Gravidez

Você sabe o que é exterogestação? Descubra tudo aqui!

Ainda pouco conhecida pelas mamães brasileiras, a teoria da exterogestação determina que a gravidez humana deve durar além dos 9 meses do bebê dentro da barriga, se prolongando por, pelo menos, mais 3 meses após o parto.

Apesar de parecer loucura em um primeiro momento, todo esse conceito tem respaldo científico. Ele foi criado por um antropólogo após a observação do desenvolvimento fetal em diversas espécies de animais. Basicamente, o que esse profissional defende é que esse período de transição é essencial para que o bebê humano se adapte completamente à vida extrauterina.

Quer entender melhor o que é exterogestação, como ela pode ser feita e quais as suas vantagens? Então continue a leitura!

O que é exterogestação?

Baseado no prefixo extero- que significa “fora” ou “externo”, o termo exterogestação é utilizado para descrever um período gestacional realizado fora do útero, após o parto do bebê. Nessa fase, os pais devem tentar recriar o ambiente uterino fora do corpo da mulher para aumentar o conforto da criança. Outro objetivo é, claro, permitir que seu desenvolvimento continue ocorrendo de forma apropriada.

Dica: 18 dicas básicas e essenciais para mamães de primeira viagem!

De onde surgiu essa ideia?

O termo exterogestação foi inventado no século passado pelo antropólogo Ashley Montagu, que afirmou que os primeiros meses após o parto eram essenciais para que o bebê continuasse seu desenvolvimento. Montagu chamou atenção para o fato de que, com a evolução humana para a marcha bípede (sobre duas patas), o osso da bacia feminina ficou mais estreito e os bebês passaram a nascer cada vez mais “prematuros”.

Comparados a outros filhotes de mamíferos, os bebês humanos são muito mais dependentes dos cuidados materno e paterno para a sobrevivência. Seu desenvolvimento é lento até conquistarem a capacidade de se locomoverem e se alimentarem sozinhos ou, pelo menos, conseguirem manter um padrão de sono e alimentação mais semelhante ao de um adulto.

Baseado nisso, Montagu defendeu a ideia de que os primeiros meses de vida do bebê, na verdade, poderiam ser considerados parte da gestação — exceto pelo fato de que ocorreria fora do útero.

Para te deixar mais tranquila sobre os movimentos do bebê, nós produzimos este guia que irá te ajudar neste momento tão especial. Clique no banner abaixo e confira!

Como o bebê reage fora do útero?

Dentro do útero, a criança tem um suprimento contínuo de alimento, nunca sente sede ou fome, se mantém aquecida e limpa e consegue dormir sem luzes ou barulhos altos provocando sustos frequentes. Além do mais, ela tem contato integral com a mãe.

Uma vez do lado de fora do útero, toda essa sensação de segurança acaba. A partir do parto, o bebê sente frio e fome, precisa receber banhos e fraldas novas para se manter limpo e acaba passando várias horas do dia sozinho, sem a presença reconfortante da mãe.

Agora, ele precisa chorar para comunicar suas necessidades e chamar a atenção dos adultos ao seu redor, que garantem a sua sobrevivência ao mesmo tempo que geram barulhos e estímulos muitas vezes desconfortáveis para o bebê. Dessa forma, a transição da vida uterina para a vida no mundo exterior é um momento de muito estresse e insegurança para a criança.

Dica: Brincadeiras para estimular o desenvolvimento do bebê

Quais as vantagens da exterogestação?

A grande vantagem da exterogestação é tornar a transição da gravidez para a vida do lactente mais tranquila — tanto para o bebê quanto para a mãe —, reduzindo o estresse da fase de recém-nascido e ajudando a aliviar as terríveis cólicas. Além disso, a técnica reforça a criação de um laço emocional forte entre o bebê e os pais e pode ter um impacto positivo em aspectos físicos e psicológicos da criança em médio e longo prazo.

A intenção da exterogestação não é recriar completamente o ambiente uterino fora do corpo da mãe — até porque isso seria impossível. No entanto, dentro das possibilidades reais, o ambiente uterino pode ser simulado em alguns momentos para que a criança passe por esse período de transição com mais segurança e os pais tenham mais tempo para se adaptar aos cuidados que são demandados.

Como isso é feito na prática?

É possível seguir os ensinamentos da teoria da exterogestação em diversos momentos da rotina do bebê. A seguir, veja alguns exemplos:

Iluminação

Como dentro do útero não existe uma fonte de luz, após o nascimento do bebê os ambientes devem ser mantidos com luz baixa na maior parte do tempo. Além de não agredir os olhos da criança, isso pode deixá-la mais calma.

Clique no banner e confira o guia para te ajudar nas primeiras semanas de vida do seu bebê!

Sono

Nas primeiras semanas após o nascimento, dormir é a principal atividade realizada pela criança, embora não haja um padrão ou ritmo determinado. A exterogestação defende que é importante respeitar essa falta de horários e permitir que o bebê durma sempre que quiser, em um ambiente tranquilo e de baixa luz, com a presença dos pais por perto.

Há, inclusive, quem defenda que o bebê durma na cama com os pais durante os primeiros meses para aumentar o contato com a mãe. Este fato é bastante controverso, na medida que está comprovado por pesquisas, que o recém nascido não deve dormir na cama com os pais pelo risco de sufocamento do bebê (ao dormir, os pais podem rolar sobre o este acidentalmente).

Alimentação

aleitamento materno exclusivo em livre demanda simula a conexão do bebê com a mãe por meio do cordão umbilical, que lhe fornecia uma fonte constante de nutrientes dia e noite. Da mesma forma, o seio materno se torna essa fonte após o nascimento até que o bebê entre em uma rotina alimentar que permita mamadas programadas e mais espaçadas.

Dica: Como aumentar a produção e a qualidade do leite materno?

Toque

O tato é um dos primeiros sentidos desenvolvidos pelo bebê e deve ser estimulado o máximo possível com beijos, carinhos, abraços, massagens e aconchegos. Por meio desse contato constante, a criança consegue sentir o coração dos pais batendo e se manter aquecida, o que traz segurança e tranquilidade.

Ruídos

Dentro do corpo materno, havia uma série de sons repetitivos e rítmicos que indicavam a presença da mãe. Após o nascimentomúsicas suaves e similares aos que ele já estava acostumado agradam o bebê e oferecem uma nova fonte de estímulo.

Transporte

O ideal é que o bebê recém-nascido seja transportado bem coladinho à mãe com o uso do sling. Dessa forma, o bebê se movimenta junto com ela ao longo do dia e consegue ouvir sua voz e seus batimentos cardíacos o tempo todo, como se ainda estivesse dentro do útero.

Quando isso não for possível, recomenda-se que o bebê seja enrolado em mantas de forma a limitar seus movimentos e simular o aconchego do ambiente uterino.

Banho

Para simular o ambiente uterino durante o banho, é indicada a realização do banho de ofurô ou banho de balde. Naquele espaço apertadinho, cercado de água morna, a criança experimenta as mesmas sensações que tinha quando estava dentro da bolsa amniótica.

Gostou de saber um pouco mais sobre a técnica da exterogestação? Para continuar por dentro de tudo sobre o mundo das gestantes, siga-nos nas redes sociais — InstagramTwitterFacebook e Youtube — e confira todas as postagens do blog!

Categorias: Gravidez , Saúde na gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.