Curiosidades da gravidez

4 dicas preciosas para tratar manchas na pele na gravidez

As manchas escuras na pele — também conhecidas como melasma — atingem muitas mulheres na gravidez e geram muitas dúvidas sobre os tratamentos correspondentes. Durante a gestação, as melanoses solares são ativadas, e manchas mais escuras aparecem em algumas partes do corpo (principalmente no rosto). Se não forem tratadas corretamente, elas podem se tornar permanentes.

A prevenção é sempre a melhor solução. No post de hoje, vamos dar ótimas dicas de como prevenir e também tratar as manchas na pele na gravidez, que geram tanto incômodo para as futuras mamães. Confira!

O que é melasma e quais são as suas causas?

O melasma é uma condição que provoca manchas escuras ou acastanhadas na pele do rosto (maçãs, testa e buço). Não tem uma causa definida e quase sempre está relacionada à gravidez, ao uso de anticoncepcionais femininos e, principalmente, à exposição solar — principal fator desencadeante, devido aos raios ultravioleta. Ainda não se sabe se há fatores genéticos e hereditários envolvidos no seu aparecimento.

Dica: O que acontece com o útero durante a gravidez?

Quais são os seus sintomas e a melhor forma de prevenir as manchas na pele na gravidez?

Além das manchas faciais provocadas pelo melasma, podem ocorrer também os sintomas no restante do corpo, como manchas escuras nos braços, colo e pescoço, que têm formatos irregulares e geralmente simétricos (iguais nos dois lados). Tratamentos inadequados geralmente agravam o melasma, piorando e aumentando as manchas.

As alterações hormonais da gestação também provocam o aparecimento ou agravamento do problema, que durante esse período recebe o nome de cloasma gravídico. A origem das manchas na pele na gravidez ainda não é muito conhecida. Mas sabemos que há uma participação dos hormônios progesterona, estrogênio e melanotrófico (responsável pela liberação de melanina), que têm ação direta na pigmentação.

É mais comum as marcas surgirem a partir do fim do terceiro trimestre de gestação, quando o nível dessas substâncias se estabiliza. Também, nota-se a pigmentação durante a gravidez por meio do escurecimento da linha alba — uma linha vertical localizada no meio do abdômen, também conhecida por “linha nigra” — dos mamilos, dos grandes lábios vaginais, das axilas, da virilha e até pelas pintas espalhadas pelo corpo.

A melhor forma de prevenir o melasma nesse período é usar filtro solar diariamente. As manchas podem desaparecer com o tratamento correto, mas qualquer mínima exposição ao sol pode fazer a mancha reaparecer. Aplique-o a cada três horas e evite se expor ao sol das 10 h às 16 h. A proteção tópica dos filtros solares não é de 100%, e é indicada a utilização de outros meios, como sombrinhas, chapéus, viseiras, além de quando for à praia, sempre manter-se à sombra.

Dica: Cuidados no verão: o que uma grávida deve fazer durante essa temporada?

Quais são as dicas para tratar as manchas na pele na gravidez?

Meses após o parto, é provável que o escurecimento dos mamilos e da linha da barriga diminua ou desapareça por completo. Já o melasma pode persistir, mas não se preocupe! Existem tratamentos que suavizam o problema e, na maioria das vezes, podem ser combinados pelo dermatologista para melhores resultados. Veja!

1. Ácidos

Os ácidos mais usados são o glicólico, o retinoico (tretinoína), o adapaleno e o azelaico — único que, comprovadamente, pode ser usado no período da gestação e amamentação. São facilmente encontrados em farmácias na forma de creme, gel, loção ou sérum e geralmente são para uso noturno, devendo ser removidos pela manhã.

Têm a função de estimular a produção de colágeno e promover a renovação celular, além de facilitar a absorção de outros agentes clareadores pela pele. Devem ser receitados por um dermatologista, e é importante atentar à forma correta de uso para evitar irritações na pele e piora das manchas.

2. Clareadores

Na categoria dos ativos clareadores, encontram-se o arbutin, o ácido ascórbico (vitamina C), o ácido kojico, o melawhite, o skin whitening complex e a hidroquinona, o mais potente clareador do mercado.

Eles podem ser combinados aos ácidos para aplicação noturna na pele ou a produtos clareadores para aplicação diurna. Seu uso é o tratamento mais indicado para as manchas na pele na gravidez, e o único proibido durante este período é a hidroquinona.

A resposta ao tratamento com esses produtos é bem gradual e lenta. No entanto, alguns casos apresentam melhora significativa após um mês e outros precisam de até três meses para que os resultados sejam percebidos.

Veja o que você pode fazer pela saúde do seu bebê antes do seu nascimento. Clique no banner e confira!

3. Peeling

É o tratamento por meio de ácido, que causa escamação na pele (peeling químico) ou por uso de objetos abrasivos como cristais e lixas (peelings físicos). Pode ser superficial, médio ou profundo, e o que determina a intensidade do tratamento é a camada da pele atingida pela descamação.

Como o melasma é um quadro que pode ser piorado por irritação e inflamação na pele, não são recomendados os peelings mais agressivos, por mais que sejam superficiais. Eles até podem ser utilizados em alguns casos, mas desde que sejam recomendados pelo dermatologista e feitos com cautela.

São necessárias cinco sessões em média, com intervalos de cerca de 30 dias. Como a pele com melasma não deve ser submetida a irritações, os intervalos menores e procedimentos mais agressivos devem ser evitados para não piorar as manchas.

Os peelings químicos são contraindicados durante a gestação, sendo permitidos somente os físicos, como o de cristal, e é importante lembrar que nunca devem ser usados como tratamentos únicos para as manchas na pele na gravidez, e sim como coadjuvantes aos feitos com os ácidos e clareadores.

4. Lasers e Luzes

São tecnologias de uso controverso e um pouco mais recentes no tratamento do melasma. Nunca devem ser considerados como tratamento único, pois os Lasers Fracionados e a Luz Intensa Pulsada mostraram resultados desanimadores para este problema.

A maioria dos casos apresenta uma melhora inicial, seguida de uma piora, conhecida como efeito rebote. Na tentativa de evitá-lo, essas tecnologias devem ser sempre utilizadas com baixa intensidade e distribuídas em mais sessões.

No entanto, uma nova tecnologia que chegou recentemente ao Brasil apresenta resultados promissores e, em muitos casos, sem o risco de rebote. Trata-se de um equipamento chamado Q-switched Nd:YAG, que dispara raios em pulsos de nanossegundos, capazes de destruir a melanina sem gerar calor suficiente que cause agressão à pele ao redor — evitando a irritação e a inflamação que seriam responsáveis pela piora da mancha.

O tratamento, que é feito inicialmente em dez sessões semanais, ainda não representa a cura para o melasma, e sim resultados mais eficientes e duradouros que as outras técnicas existentes. Além disso, é bom lembrar que o uso de lasers ainda não é recomendado para gestantes, já que não existem estudos que comprovem os riscos para o feto.

Nunca faça tratamento ou use produtos para tratar as manchas na pele na gravidez sem o conhecimento do seu médico. Isso pode ser bem perigoso para você e o bebê que está por vir. Só o especialista saberá prescrever o tratamento mais indicado para o seu problema.

Clique no banner abaixo e conheça nossos planos de armazenamento!

E aí, gostou de saber sobre como tratar o melasma, que tanto incomoda as grávidas na gestação? Então, aproveite que está por aqui e leia agora mesmo sobre como lidar com os cosméticos na gestação!

Categorias: Curiosidades da gravidez , Gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.