Gravidez

7 semanas de gravidez: saiba como está o seu corpo e o seu bebê

7 semanas de gravidez: apesar de você ainda estar no início da gestação, já há bastante coisa mudando dentro de você, sabia? É importante você se cuidar, seguir as orientações médicas e investir em uma alimentação saudável, com tudo o que será preciso.

Quer descobrir tudo o que está acontecendo com o bebê e com você? Continue a leitura do post que preparamos e entenda!

7 semanas de gravidez: quais são as principais mudanças?

A barriga de grávida ainda não é evidente, mas nesses quase 2 meses de gestação, o embrião já passou por um bom desenvolvimento. Geralmente é nesse período, entre 6 e 8 semanas, que o primeiro ultrassom é realizado e é possível escutar os batimentos cardíacos do bebê, que chegam a 150 por minutos — o que causa muita emoção a todos.

Se você ainda não consultou seu obstetra, marque logo uma consulta, pois há vários exames para serem realizados. O médico pedirá um hemograma e exame de urina para se certificar de que está tudo bem no seu organismo. Além disso, é o momento para você tirar todas as suas dúvidas sobre a gestação.

Se for detectada alguma alteração, ele a orientará a seguir os procedimentos corretos para que o bebê não seja afetado no seu desenvolvimento.

Dica: Você já se perguntou como acontece a respiração do bebê na gravidez?

O que está acontecendo com o bebê?

Nessa fase, o coração do bebê já está em desenvolvimento e tem 4 câmaras bem definidas, o que permite o batimento cardíaco, que você escutará pela primeira vez no ultrassom. Os pulmões, os músculos e os ossos já estão se desenvolvendo também e o apêndice já está bem formado.

A cabeça e o cérebro estão crescendo mais rápido e as células cerebrais e neurônios estão se multiplicando. Porém, ele ainda tem um formato de “C”, pois sua cabeça fica deitada sobre o estômago. Já os olhos, que ficavam mais na parte lateral, começam a se centralizar, mas ainda estão cobertos por uma membrana. Os dedos ainda estão juntinhos, mas já existem braços e pernas, e os cotovelos já se mexem.

O bebê já se movimenta um pouco. Porém, como ele ainda é pequeno — medindo aproximadamente 18 mm, o que significa mais ou menos o tamanho de um grão de feijão — a gestante só o sentirá por volta de 18 semanas da gestação.

E com a mamãe?

Apesar de a barriga não aparentar ser de gestante, ela já pode estar um pouco mais inchada. As aréolas das mamas também podem começar a escurecer. As mudanças corporais estão começando a ser sentidas, não é?

Como as alterações hormonais estão grandes, você pode sentir mudanças de humor repentinas. Assim, em um momento está alegre e no outro, irritada. Algumas situações mais banais, como um comercial de televisão, podem provocar emoções de lhe fazer chorar. As coisas estão começando a ficar intensas mesmo, mas tente relaxar, tudo bem?

Confira no banner abaixo alguns hábitos e atitudes podem proporcionar uma experiência mais gostosa e segura tanto para você quanto para o seu bebê.

Enjoos

Os enjoos podem estar incomodando, mas são naturais, na maioria das vezes. Eles ocorrem em decorrência das alterações hormonais e em muitos casos vão diminuindo com o andar da gestação. Você deve tomar cuidado se eles forem intensos, a ponto de provocar muitos vômitos e diminuição do peso, pois isso pode prejudicar o bebê. Se estiver passando por isso, não tome remédio por conta própria e peça orientação ao seu médico sobre o seu caso.

Muitas vezes, os enjoos acontecem mais na parte da manhã, que é quando a mulher acorda e o estômago está mais sensível. Existem alguns truques que podem aliviá-los — por exemplo, manter uma boa hidratação, com muita água, inserir o limão na rotina e fazer chá de gengibre.

O sono e cansaço também podem estar presentes. Não exija muito de si e aproveite o momento para descansar bem. Com toda a transformação acontecendo por dentro, com o seu metabolismo não será diferente, o que pode baixar bastante a sua energia.

Para aumentar a disposição, mantenha uma dieta alimentar saudável, com todos os nutrientes necessários. Você não vai precisar “comer por dois”, mas deverá melhorar a qualidade do que ingere. Muitas vezes seguir a orientação de um profissional da área de nutrição ajuda bastante.

Dica: Por que o teste genético pré-concepção é importante?

Predisposição para problemas bucais

Outra mudança que pode acontecer é a predisposição de a mulher ter gengivite, que é o acúmulo de placas bacterianas nos dentes e irritam as gengivas. As cáries podem aparecer também. O conselho é ter um cuidado maior com os dentes, fazendo a limpeza da forma correta e com o uso de fio dental. Consulte o seu dentista e avise a ele sobre a sua gravidez.

Diminuição da libido

Você pode estar sentindo uma baixa na libido nesse período. Os hormônios em alteração são a causa para isso. O aumento da progesterona influencia no desejo sexual, deixando-o mais baixo.

Outro fator que mexe com a libido e a parte emocional. Muitas vezes a insegurança com relação às mudanças e ao futuro impedem a gestante de se sentir mais relaxada. Procure ajuda especializada se sentir que os sentimentos negativos estão prevalecendo, tá bom?

No segundo trimestre, a questão da libido estará mais estabilizada. E em especial, pelo 6º mês, por haver maior irrigação sanguínea na região da virilha, a mulher costuma sentir um grande aumento da libido. Então não se culpe por essas sensações.

Prisão de ventre

A prisão de ventre pode estar atrapalhando o seu bem estar. O intestino preso acontece por fatores hormonais. Mas beber água e incluir alimentos como aveia e mamão pode ajudar muito. As atividades físicas também são boas para isso.

Quais alimentos devo ingerir ao chegar em 7 semanas de gravidez?

A alimentação completa de nutrientes é essencial durante toda a gestação. Porém, nesse momento, você deve dar atenção especial a estes alimentos, que ajudarão você e o bebê:

  • alimentos ricos em cálcio, como leite, couve, brócolis e espinafre, são necessários para auxiliar na formação óssea do bebê;
  • o ácido fólico, ou vitamina B9, ajuda a prevenir a má formação da medula espinhal e do cérebro, como a anencefalia. Alguns dos alimentos que têm ele presente são vegetais escuros, lentilhas, feijão, abacate e quiabo;
  • o iodo é outro que deve estar presente na alimentação — ele ajuda no desenvolvimento do cérebro do feto;
  • o ômega 3, presente na linhaça, é importante para todo o desenvolvimento do sistema nervoso do bebê;
  • potássio e vitamina B6, como os presentes na banana, também ajudam na formação do feto, além de prevenir os enjoos da mamãe;
  • ferro — que está contido em feijão, ovos, fígado e espinafre — é capaz de prevenir a anemia, melhorar a produção sanguínea e diminuir o cansaço; para melhor absorção, consuma junto com alimentos ricos em vitamina C, como as frutas cítricas, e evite consumir cálcio na mesma refeição, pois ele diminui sua absorção.

Alguns hábitos e atitudes podem proporcionar uma experiência mais gostosa e segura tanto para você quanto para o seu bebê. Veja no banner abaixo:

As mudanças são constantes em 7 semanas de gravidez. No primeiro trimestre acontecem muitas sensações diferentes ao mesmo tempo, não é? Não deixe de acompanhá-las e cuide bem de você e da sua alimentação, para que seu bebê possa nascer saudável.

Se você gostou das dicas, assine nossa newsletter e receba em seu e-mail os nossos posts sobre gestação!

Categorias: Gravidez , Primeiro trimestre de gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.