Gravidez

Vacina da gripe para gestantes: esclareça suas dúvidas agora!

Talvez você, em algum momento, já deve ter se questionado: “será que posso tomar a vacina da gripe mesmo grávida?”. Essa é, realmente, uma dúvida recorrente nos consultórios de obstetras.

Afinal, a gravidez é uma fase que requer mais cuidados por parte da mulher e nem tudo é permitido para que não afete ela e o bebê. Contudo, há também a preocupação em se prevenir de doenças que têm a possibilidade colocar a vida dos dois em risco.

vacinas que são altamente recomendadas às grávidas, enquanto outras devem ser evitadas. Mas como fica a vacina da gripe? Confira o post que preparamos sobre o assunto e esclareça suas dúvidas!

Afinal, posso tomar a vacina da gripe enquanto estiver grávida?

Sim. A vacina da gripe faz parte do time das aconselhadas às mulheres nesse período para que mantenham seu sistema imunológico forte. As vacinas são feitas com partes dos vírus ou bactérias mortos ou enfraquecidos. Quando as substâncias penetram no organismo provocam a formação de anticorpos.

Se a pessoa, depois disso, entrar em contato com os vírus e bactérias reais, já estará com o seu sistema imunológico pronto para combatê-los, o que a impede, ou no mínimo diminui bastante, o contágio.

Dica: Vacinas para gestantes: quais devo tomar?

Existe um melhor período da gestação para tomar a vacina?

Neste ponto não há um consenso. Alguns especialistas afirmam que a vacina pode ser tomada em qualquer fase da gravidez, a partir do primeiro dia da descoberta. Eles dizem que quanto antes, melhor e que mesmo no começo não há riscos para o bebê.

Já há alguns que aconselham esperar a partir do segundo trimestre da gestação, pois nos primeiros 3 meses a mulher tem mais riscos de perder o bebê ou concebê-lo com má-formação. A dica então é confiar no que o seu obstetra recomenda, pois cada caso é único.

Quais as maiores vantagens que eu tenho se resolver tomar a vacina da gripe?

A gravidez, pela grande alteração hormonal, pode deixar o sistema imunológico da mulher mais enfraquecido, o que a torna mais suscetível a contrair doenças e infecções. Se a mãe fica doente, poderá ainda prejudicar o bebê, que pode nascer prematuro ou ter dificuldades para se desenvolver sadio.

Quando a mulher se imuniza, todos esses riscos ficam realmente baixos. Além disso, pesquisas afirmam que os anticorpos que ela adquire são passados para o bebê por meio da placenta. De acordo com uma pesquisa com gestantes da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, o fato de se vacinarem diminuiu em 64% a chance de bebês pegarem gripe e em até 70% os riscos de infecções durantes os 6 primeiros meses de vida.

Prepare-se para uma gestação tranquila e saudável. Confira no banner abaixo:

Há contraindicações para essa vacina?

Para a maioria das pessoas é uma vacina segura. Porém, alguns especialistas recomendam cautela se a mulher tiver forte alergia ao ovo. E, assim como outras vacinas, no dia em que ocorrer a imunização, a pessoa não deve estar com febre ou outra doença que a deixe debilitada. De qualquer forma, pedir orientação ao profissional que lhe acompanha nunca é demais.

Há diferença entre as vacinas nos postos de saúde e nas clínicas particulares?

A rede pública oferece a vacina trivalente, a qual imuniza a pessoa contra 3 tipos de vírus: o H1N1 (da influenza A), o H3N2 (da influenza A) e o da linhagem Yamagata (da influenza B). Ela é gratuita e as gestantes têm o direito prioritário.

As clínicas particulares disponibilizam a tetravalente, que combate contra 4 vírus, que além dos 3 citados acima, inclui o da linhagem Victoria (da influenza B). O valor pode variar de R$100,00 a R$200,00, pois dependerá do estado e do tipo de laboratório que a produz.

As diferenças mais básicas entre os tipos de influenza A e B é que a do tipo A costuma causar sintomas mais intensos e tende a se espalhar com mais rapidez, podendo gerar epidemias. Já a do tipo B é aquela gripe mais comum, que as pessoas costumam ter ao longo da vida.

Essas vacinas têm efeitos colaterais?

Não há muitos efeitos colaterais. Os mais comuns são dor e inflamação no local da aplicação. Os mais raros são: dor de cabeça, dores musculares, náuseas e febre.

Se eu já tiver tomado a vacina da gripe antes da gravidez, preciso tomar de novo?

O recomendado é que se tome a vacina uma vez por ano. Isso porque os vírus das gripes apresentam grande capacidade de mutação. Eles vão se modificando de tempo em tempo, tornando-se mais resistentes aos anticorpos. Assim, a cada ano as vacinas são inovadas, procurando garantir que os vírus possam ser combatidos por elas.

O que acontece se eu não quiser tomar?

A escolha é de cada pessoa. Mas como dito, na gestação a mulher tende a ficar com o sistema imunológico mais frágil. Além disso, os sintomas da manifestação de uma doença costumam ser mais fortes.

Somando a isso, ainda tem o fato de que muitas medicações nessa época não são recomendas, para não afetar o desenvolvimento do bebê ou provocar a má-formação. E em casos de febre alta da grávida, há risco de prejudicar o bebê e o seu tubo neural. Para finalizar, há ocorrências mais complicadas de H1N1 que já levaram algumas pessoas a óbito.

Dica: Vacinas para gestantes: o que fazer diante da febre amarela?

Por que algumas vacinas são liberadas e outras proibidas para a gestante?

Nem todas as vacinas são produzidas da mesma forma. Algumas são feitas do vírus inativo, outras com o vírus vivo. Independentemente dessa diferença, nenhuma tem a capacidade de produzir a doença. Porém, não é aconselhável às grávidas que tomem as que contêm o vírus vivo, como contra pólio, BCG , tríplice viral e febre amarela.

E como anda a sua carteira de vacinação e os seus exames pré-natais? Deixe tudo em dia para se prevenir e proteger o seu bebê. Uma gestante que se cuida bem apresenta maiores chances de ter um parto saudável e um bebê forte.

Se você gostou deste artigo explicando a importância da vacina da gripe, compartilhe-o nas suas redes sociais para que outras gestantes saibam a importância de se manterem imunizadas.

Categorias: Gravidez , Saúde na gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.