Curiosidades da gravidez

Mito ou verdade: afinal, é possível engravidar durante a gravidez?

Você conhece alguém que tenha engravidado durante a gravidez? Já ouviu falar de bebês gêmeos que nasceram com idades gestacionais diferentes? Ou de mulheres que tiveram dois partos com apenas algumas semanas de diferença?

É bem provável que tudo isso pareça impossível e você nunca tenha ouvido qualquer relato semelhante. Mas a verdade é que isso já aconteceu algumas vezes durante a história da humanidade devido a um fenômeno chamado de superfetação.

Quer entender mais sobre a superfetação e descobrir o que faz com que uma mulher tenha uma nova ovulação durante a gravidez? É só continuar lendo o nosso post!

O que é superfetação?

Superfetação é o nome dado ao fenômeno no qual há uma gestação de dois (ou mais) fetos se desenvolvendo ao mesmo tempo, mas em estágios de desenvolvimento diferentes.

A superfetação é rara?

Extremamente rara! Em toda a literatura médica, só são encontrados 10 relatos de caso de superfetação comprovadas por avaliação médica após o nascimento ou, nos casos mais recentes, por avaliação ultrassonográfica no início da gestação.

Embora todos os médicos e cientistas concordem que a superfetação é rara em humanos, muita gente acredita que este número de 10 casos está abaixo da realidade devido à falta de acesso das gestantes pelo mundo à exames de imagem no início da gravidez. Ou seja, muitos gêmeos dizigóticos que nascem por aí na verdade seriam casos de superfetação não notificados.

Dica: Gravidez de gêmeos: 9 cuidados que a mãe deve ter na gestação

Apesar disso, outras pessoas acreditam justamente no contrário: que desses 10 relatos, só se pode considerar um fenômeno de superfetação real aqueles que foram comprovados pelo ultrassom e por outros exames de sangue ou imagem após o nascimento dos bebês. Uma mera avaliação do tamanho e do peso dos bebês não seria suficiente para comprovar que a idade gestacional era diferente, considerando que em muitas gravidezes gemelares há um desequilíbrio no desenvolvimento fetal durante a gravidez.

Mas qual a chance da superfetação ocorrer?

Considerando que, dentre os bilhões de gestações que ocorreram em todo o mundo nos últimos séculos, existem apenas 10 relatos de superfetação, a chance desse fenômeno ocorrer é bem próxima de zero.

Por que esse evento é tão raro?

Porque a forma como o corpo humano funciona e se reproduz possui diversos mecanismos que impedem a superfetação.

Do ponto de vista biológico, o corpo da mulher deve concentrar sua energia em gerar um único feto saudável e garantir seu nascimento e crescimento. Assim, o objetivo não é engravidar centenas de vezes e torcer para que os bebês mais fortes consigam sobreviver até idade adulta, mas ter uma única criança por vez para que toda a família possa garantir a sua sobrevivência.

Apesar dessa lógica parecer óbvia, nem todas as espécies na natureza seguem esse princípio. A superfetação já foi observada, por exemplo, em texugos, panteras, búfalos, lebres e cangurus mas parece estar presente em diversos outros animais.

Clique no banner abaixo, confira informações sobre a gestação de gêmeos e prepare-se para a chegada dos seus dois bebês.

Quais mecanismos impedem a superfetação na mulher?

Uma vez que a fecundação ocorre, o corpo da mulher inicia uma produção hormonal típica da gestação, com grandes quantidades de progesterona, estrogênio e gonadotrofina coriônica humana sendo liberadas pelo ovário.

Essa alta carga hormonal, inibe o eixo ovulatório controlado pelos hormônios folículo estimulante (FSH) e luteinizante (LH), impedindo a ovulação por um processo chamado de biofeedback negativo. Sem FSH e sem LH, não tem como a ovulação ocorrer e a mulher fica sem menstruar durante toda a gravidez.

Para proteger o feto do meio exterior, o colo do útero produz um tampão mucoso que impede a passagem de microorganismos, sujeira ou espermatozoides. Assim, mesmo após a relação sexual, os espermatozoides do sêmen não conseguem alcançar o útero ou as tubas uterinas durante a gravidez, o que impediria a fecundação de um segundo óvulo.

Dica: O que muda no emocional de uma mulher durante a gravidez?

Além disso, as alterações hormonais da gravidez, também fazem com que o endométrio, a camada mais interna do útero, fique diferente e dificulte a implantação de um novo embrião. Como o espaço livre dentro do útero também fica menor, a chance de uma nova implantação ocorrer se reduz ainda mais. Tudo isso faz com que, mesmo que a ovulação e a fecundação ocorram, a nova gravidez não progrida.

Como a superfetação ocorreria em humanos?

Basicamente, todos os processos que impedem a ovulação, a fecundação e a implantação de um segundo feto, devem falhar ao mesmo tempo para que a superfetação ocorra, o que explica porque esse evento é extremamente raro.

Mulheres que apresentam anomalias na anatomia uterina, como dois úteros (útero didelfo), no entanto, teriam uma chance maior de terem uma gravidez com superfetação, já que a má comunicação entre as duas partes do útero faria com que eles se comportassem de forma independente.

Alterações artificiais no ciclo hormonal feitas durante tratamentos de infertilidade e reprodução assistida, também parecem aumentar a chance do fenômeno ocorrer, embora mesmo assim a chance seja extremamente pequena.

Mas qual a diferença de idade gestacional entre os dois bebês?

Nos casos relatados, a diferença no desenvolvimento dos bebês em superfetação não era muito grande, variando entre 2 semanas a 2 meses.

Acredita-se que, mesmo se uma nova ovulação e fecundação ocorrer no segundo ou terceiro trimestre de uma gestação, não é possível que esse segundo embrião continue o seu desenvolvimento devido à falta de espaço para implantação, já que o bebê, a bolsa amniótica, a placenta e o cordão umbilical ocupam todo o espaço uterino.

Clique no banner e acompanhe o dia-a-dia de uma das fases mais importantes da sua vida!

Quais os riscos da superfetação?

Como o espaço dentro do útero é limitado, a chance de uma segunda gestação se implantar nas tubas, no colo uterino ou mesmo na cavidade abdominal é maior, caracterizando uma gravidez ectópica que não irá conseguir progredir até o parto.

Se a implantação ocorre corretamente e a gravidez segue o seu curso habitual, o maior risco é a prematuridade de um dos bebês, já que uma vez que a mulher entra em trabalho de parto, não é possível impedir o parto do segundo bebê. A solução, muitas vezes, é realizar uma cesariana eletiva marcada para uma época em que os dois bebês já estão suficientemente desenvolvidos e preparados para o nascimento, mesmo que o bebê mais prematuro tenha que receber cuidados especiais.

Dica: Descolamento prematuro de placenta: saiba mais sobre o assunto

O que fazer para evitar uma ovulação durante a gravidez?

Como a ovulação durante a gravidez é um evento acidental e extremamente raro, não é necessário que a mulher fique ansiosa com essa possibilidade ou faça qualquer tipo de medida preventiva.

Caso a ovulação extra resulte em um segundo embrião, a gestação irá cursar como qualquer outra gravidez gemelar, mas deverá ter um planejamento extra no momento do parto.

Gostou do nosso post sobre ovulação durante a gravidez e superfetação? Siga nossas páginas nas redes sociais e continue de olho nas postagens do blog!

Categorias: Curiosidades da gravidez

Tags: ,

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.