguns segundos.

Bebê rindo, brincando com a mãe

Quarto mês

Cada vez mais forte, o bebê já consegue sustentar a cabeça e parte do tronco sobre os braços. Coloque a criança de bruços e estimule-a tentar levantar da superfície, apoiando-se nos braços.

Bebê de bruços na cama

Quinto mês

A criança já vai começar a reagir mais ao ambiente, demonstrando interesse, aceitação, prazer ou desconforto só de ver objetos. Tendo ganhado mais movimentos, ela já será capaz de se aproximar dos objetos que lhe interessam, alcançando-os a pequenas distâncias. Estimule esse comportamento colocando algum brinquedo a alguns centímetros da mão da criança e deixando que ela o tente pegar. O bebê também já é capaz de localizar sons e de mover a cabeça na direção que originou o som. Então fale com ele, posicionando-se em diferentes locais no ambiente e veja se ele consegue te encontrar.

Dica: O que fazer para prevenir e evitar as cólicas nos bebês

Outro movimento que seu filho vai ganhar nessa fase é o rolamento. Quando colocado de barriga para cima, o bebê pode ser incentivado a virar de bruços. Nessa época, redobre a atenção com quedas e nunca tire a atenção da criança se ela estiver em cima do trocador ou da cama.

Bebê engatinhando

Sexto mês

Os primeiros dentinhos já começam a aparecer e tudo que a criança vê pela frente acaba indo para a boca. É a forma que ela tem de descobrir o mundo e entender mais sobre cada objeto a sua volta. Estimule esse hábito dando a ela brinquedos próprios para isso e ficando atento para tirar de perto todos os objetos pequenos que correm o risco de ser engolidos. É preciso ter cuidados também com a higiene bucal, criando desde cedo o hábito de limpar os dentes após a alimentação e nunca indo para a cama com a boca suja.

Bebê com brinquedo na boca

Sétimo mês

Com 6 meses completos, é a hora de introduzir alimentos à dieta do bebê. A reação pode não ser positiva nas primeiras tentativas, mas é importante continuar tentando introduzir cada alimento separadamente para que a criança vá refinando seu paladar e se acostumando ao sabor de cada coisa. A brincadeira favorita nessa época é o “esconde-achou”: posicione-se na frente da criança e esconda seu rosto com as mãos ou se esconda atrás de uma parede, de outra pessoa ou atrás de um pano. A criança tentará procurar por você e se surpreenderá quando você reaparecer. É garantia de boas gargalhadas!

Bebê comendo frutas

Oitavo mês

A criança já consegue controlar e sustentar melhor seu tronco, podendo se sentar sem apoio. Os movimentos dos membros também ficam mais coordenados e ela consegue passar um objeto de uma mão para outra. Assim, as brincadeiras vão se tornando mais complexas com a criança sentada no chão e vários brinquedos espalhados ao seu redor. Ela também já deve ser capaz de duplicar sílabas, trocando os sons sem sentido por palavras pequenas como “mama”, “papa” e “dada”.

Bebê brincando

Nono mês

Nesse período, a chamada ansiedade de separação costuma estar no seu auge. Nessa fase a criança já reconhece melhor seus familiares, em particular a mãe, e diferencia-os de pessoas estranhas, não suportando ser deixada sozinha. Isso porque só após o 6º mês ela começa a compreender que é uma pessoa separada da mãe e portanto pode nunca mais voltar a vê-la quando ela sai. É um grande medo de abandono, que provoca um choro forte toda a vez que a criança se afasta de seus familiares.

A ansiedade de separação pode durar até os dois anos, mas costuma se resolver antes à medida que a criança se torna mais confiante e entende que ela não será abandonada, então tente acalmá-la acostumando-a pouco a pouco com suas ausências.

Bebê chorando no berço

Décimo mês

A interação da criança com as pessoas ao redor se torna mais complexa e ela ganha habilidades como imitar gestos. Bata palmas, dê tchau e mande beijos para que seu bebê possa imitá-lo. Nessa época, a criança também desenvolve uma linguagem própria e complexa, sendo capaz de manter conversas longas consigo mesma ou com os pais. Mesmo se você não entender nada, estimule-a a falar à vontade.

Bebê brincando com os pais

Décimo primeiro mês

O controle dos movimentos chega às pontas dos dedos. Coloque objetos pequenos, como uma bolinha de papel, próximos da criança para que ela possa pegá-los juntando o polegar ao dedo indicador, como uma pinça. Mas fique atento para que ela não coloque esses objetos na boca e corra o risco de engoli-los.

Bebê brincando

Um ano

Com o primeiro aniversário em vista, seu filho já está aprendendo a andar, dando os seus primeiros passinhos com apoio. Treine esse movimento com a criança, segurando seus braços e mantendo ela próxima de objetos de apoio como o sofá e a cama. Antes disso, no entanto, pode ser que o bebê engatinhe. Algumas crianças engatinham por meses antes de começarem a andar, outras vão do sentar direto para os passinhos. Está tudo normal dos dois jeitos.

Bebê aprendendo a andar

Nesse último mês, é hora de conferir pela última vez que a casa está toda protegida para o bebê, com as tomadas tampadas e os móveis, os fios e os objetos de vidro afastados do caminho, já que no próximo ano o espírito aventureiro do seu pequeno será ainda mais forte. Prepare-se!

Gostou das nossas dicas? Conte pra gente o que o seu filho já anda aprontando e como você gosta de estimulá-lo! E lembre-se de assinar nossa newsletter para não perder nenhuma novidade no blog!

Clique no banner abaixo e conheça algumas dicas para oferecer toda a segurança, carinho, amor e atenção para o filho que acabou de chegar.

Banner para baixar o e-book "A chegada do bebê: depois do nascimento"

Categorias: Gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.