Gravidez

Saúde na gestação: 10 benefícios do pilates para mulheres grávidas

Durante muito tempo, a gravidez foi vista como um período em que a mulher deveria limitar suas atividades e ficar mais quietinha. Hoje, a prática de atividades físicas não é apenas bem-vista, mas também recomendada para uma gestação mais saudável e tranquila, um parto facilitado e um melhor processo de recuperação.

Para as futuras mamães que já tinham o hábito de se exercitar, as atividades podem ser mantidas, apenas adequando a carga e intensidade a cada etapa da gestação para evitar sobrecarga. Aquelas que se exercitavam pouco ou nada devem fazer atividades mais leves, como as caminhadas.

Para os 2 grupos, uma excelente opção é o pilates para grávidas. Essa é uma atividade que é vista como ideal para o período da gestação, já que trabalha toda a musculatura requerida para carregar o bebê ao longo das 40 semanas, e também a que será mais demandada no trabalho de parto.

Ainda assim (é sempre bom lembrar), todo e qualquer exercício físico na gestação deve ser liberado pelo obstetra. Em alguns períodos e situações particulares, as atividades podem precisar ser suspensas ou reduzidas.

Neste post, trazemos uma lista com 10 dos inúmeros benefícios do pilates para grávidas. Confira!

1. Previne as dores lombares

A partir do 2º trimestre da gravidez, há uma mudança no centro de equilíbrio do corpo da mulher devido ao peso da barriga, fazendo com que ela tenha uma inclinação pélvica para frente. Quando é excessiva, essa postura sobrecarrega a musculatura das costas e pode causar dores lombares.

Os exercícios de pilates para grávidas fortalecem os músculos profundos do cinturão abdominal, garantindo maior resistência e melhor sustentação de toda essa musculatura, prevenindo e reduzindo as dores nas costas e na região pélvica.

Dica: Entenda o motivo das mulheres ficarem mais sensíveis no período da gravidez

2. Melhora o sono

Apesar de se sentir mais cansada e sonolenta, dormir pode não ser uma tarefa tão fácil para a gestante, especialmente na fase final da gravidez, quando a barriga já está muito grande. O bebê se mexe bastante e é mais difícil encontrar uma posição confortável para dormir.

A prática do pilates ajuda no relaxamento e na sensação de bem-estar, liberando endorfina e ajudando as mulheres a terem uma melhor qualidade de sono — o que também contribui para que ela tenha mais energia e disposição durante o dia.

3. Melhora a respiração

É comum que, na medida em que a gravidez avança, a gestante tenha dificuldades para respirar. Isso acontece porque, com o crescimento do bebê e o aumento de volume do útero, os demais órgãos da cavidade abdominal são empurrados para cima, pressionando o diafragma e encurtando a passagem de oxigênio para os pulmões. Por isso, as grávidas ficam mais ofegantes.

Com o pilates, as mulheres praticam exercícios respiratórios durante a execução das atividades, inspirando e expirando lenta e profundamente. Isso aumenta a disponibilidade de oxigênio na corrente sanguínea e, consequentemente, melhora o padrão de oxigenação da mãe e do bebê.

Essa forma de respirar também será benéfica durante o trabalho de parto, contribuindo para que a mamãe fique mais tranquila durante uma contração e outra, além de ajudá-la a lidar melhor com a dor.

Confira no banner abaixo alguns hábitos e atitudes que podem proporcionar uma experiência mais gostosa e segura tanto para você quanto para o seu bebê.

4. Aumenta a resistência e a condição física

O ganho de peso durante a gravidez é necessário e inevitável — a recomendação é que mulheres que estejam com o peso adequado ganhem de 9 a 12 quilos ao longo dos 9 meses.

Esses quilinhos a mais acabam promovendo uma queda na condição física, deixando a mulher mais lenta e se sentindo mais pesada.

Com o trabalho muscular realizado no pilates, esses sintomas são amenizados, já que há um fortalecimento de toda a musculatura de sustentação do corpo, garantindo maior resistência e força física.

5. Previne lesões nos ligamentos

Os hormônios da gravidez deixam os ligamentos e a musculatura mais flácidos, tendo influência direta sobre a estabilidade da mamãe.

O pilates atua duplamente na prevenção de lesões nos ligamentos:

  • ajuda no controle do peso, evitando ganhos excessivos e maior sobrecarga sobre os tornozelos;
  • trabalha o fortalecimento da musculatura de apoio.

6. Reduz os inchaços

Como outras atividades físicas, o pilates ajuda a reduzir os inchaços comuns da gravidez, melhorando a circulação sanguínea e reduzindo a retenção de líquidos.

Dica: 6 cuidados essenciais que você deve ter nos últimos meses de gravidez

7. Prepara para o parto

A maioria dos exercícios do pilates trabalha um grupo de músculos extremamente importantes na gestação e no trabalho de parto: o assoalho pélvico.

O assoalho pélvico é uma estrutura similar a uma cama elástica ou a um tapete. Fica ao fundo da pelve óssea (bacia), no fim da cavidade pélvica, onde se localizam a bexiga, o útero, o reto e os intestinos. É formado por um grupo de aproximadamente 13 músculos, ligamentos e tecidos, conhecidos como fáscias.

Durante a gestação, toda essa musculatura é extremamente demandada, pois é onde o bebê se desenvolve e onde boa parte da pressão pelo ganho de peso se concentra.

No trabalho de parto, essa estrutura sofrerá os impactos das contrações e da passagem da criança. Por isso, ter essa musculatura fortalecida é essencial para que a mulher consiga fazer a força necessária para o nascimento do bebê.

Durante os exercícios de pilates, é necessário contrair o abdômen e toda a região pélvica — o que também acaba sendo um treinamento para o parto normal, quando a gestante terá que fazer um movimento semelhante para expulsar o bebê.

Com essa musculatura fortalecida, há menor percepção de dor, e a condução do parto tende a ser mais fácil.

8. Previne a incontinência urinária no pós-parto

Mesmo que o parto tenha sido cesariana, a mulher corre o risco de ter incontinência urinária no pós-parto devido à sobrecarga do assoalho pélvico.

Além disso, os hormônios da gravidez têm forte ação sobre essa musculatura e tende a deixá-la mais frouxa, elevando os riscos de problemas após o nascimento do bebê.

A literatura médica aponta que 33% das mulheres apresentam alguma dificuldade de controlar a urina durante a gravidez ou após o parto por não terem a musculatura pélvica preparada para esse esforço extra. O pilates atua promovendo essa preparação.

No banner abaixo entenda os movimentos e o desenvolvimento do seu bebê!

9. Promove o encontro com outras gestantes

Os grupos de pilates para grávidas são excelentes ocasiões para as futuras mamães compartilharem suas angústias, dúvidas e ansiedades com outras mulheres que estão vivendo a mesma experiência.

Esse tipo de atividade traz conforto e forma uma rede de compartilhamento de informações.

10. Promove o bem-estar do bebê

Todos os benefícios do pilates para a mamãe são compartilhados com o bebê. Os hormônios do prazer, como a endorfina, são liberados pelo organismo materno e chegam até o pequeno por meio da placenta. Assim, ele também se sente bem e tranquilo.

Além disso, com mais disposição e sensação de bem-estar da gestante, o vínculo entre mãe e filho também sai fortalecido.

Gostou deste post sobre pilates para grávidas? Então, assine nossa newsletter e receba no seu e-mail nossos artigos sobre essa experiência incrível que é a gestação!

Categorias: Gravidez , Saúde na gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.