Curiosidades da gravidez

Grávidas e animais de estimação: 6 cuidados para manter a amizade com seu amigo

Muitos casais que têm bicho de estimação ficam apreensivos com o contato da gestante com o animalzinho, pensando em riscos que essa relação pode trazer para a saúde da futura mamãe e do bebê, durante a gestação e após o nascimento do pequeno. Existem alguns cuidados necessários para grávidas e animais de estimação.

A verdade é que, apesar de realmente serem necessários alguns cuidados extras nesse período, ter um pet traz inúmeros benefícios para a mãe e a criança. Portanto, você pode ficar tranquila, que não será preciso se separar do seu amigo, e ele pode acabar sendo ainda mais companheiro nessa nova etapa da vida.

No nosso artigo de hoje, vamos falar sobre os benefícios da relação entre grávidas e animais de estimação. Além disso, vamos apontar alguns cuidados que a mulher deve ter ao lidar com os bichinhos, para evitar contaminações e alergias. Boa leitura!

Quais são os benefícios dos pets para as grávidas?

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Liverpool, na Inglaterra, com mais de 11 mil mulheres grávidas entre a 18ª e a 32ª semana de gestação, apontou que as gestantes que tinham um cachorro apresentaram 50% mais chances de fazer caminhada rápida que as grávidas que não tinham um amigo canino.

Ao saírem para passear com seus cães, as gestantes acabavam realizando os 30 minutos diários de atividades físicas recomendadas.

Dica: 7 dúvidas que podem surgir para a sua primeira consulta ao obstetra

A caminhada é uma atividade de baixo impacto, indicada tanto para as mulheres que já têm o hábito de se exercitar, quanto para as gestantes mais sedentárias.

Desde que liberada pelo obstetra, a caminhada contribui para uma gravidez mais saudável, trazendo benefícios físicos e mentais para a gestante, tais como:

  • controla o peso — o ganho excessivo de peso durante a gestação é fator de risco para outras doenças, como a hipertensão e a diabetes gestacional;
  • melhora o sistema cardiovascular;
  • evita o inchaço das pernas;
  • melhora o equilíbrio ao fortalecer a musculatura de sustentação, em especial, quadris e pernas;
  • reduz a ansiedade natural desse período, por ser um momento de lazer e descontração ao ar livre.

Benefícios emocionais

Os cachorros têm um olfato apurado e percebem as mudanças hormonais da dona pelo cheiro. É comum que eles fiquem mais próximos à gestante, estabelecendo um laço afetivo intenso. Você vai notar que seu cachorrinho chegará com mais cuidado até você, sendo que muitos até evitam pular em suas donas.

Outro benefício emocional inegável é o bom humor que os animais de estimação despertam. Com a sensibilidade da gravidez, as brincadeiras e festas com o bichinho acalentam ainda mais o coração da futura mamãe.

Quais os benefícios dos animais de estimação para o bebê?

Pesquisas realizadas em diferentes partes do mundo têm demonstrado que, ao contrário da crença popular, o convívio dos bebês com animais de estimação — gatos e cachorros, principalmente — reduz os riscos de as crianças desenvolverem asma e outras doenças respiratórias.

É o caso de um estudo norte-americano que acompanhou 442 pessoas do nascimento até os 7 anos de idade. Constatou-se que as crianças que conviveram com gatos desde bebês apresentaram menos propensão à asma, ainda que vivessem em ambientes altamente poluídos (grandes metrópoles) e tendo ao menos um dos pais com a doença.

A explicação é que as partículas potencialmente alergênicas, liberadas pelos gatos no ambiente, estimularam o sistema imunológico das crianças, deixando-as mais resistentes.

Tenha uma gravidez mais saudável com nosso guia gratuito. Confira no banner abaixo:

O fortalecimento da imunidade também é a chave de pesquisa feita na Finlândia, pelo Hospital Universitário de Kuopi. Foi demonstrado que bebês que conviveram com cães e gatos no primeiro ano de vida tiveram menos otite, infecções e problemas respiratórios e usaram menos antibióticos que as demais.

Quais cuidados as grávidas devem ter com os bichos de estimação?

Apesar de todos os benefícios que os pets trazem, alguns cuidados no manejo deles durante a gestação são importantes, pois eles podem carregar bactérias e micro-organismos potencialmente nocivos à mamãe e ao bebê em desenvolvimento.

1. Evite limpar a caixa de areia dos gatos

Os gatos são os hospedeiros de um protozoário que pode causar a toxoplasmose, uma doença grave quando o primeiro contato ocorre durante a gravidez — nesses casos, o risco de ela passar para o feto é de 50%, levando a malformações, cegueira no bebê e até mesmo aborto, entre outras complicações.

O perigo está nas fezes do bichano, por isso, o ideal é que, durante a gestação, você delegue a limpeza da caixa de areia para outra pessoa. Se for necessário que você mesma a limpe, use sempre luvas e lave bem as mãos com água e sabão após o trabalho.

Não deixe as fezes do gato expostas por muito tempo, pois elas ressecam e soltam partículas que podem ser inaladas.

Por mais que você goste de gatos, evite tocar em animais desconhecidos.

Dica: Vacinas para gestantes: quais devo tomar?

2. Não toque em hamsters

Se você tem um hamster, o melhor é evitar o contato com o bichinho durante a gravidez, já que ele pode estar contaminado com um vírus chamado Lymphocytic choriomeningitis, que pode causar defeitos congênitos no bebê.

A contaminação se dá pela urina, sangue ou saliva do roedor. Assim, a limpeza da gaiola deve ser feita por outra pessoa.

3. Mantenha a casa limpa e arejada

Cães, gatos, aves e tartarugas podem carregar bactérias que causam infecções alimentares — salmonela e E. coli são as mais comuns.

Por mais que essas bactérias dificilmente cheguem até o bebê, seus sintomas — diarreia, febre alta, vômitos e desidratação — são potencialmente graves para as gestantes e podem provocar partos prematuros e abortos.

Por isso, é importante manter a casa e o ambiente frequentado pelos animais de estimação sempre bem higienizados, para evitar riscos.

4. Cuidados com os passeios com cães de grande porte

Se seu cachorro é de grande porte ou tem o hábito de dar fortes puxões durante os passeios, é bom ter cuidado. A partir do segundo trimestre da gravidez, seu equilíbrio naturalmente ficará comprometido, devido ao crescimento da barriga, que fará com que você se incline para frente. Assim, há mais riscos de quedas.

Se você não consegue controlar bem o cachorro, leve uma companhia. Fique atenta também aos pulos do bichinho, para evitar trancos na sua barriga e desequilíbrios.

5. Mantenha as vacinas e higiene do pet em dia

Animais de estimação vacinados e bem cuidados não representam nenhum risco à saúde da gestante ou do bebê.

Manter as vacinas, banho e tosa em dia vai garantir o bem-estar do seu amigo e deixar a casa livre de bactérias, vírus e outros agentes que poderiam trazer riscos.

Tenha uma gravidez mais saudável com nosso guia gratuito. Confira no banner abaixo:

6. Inclua o animal de estimação na preparação para a chegada do bebê

É certo que, quando o bebê chegar, você terá menos tempo para se dedicar ao bicho de estimação. Para evitar problemas com marcações de território e sentimento de abandono, inclua o pet nos preparativos.

Deixe que ele cheire as roupinhas e o pezinho do bebê, para que se acostume com o cheiro do novo membro da família. Dar um petisco como recompensa a cada vez que ele interagir de forma positiva com o bebê também é uma forma de incentivar a amizade entre os dois.

Viu como a relação entre grávidas e animais de estimação pode ser saudável? Compartilhe essas informações com seus amigos em suas redes sociais!

Categorias: Curiosidades da gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.