Licença-maternidade

Grávida no trabalho: saiba quando é o momento de tirar a licença-maternidade

A partir da descoberta de uma gestação, a mulher passa por um misto de emoções, sentimentos e dúvidas, sendo que um dos questionamentos mais frequentes é sobre como conciliar o trabalho com a gravidez. Será que vou continuar sendo produtiva? Quando devo parar? É perigoso trabalhar grávida? Minha condição de grávida no trabalho pode me fazer ser demitida?

Essas e outras perguntas costumam pairar na mente efervescente das grávidas e para lidar bem com os desafios profissionais durante a gestação, as futuras mamães precisam estar bem informadas sobre o assunto. Leia o nosso artigo e descubra qual é o momento certo para dar uma pausa no trabalho e quais são os seus direitos em relação à licença-maternidade. Confira:

Diminuir o ritmo é importante desde o primeiro trimestre

Gravidez não é doença, mas é uma condição que inspira cuidados especiais. De modo geral, é muito bom que a grávida seja ativa e continue trabalhando enquanto se sentir disposta e confortável, no entanto, o ritmo deve ser desacelerado desde o início da gestação e as situações de estresse e esforço excessivo precisam ser evitadas.

Dica: O primeiro trimestre de gravidez: o início de uma nova vida

Certifique-se da segurança das atividades e do ambiente de trabalho

Quando tudo vai bem com a gravidez e não existem quaisquer restrições médicas, a gestante pode trabalhar até quando quiser — e o corpo permitir. Entretanto, é fundamental se assegurar de que o ambiente e as funções exercidas não atrapalham a saúde tanto da mãe, quanto do bebê.

Se o trabalho envolver longos períodos em pé, por exemplo, isso pode atrapalhar o fluxo sanguíneo e, consequentemente, afetar a oxigenação do feto. Nesse caso, é importante remanejar as tarefas junto com o empregador para aumentar a segurança da gestação.

Redobre a atenção se você trabalha com produtos químicos

Grávidas que trabalham em laboratórios industriais, salões de beleza, áreas agrícolas e hospitais devem conversar com o seu médico sobre o ambiente de trabalho para descobrir se podem continuar realizando suas atividades profissionais tranquilamente. Vale ressaltar que o contato com determinados produtos químicos pode provocar contaminações capazes de causar até aborto e má formação, então, tome todo o cuidado.

Dica: Descolamento prematuro de placenta: saiba mais sobre o assunto

Entenda melhor os seus direitos trabalhistas

As grávidas possuem total proteção legal quando trabalham com carteira assinada. Veja a seguir como a lei ampara as gestantes e use essas informações para solicitar a sua licença.

  • Por lei, a gestante tem direito a 120 dias de licença-maternidade e esse prazo pode ser contado a partir de um mês antes da data prevista para o parto. No ano de 2008, uma lei aprovou uma prorrogação de 60 dias, no entanto, ela é facultativa para empregador e empregado.
  • Durante a licença, a grávida tem direito de receber a remuneração integral, como se estivesse trabalhando.
  • Em casos de complicações como prematuridade, o período de licença-maternidade pode ser maior, mas é necessário apresentar um atestado médico.
  • Mudanças de função ou solicitação de afastamento antes da licença só podem ser feitas com base em laudos médicos que comprovem que o ambiente pode afetar a saúde da grávida e da criança.
  • As mulheres grávidas não podem ser demitidas por conta da gestação e  nem antes de completarem cinco meses de pós-parto. A dispensa só é permitida em casos de justa causa.

E aí, sabe o que fazer quando estiver grávida no trabalho? Agora ficou mais fácil de definir qual é a hora certa para dar uma pausa e pedir a licença-maternidade? Comente e compartilhe com a gente suas opiniões.

Categorias: Licença-maternidade

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.