Gravidez

Exame de farmácia para teste de gravidez vale a pena?

Uma suspeita que desperta sentimentos, novas sensações e principalmente uma série de dúvidas! Quando desconfiam de uma possível gestação, muitas mulheres vivem uma montanha-russa de emoções que só é amenizada depois de um resultado positivo.

Mas, calma! Atualmente, há no mercado um grande aliado para auxiliar a sanar essa primeira questão: o exame de farmácia para teste de gravidez. Um produto fácil de ser adquirido, manuseado e que pode ser feito no conforto do lar. E a principal vantagem? Dão a resposta em alguns minutos!

Porém, você conhece bem esses testes? Sabe se eles são confiáveis ou se são muito diferentes do exame de sangue? Acredita que sabe escolher a melhor opção? As perguntas são muitas, mas preparamos este post especial para que você entenda mais sobre o assunto e esclareça todas elas. Confira!

Como os exames de farmácia funcionam

Após a relação sexual, ocorre a fecundação do óvulo e, posteriormente, a fixação na parede do útero. A partir desse momento, a mulher começa a produzir o hormônio chamado beta-HCG que é essencial para o desenvolvimento do bebê, a produção da placenta e é também o responsável por “avisar” o cérebro de que os processos de ovulação deverão ser suspensos.

Assim, os testes de farmácias são desenvolvidos para detectar a presença desse hormônio na urina da mulher, mesmo que em uma pequena porcentagem, revelando um resultado positivo ou não. Eles consideram o valor da contagem do hormônio por mililitro (mIU/ml) para revelar o resultado. Normalmente, se a dosagem estivar acima dos 25 (mIU/ml), o teste confirmará a gravidez.

Tipos de teste e como realizá-los

Existem inúmeras marcas e modelos no mercado e o tipo de teste dependerá do fabricante. Por isso, é fundamental ler as informações e seguir as instruções à risca para não comprometer o resultado.

Os mais comuns são compostos por um kit contendo uma fita e um recipiente. A mulher deverá depositar a quantidade de urina indicada dentro do pote e imergir a fita diretamente no líquido. Após alguns minutos, aparecerá uma faixa na fita — o mais usual é uma faixa indicar resultado negativo e duas apontarem o resultado positivo, mesmo que uma apareça mais fraca que a outra. Há versões em que a fita é substituída por uma caneta, mas o procedimento costuma ser o mesmo.

A versão que podemos considerar mais moderna é o exame digital. O seu diferencial está na promessa de indicar com quantas semanas a gestação está, caso seja positivo. Além disso, afirmam conseguir detectar a gravidez mesmo antes do atraso menstrual. Mas mesmo com essas diferenciações, as instruções de uso se assemelham aos testes convencionais.

Dica: 6 sintomas de gravidez que você não conhecia

O que deve ser considerado na hora de comprar

Em resumo, podemos considerar um bom teste de gravidez aquele que possui uma maior sensibilidade e consegue detectar até pequenas quantidades de beta-HCG. Porém, há outros fatores que deverão ser avaliados como o estado da embalagem do produto, verificar se o modo de uso é fácil, fazer uma pesquisa de preços (a variação tende a ser grande, porém a eficácia costuma ser similar), a validade e, claro, se ele é certificado pela Anvisa.

Fique atenta também quanto às informações de armazenamento. Produtos que tenham contato com a umidade e/ou calor podem sofrer alterações na estrutura, o que compromete a leitura do resultado.

Se ainda estiver em dúvidas, procure indicações com pessoas próximas ou com uma busca na internet.

Há uma porcentagem de certeza?

Apesar dos vários estilos, os testes costumam a ter o mesmo grau de eficácia. Os fabricantes dos exames de farmácia costumam divulgar que os produtos têm em torno de 95% a 99% de precisão, caso a mulher siga as instruções de uso corretamente.

O controle nesse tipo de produto é rigoroso e passa por vários testes de qualidade, por isso, podemos afirmar que sua precisão é alta se o resultado for positivo.

O exame de sangue é melhor? O de farmácia pode substituí-lo?

Apesar de sua alta confiabilidade, os exames de farmácias podem cometer erros seja por terem sido feitos no período errado ou pelo fato de não terem sido feitos corretamente. Assim, é recomendado a realização do teste de sangue caso haja uma confirmação da gravidez.

O exame de sangue, além de apresentar 99% de eficácia, também é importante para determinar algumas características da gestação, já que é um teste quantitativo. Com a quantidade de hormônios, é possível determinar de aproximadamente quantas semanas é a gestação, averiguar sintomas suspeitos e começar a elaboração do pré-natal. O interessante é realizá-lo e entregá-lo ao médico para a avaliação e indicação da data do primeiro ultrassom.

Os testes de farmácia podem ajudar na hora daquele primeiro susto com a possibilidade da gravidez, mas é preciso fazer um teste sanguíneo para confirmar, pois a precisão para detectar o hormônio HCG é bem maior.

Dica: O primeiro trimestre de gravidez: o início de uma nova vida

Quando fazer o teste?

Normalmente, ao apresentarem sintomas como enjoo, náuseas e alterações no corpo, as mulheres já querem correr para a farmácia. Mas isso não é mais indicado para se ter um resultado preciso.

O primeiro passo é segurar a ansiedade e esperar alguns dias para se certificar de que houve um atraso menstrual significativo. Algumas mulheres têm ciclos irregulares, o que precisa ser considerado com cuidado para não gerar expectativas e frustrações. Nesses casos, ela deverá se basear na menstruação mais longa.

Certa dessa possibilidade, o recomendado para um resultado mais acertado é:

  • Exame de urina: o exame de farmácia para teste de gravidez deve ser feito 15 dias após a concepção e com a primeira urina do dia, pois ela possui uma maior concentração de hormônio. Nos casos de dúvida a respeito do dia em que pode ter ocorrido a fecundação, espere até 2 a 5 dias de atraso menstrual para realizar o exame, isso garantirá um resultado mais preciso. É recomendado também que se evite a ingestão excessiva de líquidos para que a urina não fique diluída e prejudique a leitura.
  • Exame de sangue: o sangue é o primeiro a receber a concentração de beta-HCG, o que torna esse exame mais preciso se realizado após 12 dias da data provável de concepção.

Caso tenha restado alguma dúvida ou esteja receosa para realizar os exames, procure seu ginecologista ou obstetra. Ele buscará a melhor solução e ajudará na confirmação da chegada de um novo membro da família.

Entenda o falso negativo e falso positivo

Como não é 100% seguro, o exame de farmácia pode apresentar falhas e gerar os resultados que chamamos de “falso negativo” e “falso positivo”. Podemos definir o “falso negativo” como quando o teste aponta que a pessoa não está grávida, e na realidade ela está. Por isso, quando o teste de farmácia tiver um resultado negativo e ainda assim houver suspeita sobre uma gravidez, o teste deve ser repetido ou ser realizado um exame de sangue.

Como o teste de urina precisa de mais tempo após a fecundação para positivar, pode estar negativo por não dado tempo suficiente para se elevar o hormônio beta-HCG. Por exemplo, no caso de uma ovulação tardia, no dia do atraso menstrual o exame daria negativo, pois só viria a positivar dias depois.

Em algumas situações pontuais, o resultado pode ser considerado como “falso positivo”. Caso a mulher esteja tomando algum remédio que contenha o beta-HCG em sua fórmula, tenha sofrido um aborto há pouco tempo, tenha feito um parto há poucas semanas ou tenha uma doença rara que produza o hormônio, ela poderá apresentar um resultado positivo mesmo não estando grávida.

Clique no banner abaixo e conheça as respostas das 10 principais dúvidas sobre ultrassom.

Existem fatores que podem influenciar o resultado?

Muitas mulheres acreditam que a ingestão de álcool, uso de antibióticos, anti-inflamatórios ou anticoncepcionais podem prejudicar, mas eles não têm ligação ou interferem na produção de HCG.

poucos fatores que podem gerar um resultado errôneo que vão além do erro ao utilizar o produto. As causas mais comuns que levam a esse cenário, além das citadas anteriormente, são a realização em um período precoce, certo tipos de tumores e algumas doenças pontuais. Se você acredita que se enquadra em um desses critérios, o recomendado é buscar um ginecologista ou obstetra para uma avaliação mais aprofundada.

Além disso, o uso de medicamentos para tratar a infertilidade, alergias, Parkinson e diuréticos poderão afetar o resultado. Se você estiver tomando algo que se enquadre nessas categorias, é interessante ler a bula e verificar o impacto e se causa alguma alteração no seu organismo antes de realizar o exame.

Há alguma contraindicação?

Nenhuma. Os exames são seguros e não possuem nenhum tipo de fator contaminante. Além disso, o contato é muito rápido e restrito às mãos, o que elimina a possibilidade de alergia, desde que o equipamento esteja em perfeitas condições.

Agora você já sabe tudo sobre os tipos de exames, seus benefícios e desvantagens. Lembre-se de que o exame de farmácia é uma ótima opção para solucionar a dúvida que paira e acabar com a ansiedade. Porém, o exame de sangue não deve ser dispensado. Ele deve ser feito em seguida para uma confirmação certeira e, assim, permitir que você comece a realizar os primeiros procedimentos e cuidados para garantir uma gestação tranquila e segura.

Gostou de nosso post? Tirou suas dúvidas sobre o exame de farmácia para teste de gravidez? É muito importante ajudar outras possíveis futuras mamães! Compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais e vamos trocar experiências!

Categorias: Gravidez , Pré-natal

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.