Células-Tronco

Entenda como funciona o Programa Coleta Solidária CordVida

Ter um filho em tratamento de doenças graves, com a necessidade de receber um transplante de medula óssea é um drama em muitas famílias. Conseguir um doador não é fácil, especialmente quando não há irmãos compatíveis. Atualmente, no Brasil, cerca de 850 pacientes estão em busca de um doador não aparentado, segundo o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea. O banco de cadastro de doadores tem hoje mais de 4,6 milhões de inscritos, ainda assim, encontrar um doador compatível não é fácil.

O transplante de células-tronco retiradas do cordão umbilical é uma opção que amplia as possibilidades de tratamento para mais de 80 doenças, entre elas estão vários tipos de leucemia e outras enfermidades hematológicas, que têm no transplante de medula óssea uma das principais formas de tratamento. Por isso, fazer o armazenamento dessas células logo após o nascimento do bebê significa proporcionar mais uma opção de tratamento para seu filho e para outros membros da família, que também poderão se beneficiar dessas células.

Para ajudar famílias que estão em situações de emergência, que precisam de um doador compatível, mas que não contam com células-tronco armazenadas, foi criado o Programa Coleta Solidária CordVida. É sobre esse programa que vamos falar neste post. Explicaremos como funciona, quem pode participar e como é feita a coleta e o armazenamento das células-tronco retiradas do cordão umbilical. Acompanhe!

O que é o Programa Coleta Solidária Cordvida?

É um programa que faz a coleta e armazenamento de células-tronco do cordão umbilical sem custos para as famílias selecionadas. É oferecido a mulheres grávidas que já tenham um filho em tratamento de alguma doença oncológica que possa ser tratada com o transplante de medula óssea.

As células-tronco do cordão umbilical do seu bebê podem ser usadas para o tratamento de mais de 80 doenças. Saiba mais no banner abaixo:

Como participar do programa?

A inscrição no programa é feita por meio de um formulário disponibilizado no site da CordVida ou solicitado por telefone. Há três critérios fundamentais para a participação:

  • famílias com indicação médica de transplante de medula, por exemplo: leucemias e linfomas;
  • famílias que a mãe do paciente com indicação de transplante esteja grávida;
  • famílias que o bebê que vai nascer seja irmão do mesmo pai que o paciente.

A gestante pode estar em qualquer fase da gravidez, no entanto, quanto antes for feito o fluxo de atendimento, melhor. A partir do momento que a mulher grávida é aceita no programa, uma equipe da CordVida passa também a acompanhar a gestação, do pré-natal ao planejamento do parto, para programar a coleta do sangue do cordão umbilical do bebê.

Dica: Os diferenciais da CordVida: como eles podem impactar a saúde das famílias?

Como é feita a coleta das células-tronco nesse programa?

Os procedimentos de coleta das células-tronco do cordão umbilical para as gestantes que participam do programa são os mesmos realizados nas famílias que contratam os nossos serviços.

Um profissional treinado pela CordVida vai acompanhar o parto, seja normal ou cesárea, para fazer a coleta do sangue assim que o cordão for cortado. O médico obstetra da gestante também pode fazer essa coleta caso participe do Programa Médico Coletor da CordVida, pois já estará devidamente treinado e atualizado.

Após a coleta, as células-tronco são processadas e armazenadas no laboratório da CordVida, tornando-se então disponíveis para o tratamento do irmão mais velho, assim que for agendado o transplante.

É importante dizer que esse procedimento da coleta é seguro e indolor para mãe e para o bebê que acabou de chegar. A coleta só é realizada após o corte do cordão umbilical e após a entrega do bebê para os cuidados do pediatra.

No banner abaixo descubra porque a célula-tronco do cordão umbilical é um material tão valioso para a saúde do seu bebê.

Há algum transplante realizado pelo Programa Coleta Solidária?

Atualmente, existem 80 famílias sendo atendidas pelo programa e destas famílias, três já utilizaram as unidades armazenadas na CordVida em transplantes. As demais, aguardam os protocolos dos centros transplantadores envolvidos.

A compatibilidade do bebê com o irmão que precisa do transplante é garantida?

A compatibilidade está relacionada à herança genética. Irmãos que sejam filhos de mesmo pai e mesma mãe têm uma chance de 25% de ter uma compatibilidade total entre eles e 50% de ter compatibilidade parcial. Para a realização do transplante de medula óssea é indicado que haja uma compatibilidade de 100% ou de ao menos 90% entre o doador e o receptor, para reduzir os riscos de rejeição do transplante pelo receptor.

Embora não haja garantia de compatibilidade entre os irmãos, as chances de sucesso são bem maiores que a de encontrar um doador compatível fora da família, em bancos de doadores nacionais ou internacionais.

Por que esse programa é referência?

O Programa Coleta Solidária CordVida segue os mesmos critérios de segurança, qualidade e ética que aplicamos a todos que contratam os nossos serviços. Ao oferecermos esse auxílio para gestantes que estão em um momento delicado com um filho em tratamento, reafirmamos nosso compromisso em cuidar das pessoas. Nosso principal objetivo com esse programa social é lutar pela vida, ao lado dessas famílias.

As gestantes que atendemos nesse programa têm acesso a todo o profissionalismo de nossa equipe, que a acolhe e acompanha nesse momento delicado. Disponibilizamos toda a nossa infraestrutura, com nossos equipamentos de última geração para todas as fases do procedimento, incluindo: a coleta, o processamento, armazenamento das células-tronco e o envio das células para o centro transplantador. Nosso objetivo é disponibilizar o maior número de células-tronco viáveis possível para serem usadas no tratamento de seus filhos.

Quando os pais optam por armazenar as células-tronco do cordão umbilical de seus bebês, estão oferecendo à família, mais uma opção terapêutica, caso venham a precisar de um transplante de medula. Exatamente como ocorre com as crianças filhas das gestantes que atendemos no Programa Coleta Solidária da CordVida.

Além dos transplantes de medula, as células-tronco do cordão estão sendo estudadas em diversos centros de pesquisa ao redor do mundo para o tratamento de doenças comuns, como: autismo, Alzheimer e paralisia cerebral. São novas possibilidades de tratamento que reforçam ainda mais o nosso propósito de ajudar as famílias.

Ainda com dúvidas sobre como se candidatar ao Programa Coleta Solidária CordVida? Entre em contato conosco e fale com nossa equipe!

Categorias: Células-Tronco , CordVida , Gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Aline Miranda de Souza

    Dra. Aline Miranda de Souza

    (CRM 129951/SP)
    Graduação em Medicina – Universidade São Francisco, 2007;
    Residência em Hematologia e Hemoterapia na FMUSP com aprimoramento em transplante de medula óssea;
    Residência em Clínica Médica no Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo;
    MBA Adm. Hospitalar – Centro Univ. S. Camilo.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.