Gravidez

Parto normal ou cesárea: quais as vantagens de cada um?

Parto normal ou cesárea: esta é a principal dúvida que surge na cabeça das futuras mamães logo após descobrir a gravidez e compartilhar esta incrível notícia com o marido e as pessoas mais próximas. O mais importante a fazer neste momento é se informar sobre cada modalidade de parto e, com isso, decidir a melhor opção tanto para você quanto para o seu bebê que está para chegar.

Quer saber mais sobre as vantagens e desvantagens do parto normal e do parto cesárea e, de quebra, receber uma ajudinha para decidir qual lhe agrada mais?

O mais importante a fazer neste momento é se informar sobre cada modalidade de parto com o vídeo do Dr. Mauricio Grillo, especialista em ginecologia e obstetrícia, que preparamos especialmente para você escolher a melhor forma de parto!

O parto normal

O parto normal é a maneira mais natural de dar à luz e também a primeira indicação médica — desde que não existam riscos para a saúde da mãe ou do bebê. Sua recuperação é rápida, mas é o método mais temido pela maioria das mulheres, devido à intensidade das dores do trabalho de parto. Além disso, apresenta inúmeras vantagens e desvantagens.

O corpo da mulher se prepara para ele desde o início da gravidez, o que possibilita uma recuperação rápida. Além de ser uma opção que apresenta menor risco de o feto nascer prematuro, infecções e complicações para a mãe no resguardo, também possibilita que o bebê escolha o momento certo de nascer. Além disso, faz com que o útero volte ao seu tamanho normal rapidamente e aumenta a produção do leite materno, graças aos hormônios produzidos no trabalho de parto.

Dica: Informações importantes sobre o uso de anestesia no parto normal

Também proporciona menor incidência de problemas respiratórios para o bebê, devido ao tórax ser comprimido ao passar pelo canal vaginal, um processo que expulsa o excesso de líquidos dos pulmões.

Após o nascimento, o bebê entra imediatamente em contato com a mãe, o que ajuda a acalmá-lo, e pode permanecer junto a ela o tempo todo — desde que ambos estejam saudáveis.

Como nem tudo são flores, também apresenta as suas desvantagens: a dor é a principal característica dessa modalidade e existem várias técnicas para aliviá-la e proporcionar maior conforto, como a anestesia epidural e algumas massagens e compressas com água quente. Apesar disso, várias gestantes apresentam dor constante mesmo tomando a anestesia. Não existe um tempo determinado para a duração desse trabalho de parto, podendo levar de 8 a 12 horas na primeira gestação, e de 6 a 8 horas em mulheres que já tiveram filhos.

Também pode ser necessária a episiotomia, que nada mais é que um pequeno corte feito no períneo (localizado entre a vagina e o ânus) para facilitar a saída do bebê, o que resulta em desconforto nos primeiros dias pós-parto e nas relações sexuais. Ainda, existe o risco de rompimento do útero durante o trabalho de parto (caso a mulher tenha se submetido a cirurgias anteriormente).

O parto cesárea

Apesar de o parto normal ser a melhor opção para o bebê, várias mulheres optam pela cesárea, principalmente pela possibilidade de decidir a melhor data para o filho vir ao mundo e não sentir dor alguma, diferentemente da primeira modalidade.

Mesmo assim, é importante saber que o parto cesárea é um processo cirúrgico, que consiste em abrir o útero materno por meio do abdômen para a retirada do bebê, e envolve fatores positivos e negativos, como qualquer outro. O fato de ser uma cirurgia e ter uma recuperação mais lenta não significa que ela não apresente as suas vantagens em relação à outra modalidade: parto normal ou cesárea, todos têm os seus prós e contras.

Dica: Conheça as particularidades de cada fase da gestação

Uma das principais vantagens do parto cesárea é a possibilidade de escolher e marcar a data para o nascimento do bebê, permitindo que os pais se programem e se preparem, além de garantir que o obstetra que acompanhou toda a gestação e pré-natal esteja disponível neste dia e possa fazer o procedimento. O trabalho de parto é bem mais curto comparado ao normal e tem uma duração mais previsível — cerca de 1 ou 2 horas.

Também elimina quaisquer complicações associadas ao parto normal, como traumas ósseos no crânio, na clavícula e no úmero, além de ajudar a reduzir o estresse da futura mamãe, que estará em um ambiente mais controlado e tudo ocorrerá de forma tranquila. A rapidez desta modalidade também é muito útil no caso de sofrimento fetal.

O uso obrigatório de anestesias e as suas sensações aflitivas — que possibilitam que a mãe sinta a força que o médico faz contra seu corpo para posicionar o bebê — e a não utilização de sedativos durante o procedimento estão entre as principais desvantagens do parto cesárea. A morfina usada pode provocar coceira intensa no corpo e no rosto, e a sensação causada pelo cérebro de ficar com as pernas abertas após a cirurgia também são muito incômodas à mulher.

Após o nascimento do bebê há uma grande sensação de dor e cansaço, o que causa algumas dificuldades para a recém-mamãe andar, ficar em pé e se movimentar. Também há um quadro de tremedeira após a saída do centro cirúrgico, graças ao efeito de perda de calor causado pela anestesia.

Por ser uma cirurgia abdominal, a recuperação após o parto será mais demorada, sendo necessárias duas a três semanas para a recuperação total e extremo cuidado com movimentos bruscos, agachamentos e pegada de pesos, além dos riscos de infecções, reações à anestesia, hemorragias e trombose dos membros inferiores.

Um material com todas as orientações que você precisa para que o seu bebê chegue em um ambiente familiar confortável, organizado e muito seguro. Confira no banner abaixo:

É bem comum sentir dores no local da cicatriz durante as primeiras semanas e a amamentação ser um pouco desconfortável e demorada, por não serem liberados os hormônios do trabalho de parto normal. Também há o risco de depressão pós-parto, além da obrigação de tomar alguns medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios por até sete dias do resguardo.

Existem casos em que a cesárea se torna uma necessidade: quando a cabeça do bebê é maior do que a passagem vaginal da mãe, quando acontecem hemorragias no final da gestação ou quando há sofrimento fetal. Também é indicada nos casos de diabetes gestacional, trabalho de parto prolongado e pressão alta.

Neste artigo, apresentamos as principais informações sobre as modalidades de parto para dar à luz ao seu bebê, para que você possa pensar e refletir sobre as vantagens e desvantagens de cada uma. Independentemente de ser parto normal ou cesárea, a decisão é sua! Caso ainda tenha dúvidas, converse com o seu obstetra.

Com essas informações sobre parto, você acabou ficando mais ansiosa e quer deixar tudo pronto para a chegada do bebê, não é mesmo? Então, baixe agora mesmo o e-book “A chegada do bebê” e se prepare ainda mais para este grande dia!

Categorias: Gravidez , Tipos de parto / Pós parto

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.