Gravidez

8 alimentos e vitaminas essenciais durante a gravidez

O corpo da mulher sofre inúmeras mudanças durantes os 9 meses de gestação, o que exige mudanças nos seus hábitos de vida. As necessidades nutricionais da gestante aumentam, para dar apoio ao desenvolvimento do bebê e à aceleração do metabolismo materno, e há alguns alimentos e vitaminas essenciais na gravidez.

alimentação durante a gravidez deve ser balanceada e saborosa, o que ajuda a mulher a ter uma gestação saudável, manter-se em forma e garantir que o bebê cresça sem problemas dentro do útero. Praticamente todos os nutrientes de que mãe e filho necessitam podem ser adquiridos pelos alimentos.

A seguir, listamos os principais alimentos e vitaminas essenciais nessa fase. Acompanhe!

1. Ácido fólico

ácido fólico tem tanta importância durante a gravidez que seu consumo costuma ser iniciado pela mulher 3 meses antes do início da gestação. Ele é responsável por diminuir o risco de malformações no tubo neural do bebê, que se transformará em seu sistema nervoso central posteriormente.

A quantidade diária que deve ser ingerida é alta, de forma que, várias vezes, a alimentação precisa ser complementada por suplementos. A suplementação segue até o 3º mês de gestação, que é quando acaba a formação do tubo neural.

Deve ser aumentado o consumo de alimentos que contêm ácido fólico, como:

  • cereais integrais (pão, massa, arroz);
  • leguminosas (feijão, grão-de-bico, ervilha);
  • flocos de milho;
  • beterraba;
  • flocos de aveia.

2. Cálcio

O cálcio é responsável pela formação e crescimento saudável de ossos e dentes, tanto da mãe como do bebê. Ele auxilia também no controle da frequência cardíaca do bebê e no desenvolvimento de nervos e músculos.

As melhores fontes de cálcio são:

  • leite e derivados (iogurte, tofu, queijo);
  • couve;
  • salmão;
  • pão de centeio integral.

É interessante optar pelas opções de leite e derivados com menor teor de gordura, pois elas oferecem maior teor de cálcio.

A absorção e fixação do cálcio depende da quantidade de vitamina D circulante no organismo. Essa vitamina é produzida pelo corpo, principalmente a partir da exposição ao Sol, mas está presente também em alguns alimentos (ovos, peixes gordos).

3. Ferro

O ferro é o elemento presente na hemoglobina, molécula principal dos glóbulos vermelhos, e o responsável pelo aumento do volume sanguíneo durante a gravidez e a prevenção de anemia. Por isso, as necessidades diárias de ferro aumentam bastante na gestante.

Ele é importante também para o desenvolvimento do sistema nervoso do bebê. Sua deficiência pode causar baixo peso do bebê, prematuridade e alterações na formação e organização nervosa.

A alimentação deve ser rica em alimentos com ferro, mas a suplementação ainda é necessária em grande parte dos casos. Esses alimentos são:

  • fígado;
  • pão integral e cereais integrais;
  • feijão;
  • grão de soja;
  • hortaliças verde-escuro (espinafre, couve, rúcula, agrião).

Confira no banner abaixo os hábitos e atitudes que podem proporcionar uma experiência mais gostosa e segura para você e seu bebê.

4. Zinco

O zinco contribui para diferentes processos biológicos no organismo da mãe, como: metabolismo dos carboidratos e das gorduras, metabolismo energético, síntese de proteínas, metabolismo do DNA, divisão celular, funcionamento do sistema imunológico. Todos esses processos são necessários para a manutenção da saúde materna e, consequentemente, da do bebê.

Para o bebê, ele auxilia no bom desenvolvimento neurológico, e sua deficiência pode levar ao desenvolvimento de malformações e baixo peso ao nascer.

As principais fontes de zinco são:

  • carnes, peixes e ostra;
  • leite e derivados;
  • castanhas, amendoim, amêndoa, nozes;
  • semente de linhaça.

5. Magnésio

O consumo de magnésio durante a gravidez diminui os riscos do surgimento da pré-eclâmpsia, transtorno no qual há aumento da pressão arterial, inchaço do rosto e das mãos e saída de proteína na urina. Essa condição pode levar ao parto prematuro, sofrimento fetal ou atraso do crescimento intrauterino.

Dica: Eclâmpsia: saiba tudo sobre o assunto e descubra como tratar

Outras vantagens do seu consumo para grávidas são:

  • combate do cansaço, câimbra e azia;
  • prevenção de contrações uterinas antes da hora;
  • regulação dos níveis de açúcar e insulina no sangue do bebê;
  • favorecimento do crescimento e desenvolvimento do feto.

Os alimentos com magnésio são:

  • amêndoa, amendoim, avelã, castanha-de-caju;
  • cereais integrais;
  • tofu;
  • espinafre;
  • feijão;
  • banana;
  • abacate.

Dica: 5 erros comuns que as gestantes cometem na alimentação

6. Iodo

O iodo é o elemento utilizado na formação dos hormônios da tireoide (T3 e T4), responsáveis pela regulação do metabolismo corporal e, portanto, importantes para todo o funcionamento dos sistemas. Pesquisas mais recentes indicam que todas as mulheres que desejam engravidar, grávidas e as que amamentam devem ingerir suplementação de iodo.

O iodo ingerido pela mãe e passado ao feto pela placenta ajuda na formação dos hormônios da tireoide do bebê, que são importantes para o desenvolvimento do seu sistema nervoso. A falta de iodo pode levar a problemas no desenvolvimento cognitivo do bebê.

O sal de cozinha é fortificado com iodo, mas ele pode ser também encontrado nos seguintes alimentos:

  • peixes, crustáceos;
  • algas marinhas;
  • vegetais;
  • carnes;
  • leite e derivados.

7. Proteínas

No início do 2º trimestre de gestação, o bebê já tem a maioria dos seus órgãos formados. Noe no 3º trimestres, ele desenvolverá os membros e os músculos, crescerá e ganhará peso. Esse crescimento acelerado leva ao aumento das necessidades proteicas, que também precisam apoiar a formação da placenta e o crescimento dos tecidos uterinos.

Geralmente, a “dieta normal” da mulher consegue suprir essa necessidade, com algumas recomendações gerais:

  • ingestão diária de fontes proteicas não animais (leite e derivados, feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha);
  • ingestão moderada de fontes proteicas animais (carnes, pescados, ovos).

Conheça mais sobre nossos planos de coleta e armazenamento via WhatsApp!

8. Alimentos anticonstipantes

A constipação é uma das principais queixas das mulheres grávidas. Ela ocorre pois a progesterona, um dos principais hormônios da gestação, causa uma lentidão no sistema digestivo, o que faz com que os alimentos fiquem mais tempo “parados” no intestino. Além disso, o crescimento do bebê reduz o espaço de funcionamento intestinal.

Além do aumento da ingestão de água, alguns alimentos podem ser consumidos para o alívio da constipação, como:

  • frutas, verduras e legumes ricos em água (pepino, melancia, espinafre, abacaxi);
  • alimentos ricos e fibras (cereais integrais);
  • linhaça, gergelim;
  • castanha-de-caju e castanha-do-pará.

Evite alimentos muito condimentados, doces, queijos, massas brancas, repolho, banana e goiaba.

Esses alimentos e vitaminas te ajudarão a alcançar a melhor alimentação durante a gravidez, essencial para você e seu bebê!

Acompanhe cada estágio da sua gravidez com o aplicativo Semanas de Gestação. Clique no banner abaixo e acesse gratuitamente!

O que você achou dessas dicas? Boas? Então compartilhe este texto nas suas redes sociais, para que suas amigas grávidas também aprendam a se alimentar melhor!

Categorias: Gravidez , Saúde na gravidez

Mais de 100.000 mães acompanham nosso conteúdo!

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
    Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
    Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
    Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

    Caro Leitor,

    A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.