Gravidez

Como preparar o filho mais velho para a chegada do irmãozinho

A chegada de um caçula é sempre um momento de mudanças, que traz um turbilhão de sentimentos ao filho mais velho, sendo os mais comuns a insegurança e o ciúme. Isso ocorre devido a atenção dividida e aos cuidados dobrados com a nova criança. Essa é uma fase pela qual toda mãe que pretende ter novo filho passará, mas que pode muito bem ser superada.

Em alguns casos, a criança pode até apresentar estágio de regressão, como: parar de falar, voltar a tomar mamadeira e a chupar chupeta, etc. Contudo, é importante ressaltar que esse período não pode ser confundido com “manha” ou “birra”, pois, como não se trata de teimosia, é necessário que se tenha muita compreensão e paciência.

Por outro lado, o ciúme não é de todo ruim, pois ele pode provocar uma competição saudável entre irmãos, o que causará um desenvolvimento sadio entre ambas as partes. Continue acompanhando o artigo e entenda como atenuar tantas mudanças prestes a vir, preparando o filho mais velho para a chegada do seu novo irmão!

Não julgue o filho mais velho

Não é nada recomendado que se diga à criança que ela está sendo má. O ciúme é absolutamente natural, portanto, senti-lo não faz dela uma criança ruim. Esse sentimento ocorre até mesmo entre nós, adultos. Sendo assim, não seria justo para uma criança ser condenada por sentir ciúmes.

Dica: Segundo filho: e agora? Descubra o que esperar!

Não utilize de agressões

É importante que não haja “palmadas” por conta desses sentimentos que dominam a criança, pois a vontade dela de agredir existe de forma inerente e as ‘“palmadinhas’” podem desencadear esse sentimento, o que pode levá-la a descontar no irmão mais novo.

Mostre à criança que ser o irmão mais velho é motivo de orgulho

Portanto, faça valer a ideia de que ser o irmão mais velho é algo positivo, elogiando cada progresso conquistado, mostrando à criança que o fato de ser mais velho é legal e traz grandes vantagens, como conseguir maior autonomia para fazer algumas coisas que antes só fazia com auxílio dos pais.

Faça com que eles se sintam igualmente amados

Presenteá-los é, ao mesmo tempo, um bom exemplo de como demonstrar o mesmo afeto para ambos. Essa dica é muito válida, pois fará com que a criança mais velha não se sinta deixada de lado e evitará com que ela haja como bebê sempre que quiser algo.

Além disso, ela verá que, apesar das mudanças, não perdeu seu espaço e que ainda é amada e agradada da mesma forma que seu irmão mais novo. É interessante que ganhe presentes por meio dos quais poderá descontar sua agressividade, como, por exemplo, massinhas e instrumentos musicais.

No banner abaixo confira orientações para que o seu bebê chegue em um ambiente familiar confortável, organizado e muito seguro.

Estimule o melhor da fraternidade

É imprescindível que a criança tenha participação nos cuidados com o novo irmãozinho.

Deixá-la ajudar em certos momentos, tais como o banho, a troca de fraldas, na alimentação, fará com que o filho mais velho não se sinta deixado de lado — afinal, é como as crianças podem se sentir ao verem os pais sendo bastante cuidadosos com o irmão.

Para ele, é como se fosse excluído de uma atividade em grupo divertida. Deixá-lo participar desses momentos fará com que ele se sinta importante e necessário, fazendo com que o afeto, assim como o carinho e o cuidado pelo irmãozinho, cresçam.

Vale também ressaltar que essa fase complicada pode durar um bom tempo, demandando muita paciência para que a experiência não tenha más consequências.

Gostou do post de hoje? Não deixe de assinar a nossa newsletter para receber o nosso conteúdo!

Categorias: Gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    (CRM: 876879RJ)
    Graduação em Medicina pela Universidade Estácio de Sá;
    Residência Médica em Pediatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    Residência Médica em Endocrinologia Pediátrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    Certificado de Atuação na Área de Endocrinologia Pediátrica (CAAEP)- RJ; Mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.