Gravidez

[Guia gratuito] Decisões na gravidez que impactam a saúde do seu filho

Cuidar da saúde, do desenvolvimento e de outros aspectos da vida do seu filho é uma das obrigações da prazerosa tarefa de se tornar pai ou mãe. São várias escolhas que o casal responsável pelo bebê — que vai se tornar uma criança, um adolescente e, futuramente, um adulto — tem que tomar para que todo o processo de amadurecimento e crescimento transcorra da melhor maneira possível.

O cuidado com suas decisões, entretanto, começa ainda antes dessa etapa de guiar seu pequeno até a vida adulta. As escolhas feitas durante a gravidez impactam diretamente no desenvolvimento correto do bebê, portanto, na sua qualidade de vida e saúde futura. Se você está grávida, provavelmente já deve estar se preocupando com esses cuidados, que podem ser até simples, mas que não podem ser esquecidos.

Neste conteúdo vamos te ajudar a cuidar melhor de você e do seu bebê! Vamos contar aqui um pouco mais sobre todas as decisões e cuidados que são tomadas pela mãe na gravidez e que incidem diretamente na saúde do seu filho amanhã. Aprenda a escolher os caminhos certos e evitar os errados — especialmente se você é uma mamãe de primeira viagem.

Fazer o pré-natal

O primeiro e, sem sombra de dúvidas, o mais importante cuidado que você, como mãe, deve tomar ao receber a confirmação da gravidez é criar o hábito de realizar mensalmente o pré-natal

O pré-natal é uma rotina de exames e consultas feitas desde o primeiro mês da gestação, que ajudam na manutenção da saúde materna e do desenvolvimento correto do bebê durante os nove meses da gravidez. Nessas consultas, feitas preferencialmente por seu médico obstetra, são acompanhadas todas as variáveis relacionadas à gestação e que podem alterar a saúde da mulher.

Alguns dos exames feitos durante o pré-natal e que são indispensáveis para a manutenção de uma gestação tranquila e saudável são: 

• Sistema ABO e Fator RH: para identificar o tipo sanguíneo da mulher e a necessidade de evitar quadros de eritroblastose fetal (bebês que nascem com tipo sanguíneo positivo em mães que apresentam fator Rh negativo e foram previamente sensibilizadas); 

• Hemograma completo: ajuda a evitar quadros de anemia, identificar problemas imunológicos e possíveis infecções no organismo da mulher que podem afetar a saúde do bebê

• Glicemia: o acompanhamento da glicose materna é extremamente importante durante a gestação, visto que a elevação do açúcar no sangue pode levar ao desenvolvimento de diabetes gestacional (quadro clínico que afeta a saúde do bebê);

• Sorologia para doenças sexualmente transmissíveis: identificar um possível diagnóstico de sífilis ou HIV é indispensável para que a equipe médica saiba orientar a mãe para que seu filho nasça sem nenhum problema; 

• Sorologia para hepatite e outras doenças: a hepatite, a toxoplasmose, e citomegalovirose e a rubéola são doenças que podem influenciar no desenvolvimento do feto e devem ser rastreadas ainda no primeiro trimestre da gestação

• Exames de rotina de urina e fezes: para acompanhar uma possível infecção urinária ou contaminação por alguma verminose (ambas situações que podem influenciar na saúde do bebê).

Além desses exames de sangue, a mulher ainda tem acompanhado seu peso, o desenvolvimento do feto e todos os sintomas e alterações corporais e metabólicas relacionados à gestação. Fazer um pré-natal, portanto, é uma maneira de minimizar os riscos que podem afetar a qualidade da saúde do seu filho.

Dica: Preocupada com a saúde do seu bebê? Comece pela atenção à gravidez!

Fazer exames de ultrassom gestacional

Algumas mulheres ainda têm se mostrado resistentes quanto à realização de ultrassons gestacionais durante todo o período da gravidez, mas quando feitos de maneira controlada e sem exagero na frequência, não existe perigo para a saúde da mãe ou do bebê.

O ultrassom é considerado um exame indispensável para a mulher durante a gestação, visto que pode ajudar a identificar várias complicações e condições de saúde específicas no bebê, para que tanto os pais quanto os médicos se preparem para lidar com possíveis diagnósticos. Ele pode ajudar a identificar problemas cardíacos, síndrome de Down, problemas circulatórios e qualquer outra alteração anatômica no organismo da criança. 

Algumas das alterações morfológicas detectadas no ultrassom precisam ser acompanhadas durante toda a gravidez para que, se necessário, seja possível intervir ainda com o bebê dentro do útero, utilizando técnicas invasivas guiadas por ultrassonografia. Por exemplo, no caso de malformações no sistema urinário, pode-se descomprimir uma obstrução, evitando que haja destruição renal no bebê com a evolução do quadro.

Em relação às alterações causadas no bebê decorrentes de infecções (como toxoplasmose materna), procedimentos como a amniocentese podem ser feitos para diagnosticar uma infecção e planejar tratamentos medicamentosos do feto ainda dentro do útero para que essas alterações morfológicas não progridam ainda mais durante o desenvolvimento do bebê.

Além disso, em doenças como a eritroblastose fetal, pode ser necessário realizar múltiplas transfusões sanguíneas para salvar a vida do bebê, e tal procedimento é realizado ainda dentro do útero, dependendo do grau da anemia fetal.

Existem seis tipos de ultrassom diferentes que podem ser feitos pela gestante durante o pré-natal: 

Ultrassom transvaginal: realizado no interior do canal vaginal e responsável por confirmar a gravidez e o local de implantação do feto na parede do útero; 

Ultrassom morfológico: ajuda a acompanhar o desenvolvimento morfológico do bebê por meio da avaliação estrutural de cada órgão do feto, além de identificar possíveis alterações; 

• Ultrassom obstétrico: acompanha o desenvolvimento e crescimento fetal, a quantidade de líquido amniótico, a placenta e o cordão umbilical

Ultrassom com doppler: responsável por auxiliar na análise do fluxo sanguíneo, do cérebro do bebê e até mesmo diagnosticar riscos na saúde materna, como de pré-eclâmpsia e problemas de função da placenta

• Ultrassom 3D: utilizado para promover uma imagem mais nítida do bebê e avaliar melhor possíveis anomalias; 

• Ultrassom 4D: funciona como o ultrassom 3D, porém acompanhando as imagens em tempo real, com melhor qualidade e facilitando diagnósticos.

As decisões que você toma durante a gravidez impactam na saúde do seu filho e têm muita relação com a sua qualidade de vida. Para organizar e planejar os próximos passos, baixe nosso e-book e aproveite nossas dicas sobre cuidados financeiros, a preparação da casa para receber o bebê e até mesmo a escolha do pediatra que vai acompanhá-lo até a vida adulta.

Clique no banner abaixo e leia o e-book completo:

Categorias: Gravidez , Guias Gratuitos , Saúde na gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.