Curiosidades da gravidez

16 dicas para o pai de primeira viagem ajudar na gestação

Embora a gravidez esteja diretamente ligada ao corpo da mulher, a experiência da gestação é compartilhada também com o futuro papai — mesmo sendo vivida de formas completamente diferentes pelos dois. Na maioria das vezes, porém, é o pai de primeira viagem que sente mais nervosismo durante esse processo por não saber como se comportar nesse período tão especial e, ao mesmo tempo, tão delicado para o casal.

Sentir esse nervosismo é um ponto positivo, pois indica que o futuro pai entende a importância de seu papel durante a gravidez da mulher e que está interessado em desempenhá-lo corretamente, com cuidado e atenção.

Além disso, a figura do pai na gestação e na criação do bebê tem sido cada vez mais presente, possibilitando um desenvolvimento psíquico e emocional saudável para a criança e estabelecendo vínculos afetivos importantes entre pai e filho.

Para ajudar nesse caminho, listamos 16 dicas que todo futuro papai deve saber sobre o período da gravidez. Confira!

1. Entenda a importância da figura do pai

Durante muitos anos, a maioria dos estudiosos da psique humana enfatizou a importância da mãe no desenvolvimento de uma criança. Nos tempos atuais, entretanto, existem diversos livros e artigos científicos que falam sobre a relevância da figura paterna para um recém-nascido.

Entender o seu papel como pai — e saber exatamente qual é a importância dele — é o primeiro passo para o homem que está “grávido”. Quando o filho ainda está na barriga da mamãe, você deve estar preparado para ser coadjuvante. Nesse período, a sua função é auxiliar a mulher, dando todo o apoio que ela precisa para enfrentar a gestação.

Dica: O que o tamanho do bebê pode indicar sobre sua saúde? Descubra agora!

Quando o bebê nasce, no entanto, o seu papel começa a receber mais destaque. Além de ajudar a sua parceira nas tarefas cotidianas — como você verá nos tópicos seguintes —, a sua presença terá um grande impacto no desenvolvimento e na vida adulta da criança.

Isso porque, durante os primeiros meses, o bebê se vê como parte da mãe. É como se não existisse outro mundo além dos dois. Nesse cenário, o pai é a primeira referência da criança fora desse eixo.

Quando o homem é presente, o filho começa a perceber que ele é um ser único e independente. Como consequência, a noção de mundo do pequeno é iniciada de forma mais segura, consciente e feliz.

Existem diversos estudos científicos que comprovam que as crianças que têm pais envolvidos em sua criação estão mais propensas a serem mais seguras e confiantes, o que facilita a sua integração na comunidade — até mesmo a escolar. A medida que envelhecem, a tendência é se tornarem adultos com melhores conexões sociais.

Além disso, um estudo feito pela Associação Americana de Psicologia comprovou que as memórias de uma boa relação com o pai estão relacionadas à capacidade que um adulto tem de enfrentar o estresse do dia a dia. Dessa forma, podemos afirmar que o homem desempenha um papel importantíssimo na manutenção da saúde mental dos filhos.

As consequências de uma boa relação, portanto, são bem amplas e sérias — afinal, elas podem ser percebidas até mesmo na idade adulta. Dessa forma, invista em uma boa relação com o seu filhote mesmo quando ele estiver na barriga da mãe. Faça carinho, dê atenção, converse e mostre-se presente (mesmo que ele ainda não perceba isso).

Clique no banner abaixo e entenda cada movimento do seu bebê!

2. Tire todas as suas dúvidas sobre a gestação

Entendendo a sua importância da sua figura como pai, o primeiro passo é procurar todas as informações possíveis sobre a gestação. A maioria dos navegantes de primeira viagem tentará buscar na memória resquícios das aulas de biologia do ensino médio mas, podem acreditar, a gravidez é muito mais complexa do que detalhes que sua lembrança pode oferecer.

Para sanar isso, faça pesquisas na internet, leia livros sobre o assunto, acompanhe sua mulher nas consultas, questione o médico sobre todas as suas dúvidas e peça explicação sobre cada exame pelo qual ela passará. Além de compreender melhor as dores e os sentimentos da sua mulher, ela se sentirá bem tendo sua companhia e vendo o seu interesse.

Aproveite para aprender mais sobre o momento de “dar a luz“, as formas possíveis e todas as etapas durante o trabalho de parto. Assim, você evita surpresas, se prepara corretamente para o grande momento e consegue dar todo o apoio necessário para sua parceira.

Uma dica é deixar o carro com a manutenção em dia para utilizá-lo na hora da urgência. Além disso, na medida em que se aproxima o grande dia, fique atento ao celular. A qualquer momento você pode receber uma chamada avisando que o trabalho de parto começou.

Dica: Entenda como é um parto normal passo a passo

3. Respeite as possíveis variações de humor da mulher

Um dos pontos positivos de estar por dentro da gestação é saber que o corpo da mulher passa por uma variação hormonal intensa. Esse quadro pode gerar mudanças de humor ou não. Por via das dúvidas, o futuro papai deve estar preparado para o caso de a mulher apresentar um temperamento atípico. Seja paciente, compreensivo e respeite o momento pelo qual ela está passando.

Mostre a sua parceira que você estará sempre ao seu lado, independentemente do humor. Lembre-se de jamais dizer que ela está exagerando. Isso pode ser o fim do mundo para uma mulher grávida, afinal, só ela sabe realmente o que está sentindo.

Nessa fase, recomenda-se que, mais do que nunca, você faça bastante elogios à sua mulher. Uma das consequências da variação hormonal e das mudanças corporais é a baixa na autoestima. Por isso, não hesite em elogiá-la, falar da sua beleza, suas habilidades, seus talentos e sobre o quanto você a admira. Mesmo que ela não acredite a princípio nos elogios, tenha certeza que eles farão toda a diferença.

4. Esteja preparado para as mudanças na vida sexual

Outra variação que acomete as mulheres está relacionada ao interesse sexual durante a gestação. Algumas não sofrem alterações, outras veem sua libido aumentar, e também existem as que perdem esse desejo. Para lidar bem com esse último caso é preciso ter em mente que você não é o responsável pela mudança e não deve se sentir menosprezado ou inseguro.

Após o parto, principalmente durante a quarentena, também é comum que o apetite sexual da sua esposa não esteja nas alturas. O corpo ainda está voltando ao normal, a rotina da casa está se reconfigurando e provavelmente já faz algumas noites que ela não está dormindo bem. Portanto, tenha calma! Deixe sua mulher confortável e mostre a ela que você a ama de qualquer forma. Após alguns dias, o apetite sexual tende a voltar ao normal.

Alguns hábitos e atitudes podem proporcionar uma experiência mais gostosa e segura durante a gestação. Confira no banner abaixo:

5. Ofereça mais suporte para a mamãe

Principalmente nos últimos meses de gravidez, a movimentação da mulher fica limitada, a barriga já começa a pesar, os pés ficam inchados e pequenas tarefas podem exigir grandes esforços. Isso faz com que atividades práticas do dia a dia tornem-se muito mais difíceis e cansativas.

Por isso, é importante que você preste atenção em situações como essas e esteja de prontidão para ajudá-la como puder, oferecendo conforto e tranquilidade, mostrando a ela que você pode cuidar da casa e resolver todas as questões que ela precisa.

O suporte deve manter-se no pós-parto. Você sabia que, logo depois que o bebê nasce, a mamãe entra em um período chamado puerpério? Nesse momento, a mulher passa por transformações físicas e emocionais intensas. Por isso, mantenha-se firme no apoio a sua esposa para tornar essa fase mais tranquila.

6. Fique por dentro dos cuidados essenciais com o bebê

Você sabe trocar a fralda de um bebê? Como segurar uma criança recém-nascida de maneira correta? Esses são apenas duas coisas que todo futuro papai deve se preocupar em aprender antes do final da gravidez.

Afinal, depois do nascimento, a mulher precisará de toda a assistência possível, especialmente nos primeiros dias de recuperação. Se você estiver preparado, tudo vai fluir muito melhor. Rapidinho você vai saber toso os detalhes sobre xixi, cocô, vômitos e outras coisas que aterrorizam os pais, principalmente os de primeira viagem!

Dica: 18 dicas básicas e essenciais para mamães de primeira viagem!

Estude, pergunte e aprenda também sobre a alimentação do bebê. Assim que a criança começa a se alimentar de outras coisas além do leite materno, é preciso garantir uma dieta saudável e nutritiva para o desenvolvimento da criança. Ao aprender quais são os alimentos certos e aqueles que devem ser evitados, você diminui as chances de dar uma comida que não deve para o seu filho quando estiver cuidando dele sozinho.

Além dessas atividades essenciais, outros conhecimentos vão entrando na sua vida aos poucos e de repente você saberá contar várias historinhas e cantar músicas infantis.

7. Saiba se comportar durante o parto

Chegou o momento pelo qual todos esperavam: o nascimento do seu filho. Nessa hora, calafrios e ansiedade são normais tanto para o pai quanto para mãe. O ideal, porém, é que você possa transmitir a maior segurança possível para sua companheira, por isso fique calmo — ela vai precisar da sua força mais do que nunca.

Cada mulher reage ao trabalho de parto de uma forma. Não há manual, por isso, seja solícito e esteja firme, controlando suas emoções exageradas na medida do possível.

Na hora do nascimento, o pai tem o direito de cortar o cordão umbilical e dar o primeiro banho no seu bebê, mas aqueles que quiserem fazer isso devem combinar previamente com a médica para não atrapalhar os procedimentos na sala de parto.

8. Ajude a mamãe nos cuidados noturnos

Depois de aprender os cuidados essenciais para cuidar do seu bebê, você deverá estar disposto a praticá-los a qualquer hora do dia, inclusive a noite. Por mais que você tenha trabalhado o dia todo e precise acordar bem cedinho, lembre-se de que sua esposa também precisa da sua ajuda quando o bebê acorda chorando durante a madrugada. Prepare-se, pois nos primeiros dias isso pode acontecer ainda com mais frequência.

Enquanto a criança estiver amamentando no peito da mãe, você pode levantar para ajudar a trocar fraldas caso necessite, ninar o bebê ou só para dar apoio a sua esposa, que provavelmente também não estará tendo suas melhores noites de sono. Quando seu filho já estiver usando a mamadeira, você poderá revezar com a mamãe a vez de cada um levantar durante a noite.

Por mais difícil que possa parecer, você logo se acostuma e percebe que consegue funcionar bem mesmo dormindo menos.

Dica: Como fazer a transição da amamentação para a alimentação da criança?

9. Saiba dividir a atenção com a sua mulher e com seu filho

Assim que sua esposa descobrir que está grávida você vai deixar de ser o centro das atenções na casa por algum tempo. Nesse momento, não sinta ciúmes e não pense que está sendo menosprezado. Durante a gravidez é ela quem precisa de atenção, cuidado e carinho. É a sua chance de retribuir tudo que ela já tenha feito por você!

A medida em que a barriga vai crescendo e logo quando o bebê nasce, aí é ele quem começa a brilhar na casa. Todos os olhos estão voltados para o recém-nascido. A mamãe só tem preocupações com seu filho, o restante da família só está interessado nele e toda a rotina e organização familiar gira em torno do pequeno. Não se assuste nem se sinta rejeitado. Aproveite o momento de extremo carinho e afeto e fique feliz por ter tanta gente e tanta atenção direcionada para seu filhinho!

Tenha em mente também que, principalmente nos primeiros meses, seu filho vai preferir o colo da mãe. Por causa da amamentação, do tempo que mulher e filho passam juntos e da importância do colo materno no desenvolvimento inicial da criança, esse processo é mais que natural. Mais uma vez, não precisa se sentir menos amado.

10. Divida as tarefas domésticas

Se você já ajuda e divide as tarefas domésticas com sua esposa, ótimo! Caso não faça isso, está na hora de começar a fazer. De acordo com sua disponibilidade e habilidades, execute as tarefas domésticas e seja mais proativo na hora de tomar as decisões referentes a organização da casa.

Além da realização das tarefas, fique atento também à preparação do ambiente para receber seu filho. Pesquise bastante e monte um espaço doméstico que seja seguro para o crescimento do bebê. Essas mudanças no lar não devem ser pensadas e executadas apenas pelas mães!

Confira abaixo um guia para te ajudar nas primeiras semanas de vida do seu bebê!

A organização familiar envolve, inclusive, a execução de um bom planejamento financeiro familiar para a chegada do bebê. Identifique as receitas e despesas da família, analise os números e planeje-se para receber seu filho com segurança e estabilidade financeira.

11. Ajuste a sua vida social

Depois que seu filho nascer sua vida social não será mais a mesma. Nos primeiros dias após o parto, os bares, happy hours e os finais de semana no futebol com os amigos precisarão ser readaptados. As viagens e horas extras no trabalho também deverão ser repensadas.

Isso tudo é momentâneo, mas essa readequação é importante para você acompanhar o crescimento do bebê e auxiliar sua esposa. Nesse período, eles deverão ser sua prioridade.

Não veja essas mudanças como sacrifício, mas como uma oportunidade única. Logo seu filho cresce, a rotina volta ao normal e você poderá se dedicar a suas coisas como antes.

12. Tenha paciência com a sua sogra

Sabemos que, infelizmente, não é todo homem que tem uma boa relação com a sogra. Se este é o seu caso, esteja preparado para conviver amigavelmente com ela, até mesmo por respeito a sua mulher.

Afinal, é comum que nessa etapa da vida a sua parceira queira a companhia da mãe. É com ela que a sua mulher tira dúvidas, troca experiências e se tranquiliza sobre o futuro.

Por isso, seja paciente e respeite essa relação. Se a convivência com a sua sogra for muito difícil, talvez esteja na hora de vocês sentarem e terem uma conversa séria. Quem sabe o futuro bebê não vem para unir a família e perdoar possíveis diferenças?

Dica: Como são os primeiros dias do bebê em casa?

13. Lembre a sua esposa de que ela não é só mãe

Passado os primeiros meses de vida do bebê, é importante que você ajude a mulher a se lembrar de que ela não é só mãe. Isso ocorre porque, nessa época, é comum que a sua parceira esteja completamente envolvida na criação do filho, esquecendo-se de si mesmo. Assim, ela acaba deixando de lado coisas que gostava de fazer antes.

Por isso, estimule-a a realizar atividades fora do universo do bebê — fazer uma atividade física, encontrar as amigas, sair para comer ou ir ao salão podem ser boas opções, dependendo de seus gostos pessoais. Para que ela consiga fazer isso, contudo, é importante que você assuma os cuidados com o bebê, como você verá no tópico seguinte.

14. Proporcione momentos de descanso para a recém mamãe

Complementando a dica anterior, é fundamental que você proporcione momentos de descanso para a mamãe após os primeiros meses de vida do bebê. Assim, tire um dia e fique responsável por realizar todas as tarefas cotidianas (dar mamadeira, trocar fralda, dar banho, limpar a casa etc.) no lugar dela.

Dependendo da sua rotina, uma dica bastante efetiva é fazer isso todos os dias, pelo menos por duas horas. Dessa forma, a mamãe pode dormir e recarregar as energias.

15. Não cometa esses erros de principiantes

Essa dica pode parecer meio impossível, afinal, você é um principiante nesse universo que é ser pai. No entanto, muitos homens não buscam informações, não cuidam emocionalmente de si mesmos, e acabam cometendo erros na hora de ajudar na criação do filho — o que não é o seu caso, certo?

Foi pensando nisso que separamos os principais equívocos cometidos pelos papais de primeira viagem. Confira!

Não cuidar de si mesmo

Esse erro é praticado tanto pelos papais quanto pelas mamães. Sabemos o quanto é trabalhoso cuidar de um bebê. Entretanto, tente não descuidar da alimentação, dos exercícios físicos e da rotina saudável. Nesse cenário, mulher e homem precisam se ajudar para encaixar pequenas mudanças no dia a dia. Se estiver muito difícil conciliar cuidados pessoais com o filho, considere pedir ajuda de uma pessoa de confiança.

Preparamos um material com todas as orientações que você precisa para que o seu bebê chegue em um ambiente familiar confortável, organizado e muito seguro. Confira!

Ser desesperado demais

É comum que os papais de primeira viagem se assustem com o choro dos bebês. No entanto, não fique desesperado e tenha em mente que chorar é normal! O resmungo pode significar uma série de coisas, como cansaço, agitação, fome ou desconforto.

Por isso, identifique as possíveis causas com calma e atenção. Às vezes, tudo o que o bebê quer é dar uma volta pela casa — nem sempre ele está com algum problema sério.

Isso não quer dizer, contudo, que você precise ser desatento em relação à saúde do pequeno. Em caso de choros constantes e ininterruptos (sem explicação aparente), converse com o pediatra da criança. Temos certeza que ele poderá ajudar vocês.

Adotar uma rotina rígida demais

É provável que você tenha lido na internet que os filhos sentem-se mais seguros quando seguem uma rotina bem estruturada. Mas isso não significa que você deva transformar a sua casa em um campo militar. Até os três meses, os bebês costumam acordar para mamar a cada duas ou três horas e dormem o restante do tempo. Nesse início, é comum que o sono, o apetite e até o humor dos pequenos estejam bastante desregulados.

Isso é normal. Aos poucos, você pode ir introduzindo uma rotina na vida da criança. No entanto, lembre-se de que a rigidez em excesso pode causar frustrações e infelicidade.

Fazer comparações

Conversar sobre a rotina de ser pai vai se tornar comum daqui para frente. Por isso, tenha em mente que as pessoas costumam exaltar as qualidades de seus filhos.

Nesse momento, não deixe que a conversa se transforme em uma “disputa” sobre qual criança é mais esperta. Tente não fazer comparações e não se preocupe se o filho do seu amigo já estiver andando enquanto o seu só engatinha. Cada bebê se desenvolve em um ritmo. Em caso de dúvidas,  procure um médico em vez de ouvir opiniões de leigos.

16. Seja participativo

Além dos cuidados básicos e das regrinhas principais para participar da gravidez e dos primeiros meses de vida da sua criança, você precisa ir além! É isso mesmo. Nada de exercer seu papel como se fosse uma tarefa prescrita. Um bom pai é aquele que é presente, proativo e atuante. Por isso, fique com seu bebê, dê carinho, brinque e divirta-se com esse momento, ele é único e especial.

Uma forma eficaz de ser atuante na criação da criança é assumindo algumas funções como suas. Por exemplo, você pode ser o responsável por colocar a criança para dormir todas as noites e dar o banho do bebê no fim da tarde.

Você vai ver que cuidar do bebê pode ser extremamente cansativo, mas é muito gratificante. Ao fim do dia você vai para a cama cansado, porém com um sorriso no rosto e a sensação de dever cumprido.

Enfim, mais do que seguir esses tópicos, você precisa se entregar a esse momento. Participar da gestação e do cuidado do seu filho é, mais do que uma forma de ajudar sua esposa, o melhor caminho para se aproximar do seu bebê e criar o vínculo que vai perdurar a vida inteira. Não se esqueça de que o amor paterno é fundamental para o desenvolvimento saudável da criança e da estruturação do lar.

Essas são as principais coisas que todo futuro papai deve saber sobre gravidez. Você acha que está preparado para a chegada do seu filho? Se você quer aprender mais, leia nosso post com 8 cuidados de primeiros socorros que todo pai de primeira viagem deve conhecer!

Tem alguma dúvida ou dica para acrescentar? Então, deixe um comentário!

Categorias: Curiosidades da gravidez , Gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.