Curiosidades da gravidez

Depressão na gestação e no pós-parto: entenda tudo sobre o assunto

Todo mundo já ouviu falar de depressão pós-parto, porém poucas pessoas realmente sabem do que se trata o assunto. Esse problema assola muitas mulheres e é muito mais comum do que imaginamos, trazendo dificuldades sérias para a nova mamãe, para o bebê recém-chegado e para a família.

Além da depressão pós-parto, a gravidez também pode se associar à depressão com a chamada depressão na gestação, que faz com que a futura mamãe não cuide de sua saúde como deveria e possa prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Hoje em dia esses males são ainda mais comum do que em outros tempos, especialmente pela alta carga de pressão a que as mulheres são submetidas e a falta de tempo para uma gestação e recuperação mais tranquilas, especialmente por questões profissionais.

Quer entender melhor sobre o assunto, descobrir o que são a depressão na gestação e no pós-parto, quais suas causas, sintomas e quando procurar ajuda médica? Confira o texto a seguir:

Gravidez e depressão

A gravidez pode predispor a mulher a dois tipos específicos de depressão: a depressão pós-parto e a depressão na gestação. Trata-se de duas patologias distintas que não irão necessariamente afetar a mesma mulher, embora a mulher com depressão anterior à gestação ou durante a gestação tenha um risco maior de também desenvolver a depressão no período pós-parto.

A depressão pós-parto é um problema que assola as mulheres após elas terem dado à luz ao bebê. Em alguns casos, a depressão é leve e, embora a mulher esteja mais entristecida e desanimada, ela ainda consegue oferecer os cuidados adequados ao recém-nascido. Em outros casos, no entanto, a depressão é grave e os cuidados ao bebê ficam extremamente comprometidos, colocando a vida da mãe e da criança em risco.

Já a depressão na gestação está associada a uma tristeza e desânimo exagerados durante a gestação que prejudica os cuidados necessários nessa fase. A grávida não realiza os exames de pré-natal de forma adequada, não se preocupa em comprar roupinhas para o bebê ou em parar de fumar, por exemplo.

Linha do tempo

A qualquer momento da gravidez, a mulher pode desenvolver a depressão na gestação. Geralmente, os sintomas surgem logo após a descoberta da gravidez e o início das alterações consideradas normais nessa fase da vida, mas podem estar associadas a eventos específicos que ocorreram durante os nove meses como a descoberta de uma malformação, a separação do marido ou problemas financeiros.

Em relação à depressão pós-parto, o nome pode enganar um pouco. A impressão é de que esse tipo de depressão tem início logo após o nascimento do bebê, nas primeiras semanas pós-parto, no entanto, o surgimento da doença deve necessariamente ocorrer de algumas semanas após o nascimento do bebê até o final do primeiro ano de vida da criança.

Confira abaixo as orientações que seu bebê chegue em um ambiente familiar confortável, organizado e muito seguro.

Ou seja, a depressão pós-parto não surge imediatamente após o parto. Na maioria das vezes, os sintomas começam a surgir cerca de um mês após o nascimento da criança e atingem seu auge por volta dos 3 meses.

Grupos de risco

Estima-se que cerca de 10 a 20% das gestantes possuem algum nível de depressão enquanto 10 a 15% das mães são afetadas com a depressão pós-parto, números bem acima do que a população em geral suspeita.

Embora qualquer mulher possa desenvolver a depressão, mulheres que já sofriam de depressão antes, que estão passando por problemas no casamento, que tiveram uma gravidez não desejada, que têm condições socioeconômicas baixas e que passaram por algum evento traumático durante a gestação têm um risco aumentado de desenvolverem depressão, seja na gravidez ou no pós-parto.

Além disso, há fatores genéticos envolvidos no processo, então caso haja casos de depressão gestacional ou pós-parto na família, a chance da mulher ter essas condições também é maior.

Causas

A depressão parece surgir a partir de uma combinação de fatores genéticos e ambientais. A hipótese mais aceita é que mulheres com uma maior susceptibilidade neurobiológica à depressão não se adaptariam bem às alterações hormonais e comportamentais da gravidez ou do período pós-parto e isso desencadearia a doença.

Apesar disso, é difícil dizer quem terá a depressão e por que ela está ocorrendo. Muitas vezes, mulheres que sofreram com depressão por anos tem uma gravidez tranquila e feliz enquanto mulheres sem qualquer história pessoal ou familiar de depressão desenvolvem casos graves de depressão pós-parto.

Dica: Saiba identificar os sinais de que você entrou em trabalho de parto

Diagnóstico

É comum que as mulheres tenham oscilações de humor durante a gravidez e após o parto, sem que isso seja considerado patológico nem anormal. Os níveis hormonais se alteram muito e, com eles, segue oscilando o humor da nova mãe. As alterações no corpo, a privação de sono e da liberdade, mudanças nas relações sociais e no trabalho e as preocupações pioram ainda mais o quadro.

Se a mulher consegue se adaptar a essas mudanças e se mantém animada com os preparatórios para a chegada do bebê, como a compra do enxoval e a escolha do nome, apesar das dificuldades, ela não deve estar deprimida. A depressão ocorre quando as alterações da gravidez atrapalham toda a rotina da mulher e se tornam um problema na vida dela, impedindo-a de fazer o pré-natal de forma adequada e fazendo com que ela não queira se preparar para o nascimento da criança.

A sensação de ansiedade, choros e irritabilidade também são normais na primeira e segunda semana após o parto, mas esses sinais desaparecem à medida que a família entra em uma nova rotina com o bebê. A depressão pós-parto ocorre quando esses sintomas não vão embora ou quando os indícios surgem um mês depois do nascimento.

Não existem exames específicos para detectar a condição, porém um médico bem habilitado pode perceber o quadro rapidamente — também há um questionário que a mãe preencherá durante a consulta para verificar esses sinais ou sintomas.

Clique no banner e confira o guia para te ajudar nas primeiras semanas de vida do seu bebê.

Sintomas

Os sintomas podem variar bastante, mas em geral são os mesmos da depressão comum que pode ocorrer em qualquer momento da vida de uma pessoa. Além da tristeza profunda e duradoura, pode surgir agitação, falta de apetite, irritabilidade, sensação de inutilidade ou perda, reclusão, falta de energia e concentração, ansiedade, sentimentos negativos em relação à criança, pensamento de morte ou suicídio, problemas para dormir e incapacidade de cuidar do bebê.

Se a depressão ocorrer durante a gestação, a mulher pode não cumprir as orientações do pré-natal, ficar muito tempo sem se alimentar e fazer uso de álcool, cigarro e outras drogas. O bebê pode nascer prematuro, de baixo peso e ter mais problemas para dormir nos primeiros 18 meses de vida.

Se a depressão é após o parto, a amamentação, a troca de fraldas, a oferta de papinhas, as brincadeiras e os cuidados gerais com o bebê são prejudicados. A mãe não se sente conectada com a criança e não a reconhece como filho. Em casos de depressão grave, a vida do bebê é posta em risco se ele fica apenas sob cuidados da mãe.

Além de todos esses sintomas, é comum ainda que a mulher sinta muita culpa por não conseguir cumprir o papel de mãe como deseja e não atingir as expectativas do companheiro, da família e de toda a sociedade nesse momento de sua vida. Assim, é comum que as mulheres tentem esconder os sentimentos de depressão ou fingir estarem felizes com a gravidez e com a chegada do bebê.

Tratamento

Tratar a depressão é tão importante quanto tratar qualquer outra doença como hipertensão e infarto, já que há uma alteração química no funcionamento do cérebro dessas mulheres que as impedem de sentir prazer com a gravidez e os cuidados do bebê. A terapia pode ser suficiente em casos leves e moderados, em que a mãe se sente um pouco mais abatida mas ainda consegue realizar todas as suas funções e manter uma vida normal.

Mas em casos de depressão grave, o uso de medicações antidepressivas é essencial, apesar da possibilidade deles atravessarem tanto a barreira placentária quanto passarem para o leite. Nessas situações, o benefício de uma mãe saudável e sem depressão é maior do que o risco do bebê ter alguma alteração devido ao medicamento, o que significa que a mãe não precisa ficar temerosa em relação ao uso do remédio.

De qualquer forma, um apoio maior da família na divisão das tarefas e dos cuidados com o bebê é fundamental para que a mãe não seja sobrecarregada e consiga desfrutar melhor dessa fase da vida. Aumentar a comunicação com o parceiro, desabafar com as amigas, praticar exercícios físicos, ter uma boa noite de sono e manter uma dieta saudável também contribuem para a melhora dos sintomas.

Dica: Que problemas podem ser identificados através do ultrassom gestacional?

Buscando ajuda médica

Se você perceber um desses sinais em alguém que teve um filho dentro do período de possibilidade da depressão na gestação ou pós-parto, procure ou indique a ela que se dirija a um médico de confiança. Não buscar auxílio no momento oportuno pode não só deteriorar a relação da nova mãe com a família, os amigos e o filho, mas até colocar em risco a vida deles.

A questão hormonal somada à questão social pode ser uma verdadeira bomba na vida de uma mulher que já está vivendo um momento de mudanças profundas, por isso ela merece toda a ajuda que puder ser oferecida. Não hesite em contatar um médico qualificado: com saúde, especialmente na gravidez e no pós-parto, não se brinca.

Você já sofreu de depressão na gestação e no pós-parto ou conhece alguém que passou por esse problema? Divida a sua experiência em nossas redes sociais.

Categorias: Curiosidades da gravidez , Gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.