Gravidez

Conheça os sintomas mais comuns no fim da gravidez

As últimas semanas da gestação são marcadas por muita ansiedade e a finalização dos preparativos para a tão esperada chegada do bebê. Possivelmente, nesse período, suas consultas ao obstetra serão mais frequentes — se você ainda não escolheu um pediatra para acompanhar o seu bebê, aproveite esse momento para pedir indicações.

Muitos planos de saúde oferecem uma consulta da gestante com um pediatra para esclarecer dúvidas sobre os primeiros dias do bebê. Então, se você tiver essa opção, não deixe de aproveitá-la!

No último mês da gravidez, alguns desconfortos se tornam mais intensos e podem surgir outros, indicando que o parto está próximo. Você deve ficar atenta a alguns sintomas que precisarão ser acompanhados mais de perto, como o aumento da pressão arterial, ou mesmo indicar a necessidade de ir mais cedo para a maternidade.

Neste post você vai saber quais são os desconfortos mais comuns no fim da gravidez e como amenizá-los. Confira!

Inchaço dos pés e das mãos

Até as últimas semanas da gravidez você terá até 50% mais sangue circulando em seu corpo. Esse aumento de volume pode dificultar a circulação, favorecendo o acúmulo de líquido. Além disso, o peso do bebê pressiona as veias e artérias da região pélvica, também dificultando a passagem do sangue. O resultado: maior inchaço dos pés e das mãos, os conhecidos edemas. Dias muito quentes e longos períodos em pé também agravam o problema.

Por si só, o inchaço não representa um risco para sua saúde ou para a saúde do bebê, embora possa ser bastante desconfortável. No entanto, se os inchaços vierem acompanhados de pressão alta, podem ser um sinal de pré-eclâmpsia e você deve falar com seu médico.

Dica: Tudo que você precisa saber sobre os movimentos do bebê na barriga da mãe!

Como reduzir os inchaços

Para reduzir os inchaços, beba bastante água. Parece incoerente quando falamos de retenção de líquido, no entanto, quanto mais hidratada você estiver, melhor será sua circulação e seu organismo vai eliminar os líquidos com mais facilidade.

Faça caminhadas curtas e massagens na panturrilha para ajudar no retorno do sangue das veias da perna. Se necessário e houver indicação médica, use meias elásticas de compressão para ajudar nesse processo. Sempre que possível, descanse com as pernas elevadas acima do nível do coração. Isso também ajuda no retorno venoso.

Controle o ganho de peso no fim da gravidez. O ganho excessivo de peso será prejudicial para sua circulação e vai aumentar os edemas.

Azia

Mesmo as grávidas que não tiveram azia até o fim da gravidez, provavelmente terão nessa reta final. Além das mudanças hormonais, o crescimento do bebê e o aumento da barriga pressionam o estômago, fazendo com o que os ácidos subam para o esôfago, causando a sensação de queimação.

Para reduzir esse desconforto mantenha uma alimentação equilibrada, reduzindo a ingestão de gorduras e frituras e aumentando o de frutas, legumes cozidos e alimentos mais leves. Reduza também as porções de alimentos. Coma mais vezes e em menor quantidade.

Assim seu estômago precisará produzir menos ácido para digerir os alimentos, reduzindo a azia. Evite se deitar logo após as refeições e mantenha a cabeça mais elevada para evitar o refluxo dos ácidos estomacais.

Confira no banner abaixo algumas orientações para que o seu bebê chegue em um ambiente familiar confortável, organizado e muito seguro.

Dores nas costas

Estima-se que 50% a 75% das grávidas vão sentir dores nas costas em algum momento durante a gestação. Essas dores podem se intensificar no fim da gravidez por algumas razões inevitáveis como o ganho de peso da mamãe e do bebê e o aumento dos seios, que sobrecarregam a região lombar, provocando um deslocamento do centro de equilíbrio da gestante.

Nas últimas semanas o bebê se encaixa nos ossos da região pélvica, se preparando para o nascimento. Nessa posição, ele força a abertura na ligação desses ossos, o que também pode irradiar como dor na coluna.

Como amenizar as dores nas costas

Fique atenta à sua postura. É natural que o peso da barriga faça com que você se incline para frente, encolhendo os ombros e projetando o pescoço. Essa postura força ainda mais a coluna e intensifica as dores. Sempre que estiver sentada mantenha as costas bem apoiadas e jogue os ombros para trás, mantendo a coluna o mais ereta possível. Use também um apoio para os pés.

Especialmente no final da gravidez, use sapatos confortáveis, que deem boa estabilidade. Além dos seus ligamentos estarem mais frouxos devido à ação dos hormônios, o aumento do peso os sobrecarrega, aumentando os riscos de quedas e dores lombares.

Faça alongamentos das pernas e da região lombar. Massagens e compressas de água morna ajudam a relaxar a musculatura e amenizar as dores nas costas. Use um travesseiro embaixo dos joelhos quando dormir de barriga para cima e entre as pernas quando dormir de lado.

Se lhe trouxer mais conforto, você também poderá usar um travesseiro embaixo da barriga, para ajudar a sustentá-la e manter a coluna reta. Usar cintas de sustentação também ajuda a reduzir e evitar as dores lombares.

Dica: Reta final da gravidez: sintomas comuns e cuidados que você deve ter

Falta de ar

Os pulmões também ficam mais comprimidos com o crescimento do bebê, o que pode fazer com que a gestante sinta falta de ar e tenha dificuldade para respirar, inspirando e expirando de forma menos profunda e mais frequente. Exercícios de respiração e meditação podem ajudar a aliviar esse desconforto.

A falta de ar é normal no fim da gestação e não traz riscos para o bebê, pois seu corpo se adapta para manter a oxigenação do pequeno em seu útero. Ela é preocupante se vier acompanhada de palpitações, dormência nos pés e mãos, pulso acelerado e dor no tórax. E também nas grávidas que tem histórico de asma. Se sentir qualquer um desses sintomas adicionais, fale com seu médico.

Contrações de Braxton-Hicks

As contrações de Braxton-Hicks, também conhecidas como contrações de treinamento, podem ser sentidas principalmente no terceiro trimestre da gravidez e se intensificam na reta final. Elas ainda não indicam que você está em trabalho de parto. Acredita-se que elas sejam uma preparação do corpo para o parto e ajudam a afinar as paredes do útero para o nascimento.

Geralmente acontecem apenas algumas vezes por dia, com o endurecimento parcial da barriga. São irregulares e não aumentam de intensidade. Em geral são indolores, mas podem ser doloridas no final da gravidez.

Veja no banner abaixo algumas recomendações e dicas que podem oferecer no futuro mais segurança e conforto na saúde do seu filho.

Como amenizar o desconforto das contrações de Braxton-Hicks

Essas contrações costumam passar quando você muda de posição, bebe água ou realiza alguma atividade como caminhar ou sentar. Fazer xixi e tomar um banho morno também alivia quando o desconforto for maior.

Mas atenção! Se você estiver com menos de 37 semanas de gravidez e essas contrações vierem acompanhadas de sangue ou secreção vaginal parecida com água, pode ser sinal de rompimento da bolsa ou problemas com a placenta. Se no intervalo de uma hora você sentir três ou quatro contrações ritmadas, pode ser sinal de trabalho de parto prematuro. Nessas situações, entre em contato com seu médico.

Se você está com 37 semanas ou mais e as contrações tiverem duração de cerca de 60 segundos cada, estiverem ritmadas e acontecendo a cada cinco minutos, é hora de ir para a maternidade. Esses sintomas indicam que você pode estar em trabalho de parto e seu bebê está a caminho!

Conheça mais sobre nossos planos de coleta e armazenamento via WhatsApp!

Gostou do nosso post sobre os sintomas comuns no fim da gravidez? Compartilhe em suas redes sociais!

Categorias: Gravidez , Terceiro trimestre de gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.