Gravidez

Que exames devem ser feitos no segundo trimestre de gestação?

​O segundo trimestre da gestação é uma delícia. Os enjoos chegam ao fim, a barriga começa a aparecer (mas ainda não incomoda) e começamos a perceber os movimentos do bebê. Mas não dá para se descuidar! Nesse período, é importante continuar as consultas de pré-natal e fazer todos os exames necessários.

Quer descobrir quais são os exames que devem ser feitos no segundo trimestre de gestação? É só conferir o nosso post! Anote aí:

Ultrassom morfológico

Um dos principais exames de toda a gravidez, o ultrassom morfológico é realizado entre a 18ª e 24ª semana de gestação e consegue avaliar todo o desenvolvimento do bebê. Como a maioria dos órgãos já se formaram no primeiro trimestre, é possível conferir se tudo está funcionando como deveria. O ultrassom morfológico avalia o coração, os rins, a bexiga, o estômago, ossos, braços, pernas, mãos e pés do bebê. Além do cordão umbilical, líquido amniótico e a placenta.

Caso alguma alteração seja detectada, o obstetra já pode começar a planejar a intervenção para minimizar quaisquer consequências. É nesse ultrassom também que muitas mamães desvendam o grande mistério e descobrem o sexo do bebê, podendo começar a planejar o enxoval, decorar o quartinho ou escolher o nome.

Dica: Tudo que você precisa saber sobre os movimentos do bebê na barriga da mãe!

Pressão arterial e altura uterina

Esses são dois exames simples do segundo trimestre, feitos dentro do próprio consultório do obstetra, mas que ajudam demais na avaliação da saúde da mãe e do bebê a cada consulta do pré-natal. A aferição da pressão arterial sistêmica avalia o risco de pré-eclâmpsia — que pode gerar um parto prematuro. Já a medição da altura uterina ajuda a acompanhar o crescimento do bebê, devendo estar com cerca de 24 centímetros, pouco acima da cicatriz umbilical, ao final desse período.

Dica: Como estimular o desenvolvimento do bebê mês a mês?

Teste de tolerância oral à glicose

Para as mamães que tiveram uma glicemia dentro do normal no primeiro trimestre e ainda não foram diagnosticadas com diabetes mellitus pré-gestacional ou gestacional, é essencial a realização do teste de tolerância oral à glicose (TOTG).

O TOTG é feito entre a 24ª e a 28ª semana de gestação, através da ingestão de um líquido muito doce e avaliação da glicemia após uma e duas horas. Se a glicemia estiver acima de 180 mg/dL depois de uma hora, ou entre 153 e 199 mg/dL na segunda hora, é confirmado o diagnóstico de diabetes gestacional.

Banner para baixar o e-book "Agenda da gravidez"

Coombs indireto

As mulheres que tiverem fator Rh negativo, principalmente as que tenham um parceiro Rh positivo ou já tenham recebido alguma transfusão sanguínea, devem repetir o coombs indireto no segundo trimestre. O exame consegue detectar anticorpos contra o Rh positivo no sangue da mulher, que pode ser o fator do sangue do bebê. Esses anticorpos poderiam atravessar a placenta, provocando a chamada doença hemolítica do recém-nascido, que gera uma anemia severa.

Caso o teste de coombs seja positivo, o obstetra poderá acompanhar mais de perto a gestação para certificar-se de que o bebê continua se desenvolvendo bem. Caso o teste seja negativo, dá para tomar uma vacina de gamaglobulina anti-Rh, que reduz a chance desses anticorpos serem produzidos pela mulher o que protegerá o próximo bebê de adquirir esta doença, já que nesta gestação não houveram anticorpos detectados  — mas só o seu médico poderá indicar o melhor momento para a vacina.

Aprendeu tudo sobre os exames que devem ser feitos durante o segundo trimestre? Qualquer dúvida, deixe um comentário pra gente!

Categorias: Gravidez , Pré-natal , Segundo trimestre de gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.